Seguir o O MINHO

Ave

Carro retirado do rio Ave em Famalicão é roubado

Ocorrência

em

Foto: Imagem CMTV

O carro que hoje de tarde foi avistado submerso no rio Ave, na zona de Riba d’Ave, em Famalicão, já foi retirado da água. Não tinha vítimas no interior.


De acordo com a CMTV, a carrinha BMW terá sido roubada nas últimas semanas e poderá ter sido usada em assaltos.

A viatura terá sido atirada ao rio Ave para despistar as autoridades, não se sabendo há quanto tempo ali estaria.

O carro foi avistado por um popular que passava no local e deu o alerta por volta às 17h25.

Numa primeira fase, a equipa de mergulhadores verificou se havia vítimas dentro da viatura. Após terem verificado que a carrinha estava vazia, seguiram-se as manobras para a retirar das águas do Ave.

A GNR registou a ocorrência e está a investigar o caso.

Anúncio

Ave

Hospital de Famalicão livre da covid

Pandemia

em

Foto: DR / Arquivo

O Centro Hospitalar do Médio Ave, mais concretamente na unidade do Hospital de Famalicão, já não tem qualquer doente infetado com covid-19, foi hoje anunciado.


Segundo António Barbosa, presdidente do Conselho de Administração, a ala covid daquele hospital já não tem nenhum doente com a infeção, após todos terem testes negativos.

O anuncio foi feito esta noite de sexta-feira, durante um debate promovido pela rádio Cidade Hoje.

Segundo o boletim epidemiologico de hoje, o concelho famalicense conta com 400 casos registados de infeção desde o inicio da pandemia, desconhecendo-se, todavia, o numero de recuperados e óbitos.

Continuar a ler

Guimarães

Empresário de Guimarães desenvolve tapete desinfetante e faz sucesso em França

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Armando Costa, empresário luso-francês com raízes em Guimarães, está a conquistar o mercado empresarial francês com a venda de tapetes desinfetantes que removem todo o tipo de vírus e bactérias do calçado, inclusive o da covid-19.


Empresário no ramo da prestação de serviços e organização de eventos, o vimaranense adaptou-se aos novos tempos face à pandemia que assolou o globo e criou um tapete duplo com reservatório desinfetante para comercializar em domicílios privados, comércio, indústria, centros comercias e espaços frequentados pelo grande público.

Em comunicado enviado à imprensa, o empresário explica que ao longo do último mês, já comercializou mais de 3.000 unidades, contando por entre os seus clientes “duas grandes superfícies comerciais de Paris, edifícios municipais, estruturas residenciais para idosos, clínicas e vários domicílios privados”

“Atualmente, está a expandir a produção através de uma parceria com uma indústria de manufaturados de forma a comercializar também em Espanha e Portugal”, refere a nota de imprensa.

Ainda segundo o empresário, os tapetes, de tamanhos variados, podem ser colocados no lugar de qualquer outro tapete que habitualmente se encontram nas entradas e saídas de casas e espaços públicos.

Em Portugal, o tapete já é comercializado por dois revendedores, também de Guimarães, que fazem a distribuição oficial no país.

Contactado por O MINHO, um dos distribuidores, Sandro Baptista, explica que o líquido fica impregnado no tapete, devendo ser reabastecido ao fim de algum tempo.

“Tem um reservatório onde se coloca o líquido que passa para todo o tapete. O reabastecimento depende do uso que se lhe dá. No fundo, ensopamos o calçado no tapete e o liquido a fica nas solas. As esponjas não permitem que o desinfetante passe acima da sola, não danificando”, argumenta.

Recomenda ainda a utilização de um segundo tapete, seco, para passar a sola, de forma a que o calçado não se torne escorregadio.

Diz a nota que o mesmo é “recomendado para domicílios, hotéis, apartamentos, lojas, restaurantes, hospitais, clínicas e lares de idosos”.

“Para adquirir este tipo de tapete, com custo de 70 euros, pode obter mais informações através do distribuidor português 934273867 (Sandro Baptista)”, termina a nota.

Continuar a ler

Ave

Homem detido em Guimarães após fugir de hospital psiquiátrico

PSP

em

Foto: DR

A PSP de Guimarães deteve na quinta-feira um homem de 36 anos que tinha fugido do Hospital Magalhães Lemos, no Porto.


A polícia refere em comunicado que soube “através de uma chamada telefónica” que um indivíduo “que se encontrava na Unidade de Psiquiatria Forense do Hospital Magalhães Lemos – Porto, havia aproveitado uma oportunidade quando foi receber tratamento médico e colocou-se em fuga”.

A PSP acabou por intercetá-lo e detê-lo na Travessa da Bouça do Pinheiro, na cidade de Guimarães.

Continuar a ler

Populares