Seguir o O MINHO

Alto Minho

Câmara de Monção investe perto de um milhão de euros em apoio a alunos

“Maior fatia” do montante será investido nos transportes escolares

em

Foto: archdaily.com.br / DR

A Câmara de Monção destinou perto de um milhão de euros para apoiar as famílias dos alunos que frequentam escolas do concelho, sendo que a “maior fatia” daquele montante é para transportes escolares, revelou, esta quinta-feira, a autarquia.


“O município de Monção elevou a educação a vetor prioritário da sua missão, apostando num sistema escolar inclusivo e focado na competência e excelência. Estamos empenhados em garantir as melhores condições de funcionamento e aprendizagem que, por sua vez, conduzam a um ensino de qualidade acessível a todos os intervenientes”, afirmou a vereadora da Educação, Natália Rocha, num comunicado enviado à Lusa.

Na nota, aquela autarquia de Viana do Castelo, presidida pelo social-democrata António Barbosa, adiantou que “a verba de 967.564 euros está inscrita no orçamento para 2020 e visa garantir as melhores condições de aprendizagem aos alunos do concelho”.

“A maior fatia, 702.104 euros, destina-se aos transportes escolares que, desde o ano letivo 2018/2019, são gratuitos para todos. Neste capítulo, houve a preocupação de estabelecer um conjunto de itinerários que permitam aos alunos sair mais tarde e chegar mais cedo a casa”, sustenta a nota.

Já “as fichas de atividades escolares, que o município oferece aos alunos até ao 8º ano, representam uma verba de 58 mil euros” e os incentivos à formação de quadros médios e superiores e bolsas de estudo contam com o montante de 32.682 euros.

Os “programas ocupacionais, os estágios profissionais e o Programa de Estágios Profissionais na Administração Local (PEPAL) têm inscrita uma dotação financeira de 90.320 euros, assegurando que alguns jovens licenciados possam estagiar na autarquia, mediante uma contrapartida financeira, durante um tempo determinado”.

Para as “refeições nas cantinas, transporte para desporto escolar ou instituições sociais, auxílios económicos diretos, material escolar, visitas de estudo e apoio ao funcionamento dos pavilhões está reservada uma verba total de 84.458 euros”.

Além daquelas medidas de apoio, a Câmara de Monção “está a proceder à requalificação dos estabelecimentos de ensino, sendo que o orçamento tem uma dotação de 131.604 euros para dar continuidade ao trabalho de valorização do parque escolar”.

Anúncio

Alto Minho

Primeiro centro português de certificação de armas abre em Viana no próximo ano

Investimento de 2,5 milhões

em

Foto: DR

O primeiro centro português de certificação de armas vai abrir em junho de 2021, em Viana do Castelo, num investimento de 2,5 milhões de euros, foi hoje anunciado.

O secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Antero Luís, fez o anúncio durante a sessão que marcou o lançamento da primeira pedra do Banco de Provas (BdP) de Armas de Fogo e Munições da Polícia de Segurança Pública, em Viana do Castelo, e adiantou que dos 2,5 milhões de investimento naquele equipamento, o décimo quinto em todo o mundo, um milhão de euros é garantido por fundos comunitários.

Antero Luís considerou que com a construção do novo centro, “em estado avançado”, “Viana do Castelo vai ser internacionalmente conhecida como certificante de armas”.

“Não temos hoje, em Portugal, nenhuma certificação das armas que são produzidas em território nacional. Com este centro, as armas deixam de ter de ser enviadas para a Bélgica para ser certificadas, reduzindo custos. É uma mais valia não só do ponto de vista industrial, mas também para a própria PSP que se credibiliza e a passa para um nível que hoje não tem”, afirmou o governante.

O BdP de Armas de Fogo e Munições vai nascer na freguesia de São Romão de Neiva, em terrenos contíguos à fábrica belga de armas FN Herstal, responsável pela produção das armas Browning e Winchester.

Trata-se da maior fábrica de armas de Portugal, estando autorizada pela PSP a produzir até 150 mil unidades por ano.

Para o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna aquele centro poderá contribuir para a criação de um ‘cluster’ ligado ao setor.

“Isso seria o ideal, contribuir para um ‘cluster’ em matéria de armamento tendo em conta a influência que a Browning tem, em termos de exportação. A partir do momento em que a certificação começar a ser feita em Portugal implicará a eventualidade de outros operadores se instalarem na zona”.

A inauguração do BdP, esteve inicialmente prevista para o início deste ano.

