Seguir o O MINHO

Guimarães

Câmara de Guimarães quer gestão das estradas nacionais no concelho

Autarca apresentou Plano da Mobilidade Urbana Sustentável

em

Foto: DR

O Governo definiu o decreto-lei n.º 100/2018 que fixa a descentralização das estradas nacionais e dá aos municípios o poder de decidir se querem ou não gerir a manutenção das estradas nacionais. Domingos Bragança pretende assumir este desígnio para Guimarães, mas primeiro aguarda que seja esclarecido o envelope financeiro pela parte do Governo.

“Estou disponível para assumir, desde que não seja prejudicial para Guimarães do ponto de vista financeiro”, ressalvou o Presidente da Autarquia.

Domingos Bragança destacou o trabalho desenvolvido no âmbito da “mobilidade integrada”, resultante do Plano Municipal Urbano Sustentável (PMUS), contemplando ainda os modos suaves, a ligação às vilas e freguesias, e ainda o projeto de requalificação para as Estradas 105 e 101.

“Perante a possibilidade da transferência de competências das Estradas Nacionais para os Municípios isso possibilita à Câmara de Guimarães intervir”.

Domingos Bragança já apresentou o projeto para a requalificação da Estrada 105 — ligação desde a Estação de Caminhos de Ferros a Urgezes, Polvoreira, Nespereira, Conde, Moreira de Cónegos e Lordelo — assente nas prioridades da mobilidade, com possibilidade de alargamento da estrada, criação de vias pedonais e passeios, vias cicláveis e zonas de aparcamentos para os transportes públicos.

O mesmo acontece com a Estrada 101, na ligação de Fermentões, Ponte e Taipas.

“Com a construção da Via do Avepark permitirá descongestionar a Estrada 101 e assim poderemos transformar esta via numa via urbana, com passeios, pistas pedonais e cicláveis, e mobiliário urbano adequado”, salientou o Presidente da Câmara de Guimarães.

“A via do Avepark será uma variante, atravessando Fermentões, Ponte e Taipas, servindo ainda as freguesias de Prazins Santa Eufémia, Prazins Santo Tirso e Barco. Vamos também ter em conta o percurso pedonal e percurso ciclável”, sublinhou.

Num processo com cariz de “urgente” está o desnivelamento do nó de Silvares, sob a responsabilidade da Infraestruturas de Portugal. É neste sentido que o Presidente da Câmara de Guimarães pretende assumir a gestão das estradas no concelho, a fim de proceder a aceleração dos processos. Todavia, Domingos Bragança salientou que a propósito do desnivelamento do Nó de Silvares “o projeto está a ser preparado para ser lançado a obra a concurso”, por indicação das Infraestruturas de Portugal, sob perspetiva da obra se realizar este ano de 2019.

No âmbito das alterações das estruturas viárias do concelho, o Presidente da Câmara anunciou a criação de “uma pequena variante” a passar por trás da Igreja de Silvares, fazendo a ligação ao Hospital Privado e ao Parque da Cidade Desportiva, assim como à zona de Ardão (Silvares), complementando a ligação da ecovia.

Domingos Bragança destacou ainda as estruturas intermodais de estacionamento, à imagem do projeto já anunciado para o Monte Cavalinho, junto à Estação de Caminho de Ferro. “Estamos já a trabalhar outra estação Intermodal, em frente à Universidade do Minho, através de uma estrutura viária que vai ligar às traseiras da PSP”, salientou.

Desta forma, Guimarães está a definir o futuro no âmbito da modalidade que assenta ainda no Plano da Mobilidade Urbana Sustentável.

“Não é um documento obrigatório por lei, mas fiz questão de o apresentar para análise aos Vimaranenses tendo em conta o programa que apresentei a sufrágio quer em 2013 como em 2017, no sentido de governar o território de Guimarães com Todos e para Todos. Este Plano de Mobilidade tem a ver com isso, inserindo-se numa ambição maior com o desenvolvimento sustentável. Desejo que todos os vimaranenses consultem este Plano no site do Município e apresentem os seus contributos. A discussão continua aberta”, referiu Domingos Bragança.

Populares