Seguir o O MINHO

Braga

Brássicas, margaridas e tulipas regressam ao centro histórico de Braga

Espaços verdes

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Os jardineiros do município de Braga plantaram 300 mil flores pelos principais jardins e canteiros de toda a cidade.

As novas hospedeiras do centro histórico serão novamente colhidas no início de junho, antes do S. João.

As plantas são produzidas no horto municipal da cidade, que segundo disse a O MINHO António Vilas, chefe da Divisão de Espaços Verdes, “é um horto de alta produção, mesmo em comparação com os particulares”.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Anualmente, por toda a cidade, são plantadas cerca de 700 mil plantas.

Margaridas, tulipas, silenas, amarantos e as famosas brássicas, ou couves ornamentais, compõe o conjunto de espécies que, na plantação de inverno, invadem os principais jardins do centro histórico de Braga.

Em deterimento dos Amores Perfeitos que “adaptam-se mal ao clima minhoto”, afirma o chefe de divisão.

A plantação semestral envolve o esforço de diversas equipas de jardineiros, durante um mês, desde as oito horas da manhã até às duas da tarde.

O chefe da Divisão de Espaços Verdes da Câmara de Braga adiantou que o custo de produção de cada planta é de quatro cêntimos.

As sementes são compradas a produtores.

Anúncio

Populares