Seguir o O MINHO

Braga

Venda do Estádio Municipal de Braga vai a referendo

Referendo local terá lugar após as Eleições Legislativas

em

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, anunciou hoje, que vai promover um referendo local para saber a opinião dos bracarenses sobre a hipótese de venda do Estádio Municipal de Braga.

Na auscultação, que terá lugar após as eleições legislativas do próximo mês de outubro, a autarquia irá perguntar se os munícipes são a favor ou contra a venda daquela infraestrutura.

Em conferência de imprensa na sede do Município, Ricardo Rio disse que a penhora recente às contas bancárias municipais devido a uma decisão judicial sobre obras no estádio, em 2003, (4,1 milhões de euros), e que fica resolvida esta semana, foi no fundo como que “a gota de água” para avançar com a possibilidade de venda, colocando a decisão nas mãos dos munícipes.

Rio explicou que a alienação permitirá estancar o enorme fluxo de verbas para pagar o custo da construção do estádio, que custou 165 milhões, dos quais falta pagar cerca de 30, mais 20 milhões de processos judiciais em curso.

O autarca sublinhou que, a venda do estádio, permitirá investir na recuperação integral do estádio 1.º de maio, construído em 1956 pelo Estado Novo, o que seria uma alternativa para alojar o Sporting Clube de Braga. Parte das verbas será alocada à requalificação de pavilhões, caso do Flávio Sá Leite, onde joga o ABC.

A este propósito, garantiu que o protocolo que permite ao clube o uso do estádio até 2030 será respeitado, sublinhando que, se os bracarenses votarem favoravelmente a venda, o caderno de encargos respeitará esse direito. Acrescentou que o caderno conterá os usos permitidos na estrutura do estádio, que podem ser outros além dos desportivos.

Penhora “estranha”

Garantiu que a Câmara termina até ao fim da semana um acordo que lhe permite liquidar 4,1 milhões de euros ao Agrupamento Complementar de Empresas (ACE) ASSOC/Soares da Costa e o levantamento do arresto das contas bancárias efetuado a 01 de fevereiro.

Situação das contas penhoradas da Câmara de Braga em vias de resolução

Disse que o próprio ACE ASSOC/Soares da Costa, de acordo com a Câmara, negociou uma operação de factoring com o BCP, que entrega o dinheiro aos membros do consórcio, ficando a Câmara a pagar prestações durante dois anos. Com um juro baixo.

Afirmou que a penhora das contas bancárias foi “muito estranha” na medida em que havia negociações entre as partes e estava decidido que o ACE montava a operação de financiamento.

“Não contava! Fiquei supreendido!”, afirmou.

Frisou, no entanto, que, até ao momento, e embora a tesouraria tivesse ficado afetada, nenhum pagamento importante ficou por fazer.

Revelou, ainda, que o atual executivo, no poder desde novembro de 2013, pagou já mais de 90 milhões de euros de dívidas, do estádio, da parceria-público-privada dos relvados desportivos (rendas da empresa SGEB- Sociedade Gestora dos Equipamentos Desportivos, de devolução de fundos comunitários e de processos judiciais: “em cinco anos, um ano de receitas do orçamento foi para pagar as dívidas”, declarou.

Os 4,1 milhões que a Câmara agora vai pagar prendem-se com “trabalhos a mais” feitos pelo ACE para que o estádio ficasse pronto em dezembro de 2003.

Além deste montante, o Município vai ter de pagar mais 1,5 a dois milhões por “horas extraordinárias” e enfrenta a possibilidade de ter de desembolsar mais oito milhões de outro processo da ASSOC/Soares da Costa que se encontra em recurso no Tribunal Administrativo do Norte.

Em recurso está, ainda, uma decisão do Tribunal Administrativo local que condena a autarquia a pagar quatro milhões ao consórcio de engenharia e arquitetura de Souto Moura, o autor do projeto de construção do estádio.

Notícia atualizada às 14h17

Anúncio

Braga

Bom Jesus é dos locais mais ‘instagramáveis’ da Europa, diz televisão pública belga

Concorda?

em

Foto: Blogger "umpinguinho"

A nomeação de Braga como o segundo destino europeu do ano de 2019 está na base da classificação da cidade como uma das mais instagramáveis da Europa, sobretudo graças ao escadório do Bom Jesus, ou assim o diz a estação de televisão pública belga RTBF.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Yoswer Zambrano📷 (@yoswerz) a

Mas nem tudo é positivo. Esta descrição do monumento religioso parte de um princípio que, hoje em dia, há uma maior procura de destino de férias, não pelas memórias em si, mas sobretudo pelo enquadramento de fotografias para redes sociais.

