Seguir o O MINHO

País

Casais com ambos os elementos no desemprego aumentam 17,5% em agosto

Segundo o IEFP

em

Foto: DR / Arquivo

O número de casais com ambos os elementos inscritos nos centros de emprego aumentou 17,5% em agosto face ao mesmo mês de 2019, para 6.456, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).


De acordo com o IEFP, do total de desempregados casados ou em união de facto, 12.912 (8%) têm também registo de que o seu cônjuge está igualmente inscrito como desempregado no serviço de emprego.

Assim, o número de casais em que ambos os cônjuges estão registados como desempregados foi, no final de agosto de 2020, de 6.456, ou seja, 17,5% (mais 960 casais) que no mês homólogo e de -1,6% (menos 104 casais) em relação ao mês anterior.

Os casais nesta situação de duplo desemprego têm direito a uma majoração de 10% do valor da prestação de subsídio de desemprego que se encontrem a receber, quando tenham dependentes a cargo.

Número de desempregados inscritos sobe 34,5% em agosto

O IEFP começou a divulgar informação estatística sobre os casais com ambos os elementos desempregados em novembro de 2010, altura em que havia registo de 2.862 destas situações.

Segundo dados também hoje divulgados, o número de desempregados inscritos nos centros de emprego aumentou 34,5% em agosto em termos homólogos e 0,5% face a julho.

De acordo com o IEFP, no final de agosto, estavam registados nos serviços de emprego do continente e regiões autónomas 409.331 desempregados, mais 0,5% face ao mês de julho (mais 2.029 pessoas).

Anúncio

País

Ana Gomes defende requisição civil dos privados da saúde em caso de emergência

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A candidata presidencial Ana Gomes considera que o Governo deve avançar para a requisição civil do setor privado e das parcerias público-privadas (PPP) da saúde caso se chegue a uma situação de emergência com a covid-19.

Numa entrevista à agência Lusa, que será divulgada no sábado, a ex-eurodeputada socialista disse também concordar com o “abanão” defendido pelo primeiro-ministro, António Costa, e que este deve ponderar todas as medidas caso de assista a um aumento exponencial da pandemia, incluindo o regresso ao confinamento.

“Se o país chegar a uma situação de tremenda exigência do Serviço Nacional de Saúde, o Governo deve considerar uma requisição dos meios que hoje estão alocados aos privados e às PPP, que não podem estar à margem do esforço nacional e da emergência nacional, seja para tratamento de casos covid-19, seja para lidar com os casos não covid-19 que estão a ser deixados para trás por causa da situação sanitária. É uma prioridade para o Estado”, frisou Ana Gomes.

Na entrevista, Ana Gomes também manifestou dúvidas sobre os objetivos concretos que constam de uma recente carta subscrita pelos bastonários da Ordem dos Médicos, em que se recomenda ao Governo uma parceria mais intensa com o setor privado da saúde.

“Se a carta dos bastonários [da Ordem dos Médicos] significa desviar recursos do Estado para os privados, isso não, de maneira nenhuma, porque já bem basta o que ocorre hoje. Não estou a falar de nacionalização, mas de requisição civil aos privados para prestarem os cuidados básicos que são necessários perante a emergência nacional de uma situação de aumento exponencial de casos que se coloque ao país”, respondeu.

A antiga dirigente socialista advertiu que não dispõe dos dados que tem o Governo sobre a evolução da pandemia de covid-19 em Portugal.

“Mas temo que, em resultado daquilo que a própria ministra da Saúde [Marta Temido] admite, que a situação esteja muito grave. Estou a ouvir vários responsáveis de hospitais a dizer que é preciso abrir hospitais de campanha para aumentar a capacidade dos cuidados intensivos. Portanto, admito que seja necessário requisitar esses cuidados que hoje existem na esfera dos privados em Portugal”, insistiu.

Questionada sobre a possibilidade de ser decretado um novo confinamento obrigatório, ou sobre a possibilidade de Portugal seguir a França no sentido de decretar um recolher obrigatório durante 12 horas, Ana Gomes citou o primeiro-ministro, quando defendeu que o país estava a precisar “de um abanão” em termos de medidas de proteção contra a covid-19.

“Estamos confrontados com uma subida assustadora do número de casos, que também se regista em outros países europeus. Sabemos que uma pandemia não conhece fronteiras. Face a isto, entendo que o primeiro-ministro deve ponderar todas as medidas, eventualmente mesmo um novo confinamento”, declarou.

Ana Gomes observou depois que António Costa está a tentar evitar um novo confinamento obrigatório, “porque sabe do tremendo impacto económico e social e até humano ao nível da própria saúde mental que isso implica para muitos portugueses”.

“O ideal seria conseguir evitar isso, mas então importa tomar medidas, que é o que penso que diz este estado de calamidade que acaba de ser decretado”, sustentou.

No atual quadro de crise sanitária, a candidata presidencial também considerou urgente a adoção de “medidas de apoio social aos setores mais vulneráveis, mais expostos aos riscos da covid-19”.

“Refiro-me que a comunidades que vivem em situação de pobreza e de insalubridade, situações que aumentam os riscos de exposição à covid-19. Ainda na quarta-feira visitei um bairro no outro lado do rio Tejo, em Almada, em frente ao Palácio de Belém, que é obviamente um problema de décadas, com uma comunidade de cerca de três mil pessoas que vivem numa situação de indignidade total. Duvido que haja meios por parte da autarquia para resolver o problema”, afirmou.

