Seguir o O MINHO

Aqui Perto

Bruxas voltam a invadir Montalegre nesta sexta-feira 13

Sexta 13

em

Foto: Divulgação

Montalegre prepara-se para receber um dos eventos maiores do concelho – a última sexta-feira 13 do ano -, esperando receber milhares de pessoas. O programa deste ano mantém as célebres bruxas com as suas poções mágicas, para além de mezinhas e curas para os enfermos.

O programa arranca ao final da manhã e prolonga-se “pela noite dentro”, com a queimada realizada pelo padre Fontes, que junta bebidas com aguardente, limão, maçã, canela e açucar, a melhor mistura para “expulsar os males”, a ser o principal destaque.

Está ainda marcada uma sessão piromusical, para além de bastante animação de rua e concertos, isto já por volta das 01:00 de sábado.

Este ano, a noite das bruxas conta com apoio financeiro do Turismo de Porto e Norte de Portugal, por se tratar de um evento com interesse turístico para a região entre Minho e Trás-os-Montes.

“Em cada edição, o município investe entre 150 mil euros a 180 mil euros. É um contributo que vem sempre em boa hora, mas, mais importante que o valor monetário, é o reconhecimento de que este é um evento com carisma e é mobilizador”, frisou Orlando Alves, presidente da autarquia.

Anúncio

Aqui Perto

Montalegre quer incentivar à natalidade e lutar contra o despovoamento

Projeto “Olhares pela Maternidade”

em

Foto: DR

A Câmara de Montalegre envolveu as famílias no projeto “Olhares pela Maternidade” que visa incentivar a natalidade e anunciou um apoio mensal de 50 euros a atribuir a todas as crianças até aos 3 anos.

“Quisemos assinalar esta necessidade de abanar um pouco a comunidade e dizer claramente que o município está sensível e preocupado com o problema do despovoamento, da natalidade, e sobretudo que este problema só pode ser resolvido pelos casais”, afirmou hoje o vice-presidente da Câmara de Montalegre, David Teixeira.

O “Olhares pela Maternidade” envolve as famílias, o município e o Centro de Saúde de Montalegre, através da médica Sandra Alves.

O projeto tem três grandes objetivos: o olhar pela demografia e natalidade, a promoção turística do concelho e a conceção de uma ferramenta de consulta sobre a vigilância da gravidez de baixo risco em cuidados de saúde primários.

“Viver nesta região de fronteira, longe das grandes cidades, tem também, na questão da gravidez, um risco acrescido pelo tempo que as mães demoram a chegar a Vila Real ou a Braga”, referiu o autarca.

No âmbito da iniciativa, está patente no edifício da câmara uma exposição de fotografias de recém-nascidos e ainda de barrigas de grávidas pintadas com ícones do concelho, como o castelo, uma bruxa, a ponte da Misarela, o parapente ou o rali. As fotografias foram também transpostas para um calendário.

Daniela Morgado, advogada de 28 anos, está grávida de sete meses e foi uma das participantes do projeto que diz que quer “alertar para a baixa natalidade”.

“Portugal tem uma taxa de natalidade reduzida, mas as zonas do Interior muito mais. De certa forma, o projeto quis alertar para essa situação e incentivar futuros casais a terem filhos. Também é uma forma de dizer que é bom viver em Montalegre. Não sou daqui, mas sinto-me tão bem aqui como me sinto em casa”, salientou.

Com cerca de 11.000 habitantes, este concelho do distrito de Vila Real regista uma média de 40 nascimentos por ano.

Tânia Afonso, 26 anos, mãe de uma menina recém-nascida e de outro menino, salientou que a participação no projeto foi “uma experiência diferente”, que gostou “muito”.

O “Olhares pela Maternidade” quer também fortalecer a identidade dos barrosões.

Tânia Afonso disse que gosta de viver em Montalegre. “É uma vida mais calma aqui. Não temos tanta confusão, tanto trânsito. Vou com eles a todo lado, não temos o problema de estacionamento. É calmo e gostamos dessa tranquilidade”, frisou.

O município anunciou também um “cheque maternidade” de 50 euros, por mês, que será atribuído durante os primeiros três anos, a todos os casais que tiverem filhos. A autarquia prevê aplicar 75 mil euros nesta medida.

Este apoio exige que as faturas apresentadas resultem de gastos realizados no concelho e que os casais também ali residam.

David Teixeira destacou que as duas vertentes deste financiamento são “garantir que a economia local funciona e garantir que os bebés, as crianças, têm as melhores condições”.

“Sem dúvida que é muito bom. É lógico que não se deve pensar em ter filhos só por causa dos benefícios, mas sem dúvida que é uma ajuda preciosa para qualquer casal ter esse apoio por parte do município”, salientou Daniela Morgado.

Tânia Afonso acrescentou que, neste momento, “toda a ajuda é bem-vinda”. “Usam fralda os dois e temos algumas despesas. A ajuda da câmara veio mesmo a calhar”, referiu.

Continuar a ler

Aqui Perto

Morre de ataque cardíaco enquanto batia na mulher em Vila do Conde

Mulher ficou em estado grave

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Um homem de 69 anos morreu esta quarta-feira, vítima de paragem cardiorrespiratória, em Labruge, concelho de Vila do Conde, no distrito do Porto, quando agredia a mulher com um ferro, disse à Lusa fonte da GNR.

Segundo fonte das relações públicas do Comando da GNR do Porto, a mulher, de 73 anos, sofreu fraturas graves e foi transportada para o Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos.

A fonte disse desconhecer a relação de parentesco entre os dois, mas a agressão e consequente morte do agressor ocorreu no interior de uma casa.

As circunstâncias do caso estão a ser investigadas pela Polícia Judiciária.

Continuar a ler

Aqui Perto

Filho procura pai desaparecido em Vila do Conde

Bagunte

em

Foto: Facebook de António Faria

Um homem de 65 anos, residente em Bagunte, Vila do Conde, está desaparecido desde as 11:00 do último domingo, disse um familiar deste a O MINHO.

Visto pela última vez na sua residência, o homem desapareceu sem deixar rasto, havendo a suspeita que possa ter caído em algum campo ou propriedade nas freguesias adjacentes, já que se deslocava a pé.

Mede 1,70 metros e vestia casaco azul marinho, camisola castanha, calças pretas e botas pretas. Figura bastante conhecida na sua área, desconhecem-se as razões que o possam ter feito sair de casa.

O desaparecimento já foi reportado às autoridades e pede-se que qualquer informação sobre o paradeiro seja comunicado aos familiares pelo numero 912448025 ou à GNR de Vila do Conde pelo 252640160.

 

Continuar a ler

Populares