A RTBF questiona como é que Braga ficou à frente de Florença na lista de melhores destinos europeus. A resposta? Instagram. Os belgas dizem que “Braga é muito fofa” indicando que já realizaram um trabalho na urbe bracarense “há 7 anos, quando o Norte de Portugal não era tão turístico”, mas que isso por si só não deveria chegar para ultrapassar uma cidade como Florença, à qual apelidam de “jóia de cultura, gastronomia e arte italiana”.

Os belgas acreditam que o escadório do Bom Jesus é o monumento que mais força dá a Braga e que existe um desejo na procura pela “escadaria instagramável” que passa no feed de Instagram de utilizadores um pouco por todo o mundo.

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por zúlia (@juhzs_) a

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Claudia Rackow (@claudiarackow) a

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Francesca De Luca (@fraanceschinaaa) a

 

Sobre o escadório, “nada a dizer”. “É soberbo”, referem, dando também destaque à Sé Catedral e “às poucas ruas comerciais” do centro da cidade. “Mas daí até propor a cidade como segundo melhor destino turístico… Temos as nossas dúvidas”, escrevem.

O texto surge a propósito de uma nova profissão que começa a existir em alguns destinos turísticos mundiais. o “instabutler“, uma espécie de mordomo para o Instagram.

Explica a publicação que quem vai de férias para um lugar exótico e, ao lado do tradicional concierge de hotel que prepara atividades e passeios, já pode contar com quem o leve aos locais “mais instagramáveis” da região.

E para isso, o instabutler vai equipado com uma variedade de acessórios e sabe as horas em que as fotos serão mais bonitas ou os monumentos que melhor se encaixam numa foto de perfil nas redes sociais.

A National Geographic Portugal publicou em julho deste ano a lista das 10 cidades “mais instagramáveis” de Portugal, e Braga não foi incluída.

Lisboa, Porto, Coimbra, Águeda, Aveiro, Obidos, Peniche, Alcácer do Sal, Seia e Faro foram as cidades escolhidas pela publicação.

Se Braga é, ou não, um dos locais favoritos para retratar momentos apelativos para as redes sociais, não sabemos, mas a verdade é que foi eleito o segundo melhor destino turístico europeu em 2019. E isso ainda parece suscitar discussão em alguns países.

Continuar a ler

Braga

Homicida de Braga fica em prisão preventiva

Homicídio em Pedralva

em

Foto: O MINHO

O homem de 59 anos suspeito de assassinar a mulher com três tiros de caçadeira, na noite desta sexta-feira, em Pedralva, Braga, vai aguardar julgamento em prisão preventiva.

Manuel Lopes foi presente ao juiz de instrução do Tribunal de Barcelos que decretou a prisão preventiva como medida de coação, por ser suspeito de homicídio qualificado inserido “num quadro de violência conjugal”.

O homem já tinha passado a noite nos calabouços da Polícia Judiciária de Braga depois de, ontem à noite, se ter entregue no posto territorial da GNR no Sameiro, confessando o crime.

Continuar a ler

Braga

Jovem de 20 anos e filho de 5 meses vítimas de violência doméstica em Braga

Armas apreendidas

em

Foto: DR

A GNR de Braga apreendeu esta sexta-feira 12 armas a um homem de 22 anos que é suspeito de agredir a companheira, de 20 anos, e o filho de ambos, de cinco meses, avança aquela força policial.

De acordo com um comunicado enviado a O MINHO, os militares averiguaram que a mulher era agredida, injuriada e ameaçada com armas, assim como o filho, por parte do companheiro.

Após a denúncia de violência doméstica, e por a vítima ter decidido sair de casa, a GNR acompanhou a mesma à residência que partilhava com o agressor, no intuito de recolher os seus pertences pessoais e do filho.

De acordo com a nota de imprensa, os militares ainda procederam à apreensão das armas, que supostamente eram utilizadas nas ameaças, as quais, devido à sua tipologia, são de posse proibida, nomeadamente, uma arma elétrica, um fio de estrangulamento, uma soqueira, um spray gás pimenta, três navalhas, uma faca borboleta, uma pulseira com um lamina dissimulada, um punhal e um bastão extensível.

Foto: GNR Braga

Os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Braga.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares