Bruxelas alerta para pressão no poder de compra em Portugal por créditos com juro variável

Foto: O MINHO / Arquivo

Portugal é um dos países da zona euro em que as famílias podem sofrer perdas de poder de compra devido à subida das prestações dos créditos à habitação, pois existe uma predominância de empréstimos com taxas variáveis, alertou hoje Bruxelas.

No relatório sobre as previsões económicas de primavera divulgado hoje, a Comissão Europeia assinala que as taxas de juros do crédito à habitação mais altas deverão ter um impacto limitado nas finanças das famílias na União Europeia (EU), graças à prevalência das hipotecas a taxa fixa, em cerca de 85% do total, mas este não é o cenário para todos os países.

“Alguns países com uma grande percentagem de empréstimos à habitação com taxas variáveis, como a Finlândia, Portugal, Chipre e os países bálticos na zona euro e a Suécia, Polónia, Roménia e Bulgária no resto da UE, podem sofrer perda no rendimento discricionário das famílias, com possíveis efeitos indiretos sobre o consumo”, adverte.

De acordo com os dados do Banco de Portugal (BdP), em dezembro de 2022, 90% do ‘stock’ de empréstimos à habitação tinha sido contratado com taxa de juro variável.

No relatório de Estabilidade Financeira, divulgado em 10 de maio, o regulador bancário português assinala que “a proporção de novos empréstimos à habitação com algum tipo de fixação da taxa de juro contratual aumentos nos últimos anos em Portugal, representando cerca de 15% do montante de novos empréstimos em 2022”.

Nas previsões divulgadas hoje, a Comissão Europeia destaca ainda sobre uma fotografia geral da UE que padrões de crédito mais rígidos e taxas de juros mais altas começaram a pesar sobre os preços das casas, mas afeta os países em graus variados.

“Olhando para o futuro, espera-se que os preços das casas na UE estabilizem em termos nominais neste ano e no próximo, com variações persistentes entre os países”, refere.

Contudo, salienta que “embora o aumento das taxas de juro dos créditos à habitação deva pesar ainda mais sobre a procura de habitação, prevê-se que a oferta de habitação continue limitada na maioria dos países da UE, o que limita o potencial de uma queda generalizada dos preços da habitação”, assinala.

Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Governo lança concurso para serviços informáticos da plataforma das ‘bodycams’

Próximo Artigo

Antiga escola primária em Viana 'vira' creche com apoio da 'bazuca'

Artigos Relacionados
x