Seguir o O MINHO

Braga

Casais adiam casamentos devido a pandemia – No Bom Jesus, em Braga, já foram sete

REPORTAGEM. Com vestidos e fatos à medida, flores escolhidas, quintas reservadas e convites prontos

em

Foto: Ilustrativa

Com vestidos e fatos à medida, flores escolhidas, quintas reservadas e convites prontos, vários foram os casais da zona Norte que, devido ao surto de Covid-19, se viram obrigados a adiar o casamento para “melhores dias”.

No Bom Jesus, em Braga, por exemplo, sete casamentos que estavam marcados para março e abril já foram adiados.

O reitor do santuário, João Paulo Alves, disse à Lusa que já tem 127 casamentos marcados para este ano, mas, admitiu, muitos deles “acabarão por ter de ficar para melhores dias”.

Decisão “inédita” encerra Bom Jesus em Braga: “Foi muito difícil”

Mas as estórias de casamentos adiados multiplicam-se um pouco por todo o país.

Após 10 anos de vida em conjunto, Ana e Thiago decidiram, em janeiro, marcar casamento para o próximo dia 12 de junho, mas, entretanto, por força do “sacana do vírus”, já adiaram a cerimónia, para data ainda por definir.

“Não concebo casamento sem abraços, sem afetos, sem beijos, com medo de contaminar ou ser contaminado. O casamento é a celebração do amor e essa celebração deve ser feita na sua plenitude”, disse à Lusa Ana Matias, arquiteta de 39 anos, residente em Matosinhos.

A quinta para a festa já estava reservada, cerca de 100 convidados confirmados e o vestido comprado, mas para já fica tudo suspenso.

“Talvez fique para junho do próximo ano, vamos ver como as coisas evoluem”, atira Ana.

Até lá, promete continuar a ter muito cuidado com a linha, não vá o diabo tecê-las e, chegada a data, o vestido que comprou para o casamento já não lhe servir.

“Não faça deste evento o último da sua vida. Proteja-se”, lê-se na publicação da página ‘online’ do ‘The Wedding Villa’, um espaço no Porto que junta todos os setores e fornecedores de preparação para eventos, entre eles, casamentos.

Foi com esta e outras mensagens semelhantes que Mariana Duarte, fundadora da ‘Griffin’ (empresa que criou o ‘The Wedding Villa’) avisou os casais para começarem a adiar os seus casamentos.

“Os nossos clientes não estavam conscientes do que se ia passar, aliás, fomos nós que tomámos a iniciativa de falar com eles. Alguns aceitaram bem, outros nem tanto. No caso dos casamentos, a primeira reação foi de quererem cancelar, por esse motivo, fizemos uma publicação a apelar para não cancelarem, mas sim, adiarem”, explicou, em declarações à Lusa, a fundadora.

Mariana Duarte optou por encerrar, no dia 12 de março, o ‘The Wedding Villa’, espaço que, diariamente, recebe “cerca de seis noivas”, ora para experimentar o vestido, sapatos e joias, ora para escolher o fotógrafo, videógrafo, florista, quinta e serviço de catering.

A par do encerramento da villa e, consequentemente, adiamento de marcações, Mariana Duarte, que monitoriza também a ‘Griffin’, empresa responsável pela total organização de eventos, já viu “adiado um dos 17 casamentos agendados para este ano”, em Portugal.

“Adiámos um casamento que se ia realizar no mês de março e, contamos que no mês de abril sejam outros tantos e em maio, não queria pensar nisso, mas teremos vários adiamentos”, afirmou Mariana Duarte, admitindo que o ritmo de trabalho, nos últimos dias, “têm sido alucinante”.

“Neste momento, tentamos sempre imaginar o que podemos fazer no pior cenário (…) É obvio que vamos perder muito dinheiro, não há qualquer tipo de dúvida, mas acho que vamos conseguir aguentar”, confessou.

Com o adiamento dos casamentos, Mariana Duarte prevê, além de uma “perda financeira” para a maioria dos serviços e fornecedores, uma “sobrecarga de casamentos à semana”.

Além de trabalhar em todo o território nacional, a empresa que Mariana Duarte fundou há quase 10 anos, também organiza casamentos em Itália, onde a situação, comparativamente com Portugal, “é bastante mais grave”.

Para este ano, tinha agendados 10 casamentos no país, desses, três já foram cancelados.

“A situação em Itália preocupa-me imenso. Neste momento, não há nenhum evento em Itália de março a dezembro que seja garantido. Nenhum. Aqui em Portugal ainda podemos dizer que esperamos voltar a fazer eventos antes de julho, em Itália, não sei se vamos conseguir fazer antes do final do ano”, concluiu.

Marta Ramos, 34 anos, de Albergaria-a-Velha, também tinha casamento marcado, neste caso para 02 de maio.

O enlace foi marcado em novembro de 2019, numa altura em Marta e Tiago, o noivo, estavam muito de longe de imaginar o que estava para vir.

“Até fevereiro, foi achando que estava tudo bem, mas agora em março percebemos que não haveria a mínima hipótese e, que remédio, tivemos de adiar”, referiu Marta Ramos.

O casal, que reside em Londres, já tinha tudo tratado para o casamento, incluindo as viagens para Portugal, mas agora é tempo de cancelar tudo e de tentar reagendar para setembro.

“Queremos muito acreditar que, até lá, o vírus já se tenha ido embora, mas nunca se sabe… É chato, mas são só mais uns meses. E, olhe, temos de pensar positivo: assim, teremos mais algum tempo para pensar no passo que vamos dar”, atira, com humor.

