Broas deitadas ao lixo em Ponte de Lima

Publicação conta já com mais de 4 mil partilhas.

A imagem de várias broas depositadas num contentor do lixo, por um morador da freguesia de Arca e Ponte de Lima, tornou-se viral nas redes sociais.

A fotografia foi tirada por José Fornelos, no sábado passado, e partilhada por Jorge Silva, no domingo, e conta desde então com mais de 4 mil partilhas e centenas de comentários.

“Isto não revela Cidadania responsável”, escreve Jorge M. Viana Silva a acompanhar a imagem.

“Ainda há gente com fome no nosso Minho”

Este situação de suposto desperdício alimentar, acontece nas mesma altura em que o Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, denunciou situações de fome no Minho.

Ignorar prazos de validade dos produtos aumenta desperdício alimentar

A maior parte dos portugueses, 80%, ignora os prazos de validade dos produtos que compra, o que contribui para o desperdício alimentar, como também contribuem as promoções, disse esta terça-feira numa conferência em Lisboa um responsável do setor.

No âmbito do Dia Mundial da Alimentação, que hoje se assinala, a Comissão Nacional de Combate ao Desperdício Alimentar (CNCDA) organizou uma conferência sobre o tema, na qual o ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, garantiu que o combate ao desperdício alimentar será também uma prioridade no próximo ano.

Na conferência, Pedro Queiroz, diretor geral da Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA), disse que a informação que existe indica que apenas 20% a 30% dos portugueses vê o prazo de validade dos produtos na hora de os comprar, e que apenas 05% olha para a lista de ingredientes, apenas no caso de ter uma preocupação específica.

Depois, acrescentou, a informação não é claramente percetível, entre o “consumir de preferência até” ou o “consumir até”, além de que “o fenómeno das promoções” tem ajudado ao desperdício alimentar, porque leva as pessoas a comprarem grandes quantidades de produtos, havendo mais probabilidade por isso de se gerar desperdício.

E no mundo, um terço dos alimentos é perdido ou desperdiçado, lembrou o coordenador da CNCDA, Eduardo Diniz, referindo também que a produção alimentar tem de aumentar 70% nos próximos 30 anos para fazer face ao aumento da população mundial.

Graça Mariano, subdiretora-geral de Alimentação e Veterinária, que também pertence à CNCDA, lembrou ainda outros números, os 88 milhões de toneladas (20% do que é produzido) que são desperdiçados anualmente na União Europeia, o que representa 173 quilos por habitante, e o milhão de toneladas que em Portugal também é desperdiçado em cada ano, o que representa 96,8 quilos por pessoa.

A Comissão propôs 14 medidas contra o desperdício alimentar, com destaque para campanhas de informação, para formação e para mobilização, sendo exemplo uma campanha hoje mesmo lançada pela Direção-Geral do Consumidor como título “Poupe, diga não ao desperdício alimentar”.

Mas evitar o desperdício não é fácil, como ficou patente na conferência, com Susana Leite, pela Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal a admitir que não é fácil aos restaurantes preverem a quantidade de comida que vão servir. E Pedro Queiroz a adiantar outro dado: “as pessoas raramente veem as condições de utilização e conservação do que compram”.

O Ministério da Agricultura “está empenhado, em todos os seus serviços, na luta contra do desperdício alimentar”, disse no final Capoulas Santos, lembrando que o Ministério foi criado há 100 anos, precisamente “sob a égide da alimentação”.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Assembleia Municipal de Braga aprovou comissão para debater reestruturação de freguesias

Próximo Artigo

Cadáver de espanhol de 87 anos encontrado pela GNR em habitação em Valença

Artigos Relacionados
x