Seguir o O MINHO

País

Brasileiros procuram Portugal para fugir a “momento tenebroso”

Reportagem

em

Foto: DR/Arquivo

Miriam Guimarães, professora brasileira reformada, decidiu imigrar para Portugal e não esconde que o “momento muito tenebroso no Brasil” está a levar muitos compatriotas a fazer o mesmo, deixando o país.

“A gente está vivendo um momento muito tenebroso no Brasil, em termos de política, em termos de segurança, em termos de saúde pública”, afirmou em declarações à Lusa, em Lisboa, onde procura agora um trabalho que complemente a pensão que recebe do Brasil.

Miriam imigrou para Portugal, como diz, “impulsionada por motivos pessoais”, como o divórcio e porque os filhos já são adultos. Mas foi a situação política e económica que o Brasil atravessa, após a eleição de Jair Bolsonaro (extrema-direita) para Presidente da República, que fez pesar na decisão.

“Não tenho filhos pequenos e já sou aposentada, resolvi cuidar de mim, mas não posso tirar esse olhar do Brasil. É muito duro para mim”, considerou.

Com 55 anos, Miriam chegou a Lisboa em dezembro de 2018, ao abrigo da nova Lei para os estrangeiros aposentados e aguarda agora pela marcação da chamada ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), ainda durante o mês de abril. “Aí eu entrego os documentos para o cartão de residência e fico procurando o que fazer”.

Escolheu Portugal precisamente pela “história” dos “aposentados poderem vir para cá”. Além disso, a filha, que mora fora do Brasil, tem ideia de fazer um mestrado numa universidade portuguesa.

A agora imigrante brasileira em Portugal trabalhou como professora de inglês e de português durante 28 anos, no Brasil.

“A minha aposentadoria é transferida mensalmente para cá, mas eu preciso e quero uma complementação da minha renda (…) Achei coisas interessantes aqui”, contou.

Miriam enquadra-se no novo perfil de imigrantes brasileiros em Portugal, os aposentados, que procuram mais qualidade de vida.

“Eu sou brasileira e adoraria estar lá no meu canto, na minha terra, se eu tivesse segurança, atendimento hospitalar, onde os filhos e netos tivessem a educação correta. Mas todos esses direitos, que qualquer cidadão tem, não estão acontecendo no Brasil já tem algum tempo”, sublinhou.

A questão da habitação, apontou, foi a dificuldade que encontrou em Portugal. “Lisboa está muito inflacionada, é tudo muito caro”.

Miriam Guimarães está a pagar por um quarto na zona das Laranjeiras, em Lisboa, 300 euros. De resto, conta, Portugal é “um país legal”.

Já a realidade de Oney Pereira Mendonça, 48 anos, é bem diferente. Motorista de pesados de profissão, está a começar tudo de novo, pela segunda vez, em Portugal.

O “anjo da guarda” dos brasileiros em Braga

A legalização e as equivalências profissionais para poder arranjar um emprego são as principais preocupações.

Resolver uma situação económica difícil que já herdou do Brasil é o principal objetivo.

Quando falou com a Lusa tinha chegado há duas semanas a Lisboa e estava na Casa do Brasil à procura “do encaminhamento” para obter as equivalências das certificações e carta de motorista.

“Porém, para que eu esteja trabalhando com pesado aqui, tem várias coisas antes. Tenho que tirar toda a documentação, o Certificado de Habilitação de Motorista e assim sucessivamente. Eu tenho no Brasil, mas os de lá não atribuem aqui”, explicou Oney, que deixou a restante família no Brasil.

“O Brasil encontra-se numa situação muito difícil politicamente”, afirmou, justificando desta forma a partida para Portugal.

“No Brasil os políticos querem apenas roubar. As pessoas não têm coragem de dizer, mas a realidade é essa. Então eles não atendem à população, eles pegam nas verbas que são disponibilizadas para os fins públicos e usam para si próprios”, relata, reforçando o descontentamento com a “sujeira” que vê no Brasil.

