Seguir o O MINHO

Alto Minho

Caminha garante meio milhão de euros de fundos comunitários para prevenir incêndios

em

A autarquia de Caminha, liderada pelo socialista Miguel Alves, anunciou esta terça-feira a aprovação de uma candidatura de execução da “Rede de Defesa da Floresta Contra Incêndios do Concelho de Caminha”, orçada em 577.098,92 euros e financiada pelo Programa Operacional – Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR).

Em nota divulgada no site do município, é referido que esta empreitada florestal prevê a instalação de rede primária e rede secundária em várias freguesias do concelho, numa área de 312,52 hectares.

“Com a presente operação pretende-se executar a rede de faixas de gestão de combustíveis – primária e secundária – planeadas em sede de PMDFCI, com uma abrangência municipal com vista à minimização dos efeitos da passagem dos incêndios florestais”, explica.

“Assim, pretende-se aumentar a resiliência do território florestal ao risco de incêndio florestal, diminuir a área percorrida por grandes incêndios florestais, criar oportunidades de apoio ao combate a eventuais incêndios florestais, alterar o regime de fogo do concelho e, ainda a recuperação silvopastoril do território, que se reveste de enorme importância para as populações de montanha”, acrescenta.

Esta empreitada florestal visa executar a instalação de cerca de 90 hectares de rede primária de faixas de gestão de combustível e mais de 220 hectares de rede secundária em terrenos baldios e da propriedade das juntas de freguesia.

Arga (Arga de São João, Arga de Cima e Arga de Baixo), Lanhelas, Seixas, Vilar de Mouros, Argela, Dem, Gondar e Orbacém, Riba de Âncora, Âncora, Azevedo, Vilarelho e Vila Praia de Âncora são as freguesias abrangidas.

“As intervenções a realizar consistem na execução de trabalhos florestais de corte e controlo do estrato arbustivo e herbáceo; corte e desbaste de povoamentos florestais para correção de densidades, desramações e podas, acordoamento e trituração de despojos e controlo/erradicação de espécies infestantes, caso da hakea e da acacia dealbata, de modo a evitar a propagação de incêndios florestais e para reforçar as condições de segurança das forças de combate”, assinala a autarquia.

A candidatura foi submetida e aprovada no âmbito do Concurso POSEUR, do Programa Operacional da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, que tem como eixo prioritário promover a adaptação às alterações climáticas e a prevenção e gestão de riscos.

Populares