Já Nina Pérez, diretora-executiva da plataforma internacional ‘Casamentos.pt’, que monitoriza todos os setores necessários à preparação de casamentos ‘online’, revelou, numa resposta enviada à Lusa, que os últimos tempos têm sido “desafiantes”.

“Acabámos de fazer um estudo com mais de 2.600 utilizadores de Itália, Espanha e França. Os resultados são encorajadores: 91,3% dos casais optaram por adiar e apenas 8,7% cancelaram o casamento”, explicou a responsável.

Apesar de “ainda ser demasiado cedo” para fazer previsões em Portugal, Nina Pérez acredita que “poderá haver cerca de 3.000 casamentos afetados”.

“Da nossa parte, sabemos que os casamentos não podem acontecer durante este período, mas sabemos que em breve, ‘o amor será celebrado de novo”, concluiu.

Anúncio

Braga

Arcebispo de Braga quer velas à janela e sinos a tocar no domingo de Páscoa

Covid-19

em

Foto: DR

O Arcebispo Primaz de Braga, D. Jorge Ortiga, em carta pastoral enviada aos sacerdotes católicos da Arquidiocese, pede “às famílias que, para exteriorizarem a sua fé na noite de sábado para domingo de Páscoa, coloquem na janela uma ou mais velas. Recordar-nos-ão o batismo e convidar-nos-ão a ser luz no mundo”.

O prelado acrescenta que, “durante o Domingo de Páscoa, os sinos devem tocar festivamente. A criatividade pastoral pode e deve ser usada para inventar outros sinais que manifestem a alegria pascal, nomeadamente um almoço festivo, com muitas ou poucas coisas, antecedido de um momento de oração”.

Na carta pastoral, D. Jorge Ortiga realça que “há mensagens, contactos telefónicos, saudações pela internet” e conclui: “Tudo deve seguir o que a fantasia da caridade sugere. E digo mais uma vez: acrescenta-lhe a melodia dos gestos, como possas e quanto o amor te ditar. O teu gesto diz: Estou a teu lado, à tua frente, a teu lado, no teu meio, atrás de ti”.

A celebração no Sábado será às 21h e no Domingo às 11h30, ambas na Sé Primaz. Ambas transmitidas pela internet.

Continuar a ler

Braga

Parques de campismo em Braga e Vila Verde disponíveis para profissionais de saúde

Covid-19

em

Foto: Domingos Costa

Os parques de campismo situados em Braga e Vila Verde estão disponíveis para receber profissionais de saúde durante o tempo da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a Câmara de Braga explica que o Parque de Campismo e Caravanismo de Braga terá alojamento para até 24 pessoas da área da saúde e da proteção civil, após pareceria entre a autarquia, a Invest Braga, o movimento de caravanistas ISTAS e o Hospital de Braga.

Bungalows, autocaravans e caravanas estarão disponíveis a partir de quinta-feira, com a chegada de mais seis autocaravanas vindas de Lisboa, conforme já foi noticiado por O MINHO.

Oferece ainda quatro espaços livres para os profissionais que possuam autocaravanas ou caravanas e necessitem deste serviço.

Já em Vila Verde, na freguesia de Aboim da Nóbrega, o parque de campismo local decidiu colocar dois bungalows, com capacidade para quatro pessoas, à disposição da comunidade médica.

No Parque de Campismo e Caravanismo Rural de Aboim da Nóbrega existem sete espaços para autocaravanas e caravanas para quem possua meios próprios e necessite de um espaço.

Esta iniciativa surge após disponibilidade demonstrada pela ATAHCA, Associação de desenvolvimento das Terras Altas do Homem, Cávado e Ave, proprietária do parque.

Continuar a ler

Braga

Empresa de perfumes de Braga dedica toda a produção ao fabrico de gel desinfetante

Covid-19

em

Foto: Divulgação / Yntenzo

A marca bracarense de perfumaria artesanal Yntenzo decidiu dedicar toda a sua capacidade produtiva à produção de álcool gel, fazendo também uma doação à Proteção Civil, que irá distribuí-la por instituições e entidades que necessitam deste apoio, anunciou a empresa.

Destinado à higienização das mãos, com 65% a 70% de álcool, cumpre com as normas europeias e está registado no Portal Europeu de Cosméticos e Infarmed. Esta formulação inclui uma componente de hidratação que evita que as mãos fiquem secas e gretadas, explica a marca. Há ainda uma oferta de produtos a várias instituições como IPSS, bombeiros, proteção civil e cruz vermelha

“Na Yntenzo fazemos questão de apoiar a nossa comunidade ao longo de todo o ano, pelo que não poderíamos falhar nesta época delicada que vivemos. Fizemos um grande esforço para desenvolver uma fórmula de forma a apresentarmos um produto com a qualidade que nos é associada e a um preço acessível para todos”, revela Daniel Vilaça, CEO da Yntenzo.

“Esta é a nossa forma de agradecer a todos os que estão na linha da frente desta batalha – a Proteção Civil pode, agora, distribuir estes recursos pelos profissionais, lares, instituições e entidades que mais precisam. Nesta fase difícil, todos devemos ajudar como podemos, até porque todas as ajudas são necessárias”, continua.

Sem perfume e de secagem rápida, o novo álcool gel da Yntenzo está disponível na loja online e pode ser comprado em embalagens de 250ml e de 500ml, avulso ou em packs de 6, com preços que começam nos 5,50€. As encomendas chegam em 48 horas e todas as opções estão disponíveis na loja online da marca portuguesa.

Continuar a ler

Populares