Por enquanto vive num pequeno quarto em Negrais, Lisboa, e trabalha numa oficina. Conta que foi o patrão “que conseguiu esse sítio”, a 100 metros do trabalho, onde também faz as refeições.

“A burocracia é muito complicada”, aponta como sendo a grande dificuldade sentida em Portugal.

Por agora, vai ficar, como muitos outros imigrantes, a adiar objetivos até conseguir os recursos financeiros para se legalizar. Até lá ganha 30 euros por dia na oficina.

“Por enquanto, não é grande coisa. Mas estou me regrando [poupando] para poder pagar essas taxas”, concluiu.

Anúncio

País

Dois segundos prémios do Euromilhões para Portugal

Sorte

em

Foto: DR / Arquivo

Dois apostadores portugueses venceram o segundo prémio do Euromilhões, no total de 92.895,37 euros para cada uma. Outros três apostadores do estrangeiro também venceram este prémio.

Já o primeiro prémio saiu a dois apostadores estrangeiros, no valor de cerca de 18,5 milhões para cada um.

Os números do Euromilhões

A chave sorteada é composta pelos números 4 – 9 – 14 – 21 – 27 e pelas estrelas 4 e 6.

Continuar a ler

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: O MINHO

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta terça-feira, 26 de maio: 4, 9, 14, 21 e 27 (números) e 4 e 6 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 37 milhões de euros.

Continuar a ler

País

Visitas a reclusos com duração máxima de 30 minutos e agendamento prévio

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

As visitas aos reclusos e jovens internados em centros educativos serão retomadas com agendamento prévio, limite máximo de 30 minutos e com horários desfasados para evitar aglomerados à entrada e saída, segundo normas hoje publicadas.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) publicou hoje na sua página oficial as recomendações e orientações para a retoma das visitas de reclusos em centros educativos, as quais devem ser retomadas em junho, segundo adiantou o Ministério da Justiça à Lusa na passada semana.

Entre as recomendações está também a reorganização de espaços para garantir um distanciamento físico de dois metros e privilegiar-se as videoconferências sempre que tal não for possível.

Para o encontro entre visitantes e visitados, se não for possível assegurar a distância de dois metros, devem existir barreiras físicas, como acrílicos, para evitar contacto físico e transmissão de gotículas.

Os espaços devem ser arejados entre visitas, as salas devem ter caixotes de lixo com tampa e pedal, forrados com sacos de plástico, os bares devem ser encerrados e os visitantes não devem usar as mesmas instalações sanitárias que os reclusos e jovens.

Visitantes e visitados devem ainda respeitar as habituais regras de higiene das mãos e etiqueta respiratória, devem ser criados circuitos de circulação nos espaços para evitar que as pessoas se cruzem.

Os visitantes devem usar máscara desde o momento que entram até ao momento que saem do estabelecimento prisional ou centro educativo. Os espaços devem disponibilizar soluções de álcool ou água e sabão e visitantes e visitados têm que higienizar as mãos à entrada e saída.

Aos guardas profissionais e técnicos deve ser garantido o necessário equipamento de proteção pessoal.

As visitas aos detidos estão proibidas desde março, sendo sendo permitida a realização de três chamadas telefónicas diárias com a duração de cinco minutos cada.

O Governo aprovou em 11 de abril o regime excecional de libertação de presos que permitiu libertar 1.918 reclusos, segundo os últimos dados da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

Até à semana passada, os serviços prisionais já tinham realizado cerca de 1.500 testes de despistagem à covid-19 e 18 pessoas acusaram positivo ao novo coronavírus, entre os quais quatro reclusos.

Portugal contabiliza 1.342 mortos associados à covid-19 em 31.007 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado hoje.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

O Governo aprovou novas medidas que entraram em vigor no dia 18 de maio, entre as quais a retoma das visitas aos utentes dos lares de idosos, a reabertura das creches, aulas presenciais para os 11.º e 12.º anos e a reabertura de algumas lojas de rua, cafés, restaurantes, museus, monumentos e palácios.

O regresso das cerimónias religiosas comunitárias está previsto para 30 de maio e a abertura da época balnear para 06 de junho.

Continuar a ler

Populares