Neste ponto, Ana Gomes salientou que a situação que observou naquele bairro de Almada “é um daqueles casos em que se exige uma política de habitação social que resolva rapidamente o problema e que não permita um agravamento das condições de indignidade em que as pessoas vivem”.

“Essas condições são elas próprias potenciadoras de um rastilho covid-19”, acrescentou.

Continuar a ler

País

Covid-19: Mais 11 mortos, 2.101 infetados e 588 recuperados no país

Boletim diário da DGS

em

Foto: DR / Arquivo

Portugal regista hoje mais 11 mortos e 2.101 novos casos de infeção por covid-19, em relação a quarta-feira, segundo o boletim epidemiológico diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

É o segundo dia consecutivo que Portugal ultrapassa os dois mil casos diários e o novo recorde desde o início da pandemia.

1.146 dos novos casos são no Norte.

De acordo com o boletim, desde o início da pandemia até hoje registam-se 93.294 casos de infeção confirmados e 2.128 mortes.

Há ainda 55.081 recuperados, mais 588 do que ontem.

Continuar a ler

País

Governo prevê que economia só vai recuperar do “choque” da pandemia em 2030

Plano de Recuperação e Resiliência

em

Foto: Twitter / António Costa

O Governo estima que a economia portuguesa apenas recupere do “choque” da pandemia de covid-19 em 2030, de acordo com o esboço do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) entregue hoje em Bruxelas.

Segundo o primeiro esboço do documento entregue hoje à Comissão Europeia pelo Governo, a que a Lusa teve acesso, o PRR vai permitir “que em 2030 a economia portuguesa tenha recuperado inteiramente do choque provocado pela pandemia, atingindo um PIB [Produto Interno Bruto] idêntico ao que alcançaria num cenário de inexistência desse choque”.

De resto, o executivo português calcula que o impacto anual do PRR no PIB será, em média, de 0,5 pontos percentuais (p.p.), ou seja, sem plano de recuperação a economia nacional cresceria anualmente menos 0,5 p.p. até 2026.

Na versão preliminar do Plano de Recuperação e Resiliência português, são apresentados dois cenários macroeconómicos, com e sem o fundo europeu.

Sem o fundo, o PIB português cresceria 5% em 2021, 3,4% em 2022, 2,5% em 2023, 2,3% em 2024, 2,2% em 2025 e 2% em 2026.

Já tendo em conta as verbas do Fundo de Recuperação, prevê-se que a economia avance 5,4% em 2021, 3,6% em 2022, 3,3% em 2023, 3,2% em 2024, 2,6% em 2025 e 2,4% em 2026.

Também no défice se faz sentir essa diferença, já que com a execução do plano europeu o Governo prevê um défice de 4,3% em 2021, de 2,7% em 2022 (já abaixo do limite do Pacto de Estabilidade da Comissão Europeia, de 3%), de 2,2% em 2023, de 1,4% em 2024, e de 0,7% em 2025.

Em contraste, num cenário desenhado sem a existência do plano de recuperação, o Governo previa a existência de um défice de 1,2% em 2026.

Assim, sem o plano, depois do excedente de 0,1% do PIB no ano passado, o executivo esperaria na mesma um défice de 7,3% em 2020 e 4,3% em 2021, mas a partir de 2022 os números do saldo negativo das contas públicas aumentariam para 2,8% em 2022, 2,4% em 2023, 2,0% em 2024, 1,6% em 2025 e 1,2% em 2026.

Além disto, o Governo já admite o recurso a empréstimos ao abrigo do Mecanismo Europeu de Recuperação e Resiliência, no valor de 4,3 mil milhões de euros, para habitação pública acessível, apoio às empresas e material circulante ferroviário.

“O Governo Português tomou a decisão de maximizar a utilização de fundos europeus a título de subvenção e de minimizar a utilização de empréstimos que possam dar origem ao aumento da dívida pública”, lê-se no documento, mas, ainda assim, o executivo elenca três investimentos que merecem uma avaliação criteriosa da sua elegibilidade, e em que condições, para a componente de empréstimos do Mecanismo Europeu de Recuperação e Resiliência”.

Desses investimentos, consta uma aposta de 2,7 mil milhões de euros ao “parque público de habitação acessível”, bem como perto de 1,3 mil milhões de euros para “capitalização de empresas e à resiliência financeira” no âmbito do Banco de Fomento, respetivamente nos módulos da habitação e da promoção do emprego.

Já no que toca à mobilidade sustentável, é equacionado o recurso a empréstimos comunitários para um investimento de 300 milhões de euros em material circulante ferroviário, nomeadamente para comboios regionais.

No final de setembro, o primeiro-ministro tinha salientado que Portugal não iria utilizar a fatia de empréstimos do Fundo de Recuperação, recorrendo “integralmente” às subvenções.

“Portugal tem uma dívida pública muito elevada e assume sair desta crise mais forte do ponto de vista social, mas também mais sólido do ponto de vista financeiro. Por isso, a opção que temos é recorreremos integralmente às subvenções e não utilizaremos a parte relativa aos empréstimos enquanto a situação financeira do país não o permitir”, frisou António Costa na altura, falando na Fundação Champalimaud, em Lisboa, após uma intervenção da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que se deslocou ao país.

Em julho passado, o Conselho Europeu aprovou um Quadro Financeiro Plurianual para 2021-2027 de 1,074 biliões de euros e um Fundo de Recuperação de 750 mil milhões para fazer face à crise gerada pela covid-19, entre subvenções e empréstimos.

Entre os dois pacotes europeus, Portugal deverá arrecadar cerca de 45 mil milhões de euros em subvenções a fundo perdido no período de 2021 a 2029.

Continuar a ler

Populares