Seguir o O MINHO

Barcelos

Câmara de Barcelos aprova Orçamento de 70,5 ME, oposição fala em “cópia”

Aumento de quase três milhões de euros em relação ao corrente ano

em

Câmara de Barcelos. Foto: O MINHO (Arquivo)

A Câmara de Barcelos aprovou esta quinta-feira, por maioria, o Orçamento para 2020, no valor de 70,5 milhões de euros, o que representa um aumento de quase três milhões de euros em relação ao corrente ano.

O documento foi aprovado com os votos favoráveis dos cinco vereadores socialistas e do vereador eleito pelo movimento independente Barcelos, Terra de Futuro (BTF) José Pereira, que entretanto se “juntou” ao PS, assumindo pelouros e votando sempre ao lado da maioria.

Os três vereadores do PSD e o do CDS votaram contra, enquanto o outro eleito do BTF se absteve.

Em comunicado, a Câmara refere que para 2020 deverão terminar ou começar “diversas obras estruturantes para o concelho”.

Diz ainda que o próximo ano ficará marcado pela estabilização contratual do pessoal em funções, a consolidação dos investimentos feitos na área tecnológica, a continuidade do Orçamento Participativo e a conclusão da revisão do Plano Diretor Municipal.

A manutenção do contrato de cooperação técnico-financeira com as freguesias, o incremento e a consolidação de projetos na área ambiental e as políticas de coesão social “transversais” são outras apostas sublinhadas no comunicado.

“O ano de 2020 será igualmente importante para a concretização da transferência de competências na área da educação, cujo processo negocial com o Ministério da Educação fixará o financiamento e as condições de gestão de novas estruturas escolares por parte do município, o que implicará uma atualização dos valores do orçamento municipal”, acrescenta.

Para o PSD, o Plano e o Orçamento para 2020 são “uma cópia dos anos anteriores e espelham a falta de um modelo de desenvolvimento consistente e coerente para o concelho”.

“Os documentos apresentados refletem, uma vez mais, a total ausência de obras estruturantes e de medidas concretas no sentido do relançamento da economia local e de implementação de uma dinâmica de competitividade e empreendedorismo para o concelho”, criticam os vereadores sociais-democratas.

Para o PSD, a Câmara “deixou de ser um agente mobilizador do concelho, não apresentando ambição, nem mesmo um projeto que seja entendido como um instrumento de mudança”.

O vereador do BTF Domingos Pereira, que se absteve, sublinha a “inércia política” da maioria socialista, com o ”atraso excessivo no arranque de muitas obras e a falta de conclusão de outras”.

Domingos Pereira manifestou-se “incrédulo” por a Câmara não ter inscrito no Orçamento o valor de aquisição dos 49% das Águas de Barcelos (AdB), “já aprovado pelos órgãos autárquicos, com a correspondente autorização do empréstimo de médio e longo prazo no valor aproximado de 50,5 milhões de euros”.

“A maioria PS no executivo já não acredita na solução que defende ou é um assunto para o bem e para o mal da inteira responsabilidade do presidente?”, questiona Domingos Pereira, na sua declaração de voto.

O vereador diz que os acionistas privados e a AdB “irão, muito provavelmente, pedir uma indemnização compensatória pelo atraso, quer no tocante à diferença do novo tarifário, quer quanto aos encargos dos créditos adquiridos pelo novo acionista, a Câmara Municipal”.

O vereador do CDS, António Ribeiro, que votou contra, diz que o que a Câmara apresentou “mais parece ser um plano de atividades de uma agência promotora de eventos e de medidas avulsas”.

“Não vamos discutir números que são sempre os mesmos, as obras fantasma de 50 euros que não são para realizar, a fuga para a frente com o pavilhão multiusos, importantíssimo para o concelho que desapareceu em 2019, desaparece em 2020 e é atirado para 2022”, acrescenta.

Para o CDS, falta ao documento uma estratégia de desenvolvimento coerente, estruturada e sustentável do concelho.

“Essa é a sua principal omissão”, remata.

Populares