O diretor do Departamento de Armas e Explosivos da PSP, Pedro Moura, explicou que o atraso no arranque da obra ficou a dever-se a uma primeira tentativa falhada no primeiro concurso público, por um preço base de 1,7 milhões de euros que veio a “revelar-se muito baixo”.

No início deste ano, e “após reprogramação temporal e financeira”, foi lançado novo concurso.

A obra “está em plena execução” estimando-se que no segundo semestre deste ano seja o lançamento de um novo concurso público para a aquisição dos equipamentos necessários ao funcionamento do BdP, no valor de mais de 600 mil euros.

O diretor do Departamento de Armas e Explosivos da PSP adiantou que o BdP de Viana do Castelo vai prestar serviços de “desativação, autenticação e numeração de armas, até agora concentrados em Lisboa”.

“O que pretendemos é colocar Portugal no ‘standard’ máximo da qualidade das armas colocadas no mercado. Queremos trazer Viana do Castelo e para o Norte do país serviços que até agora funcionam apenas em Lisboa. Este centro promoverá a redução de custos para as empresas e, à volta dele outros operadores económicos poderão instalar-se”, realçou.

A criação daquele centro começou a ser planeada em 2006, aquando da aprovação do novo regime jurídico das armas e munições.

A estrutura será dotada de um conjunto de equipamentos que permitem a certificação de inutilização e inativação de armas, o apoio à indústria, mas também aos atiradores, na certificação das armas de fogo.

Em 2018, a Câmara de Viana do Castelo aprovou por unanimidade a minuta do contrato de direito de superfície do terreno, com 43 mil metros quadrados, onde a PSP está a construir aquele centro.

Já em 2017, o executivo municipal tinha aprovado, também por unanimidade, a declaração de Interesse Público Municipal do projeto, financiado em 75% por fundos comunitários.

Continuar a ler

Alto Minho

Mais 23 pessoas apanhadas a beber na rua no distrito de Viana do Castelo

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A GNR detetou, no último fim de semana, 23 infrações à declaração da situação de alerta, nomeadamente consumo de bebidas alcoólicas na via pública, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o Comando Territorial de Viana do Castelo afirma que, nos dias 10 e 11 de julho, reforçou o patrulhamento e a fiscalização ao cumprimento das normas e medidas associadas à declaração da situação de alerta.

“Com a subida das temperaturas, o Comando Territorial de Viana do Castelo orientou o patrulhamento para os locais propícios ao ajuntamento de pessoas, como as zonas balneares e outras afetas a atividades de lazer”, acrescenta.

Dezanove pessoas multadas por estarem a beber na rua em Valença

Nesse âmbito, foram detetadas 23 situações de infração que, nos termos da legislação em vigor constituem contraordenação, designadamente pelo consumo de bebidas alcoólicas na via pública.

O consumo de bebidas alcoólicas em espaços ao ar livre de acesso ao público e vias públicas é proibido e constitui contraordenação, exceto nos espaços exteriores dos estabelecimentos de restauração e bebidas devidamente licenciados para o efeito.

Os prevaricados terão que pagar uma coima que varia entre os 100 e os 500 euros, no caso de pessoas singulares, e entre os 1.000 e os 5.000 euros, no caso de pessoas coletivas.

Como O MINHO noticiou, já no último fim de semana dezanove pessoas tinham sido multadas em Valença por beberem na rua.

Continuar a ler

Alto Minho

BMW que vale um milhão de euros roubado de garagem em Ponte de Lima

Clássico

em

BMW 328i

Um clássico BMW modelo 328 do ano de 1939 foi dado como roubado de uma coleção particular situada em Ponte de Lima, no passado dia 07 de julho.

De acordo com o Jornal dos Clássicos e com o Automóvel Clube de Portugal, a viatura desportiva terá desaparecido do espaço, tendo sido avistado pela última vez em Sampaio, no concelho de Ermesinde.

O carro tem a matrícula DH-10-34 e o número de chassis 85173.

De acordo com o departamento de Clássicos do ACP, o departamento histórico da BMW em Munique já foi alertado para o desaparecimento da viatura, uma vez que existem apenas cerca de 400 exemplares deste modelo.

Numa breve pesquisa em sites de leilões deste tipo de automóveis, é possível ver diferentes preços, variando entre os 500 mil e o milhão de euros.

 O modelo, que atingia os 135 quilómetros horários, foi fabricado entre os anos de 1936 e 1940, tendo sido produzidas 434 unidades. Tem motor de seis cilindros com 80 cavalos de potência.

Qualquer informação sobre o paradeiro do automóvel pode ser remetida ao cuidado do ACP.

Continuar a ler

Populares