Seguir o O MINHO

Braga

Bragapólio, o Monopólio (só) de Braga

Pelas ruas da cidade, até à Avenida Central, esperando não cair nas ‘garras’ da polícia. Pode tomar um café no Braga Parque, comprar o Theatro Circo ou os TUB – Transportes Urbanos de Braga, pagar IMI ou saldar dívidas com a AGERE

em

Fotos: O MINHO

O início dá-se pela Rua da Boavista e depois de se passar por ruas e igrejas de Braga, esperando não cair nas ‘garras’ da polícia, o fim acontece na Avenida Central. Pelo meio, ainda se pode tomar um café no ‘Bragaparque’, comprar o Theatro Circo ou os TUB’s, pagar imposto municipal ou saldar dívidas com a Agere.

Chama-se ‘Bragapólio’ e é um jogo de tabuleiro que adapta o conceito do Monopólio e das Trivialidades à cidade de Braga.

Os jogadores podem assumir vários papéis: o sobrevivente Romano Augusto, o milagreiro S.Geraldo, o negociador D. João Peculiar, um Bracaro Guerreiro, uma sonhadora Universitária, a protetora N. Sª do Leite ou simplesmente uma encantadora Minhota.

Foto: O MINHO

Depois é atirar os dados, começar a jogar e gastar, com moderação, os dinários, a moeda oficial.

Ana Farinha, da Globalmídia, é a autora e criadora do “Bragapólio”. Tudo começou “há muitos anos” quando a filha, hoje com 20 anos, tinha um trabalho da escola para fazer em casa.

“Pegamos num jogo da glória e criamos outro baseado no 25 de Abril porque esse era o objeto do trabalho”, conta a O MINHO.

Desenhado pela filha, este primeiro esboço “foi um sucesso, os miúdos gostaram e andavam sempre a jogar”. A base para uma ideia inovadora estava lançada e o ‘Bragapólio’ foi crescendo.

Monopoly (Monopólio) original – versão portuguesa. Jogo de tabuleiro mais popular do mundo foi criado em 1935, nos EUA. Foto: Divulgação

“Uma das coisas que queria, desde início, era juntar vários tipos de jogos e os mais famosos eram o Monopólio e o Trivial Pursuit. Portanto, o jogo começou a ser desenvolvido com base nestas duas premissas”.

Made In Braga

Todo o jogo é feito em Braga, “desde o tabuleiro, passando pelos cartões e acabando nas peças, foi tudo realizado por empresas de Braga, com as parcerias que fomos desenvolvendo, nomeadamente com a Bramp para a criação das peças, em plástico, com as personagens do jogo”.

Foto: O MINHO

Foto: O MINHO

Segundo Ana Farinha, “a determinada altura, criou-se uma dinâmica tão gira que uns queriam saber como tinha ficado o trabalho dos outros”.

O jogo vai ser apresentado, oficial e publicamente, em breve mas já está à venda em livrarias, no Posto de Turismo, no Theatro Circo, nos TUB’s, on-line e na loja física da Globalmidia. Custa 25 euros.

O MINHO experimentou o jogo

Esta adaptação tem algumas particularidades, a começar pelo número de jogadores que podem ser oito. Depois, a gestão do dinheiro é mais cuidada obrigando a pensar melhor na forma de gastar os ‘dinários’.

Foto: O MINHO

Destaque ainda para o fato de ter ‘casas’ com perguntas sobre a história da cidade o que lhe acrescenta uma dinâmica diferente. Finalmente, a duração do jogo é, também, ligeiramente inferior ao tradicional monopólio.

Foto: O MINHO

O ‘Bragapólio’ permite aprender a cultura, povo e tradições da cidade de Braga, a conhecer as ruas da cidade e a importância do mercado mobiliário, percebendo os locais mais caros e mais baratos e a agir em conformidade com isso.

Anúncio

Braga

“Variações” estreia-se hoje em cerca de 60 salas de cinema portuguesas

Protagonizado pelo ator Sérgio Praia

em

Antestreia do filme Variações. Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

“Variações”, filme de João Maia sobre o músico António Variações, que morreu em 1984, aos 39 anos, protagonizado pelo ator Sérgio Praia, estreia-se hoje em cerca de 60 salas de cinema portuguesas.

O filme é inspirado na vida do barbeiro minhoto António Joaquim Rodrigues Ribeiro, que desejou viver da música e que em Lisboa se transformou em António Variações, marcando a música portuguesa a partir dos anos 1980.

António Variações nasceu em 1944 em Fiscal, no concelho de Amares, que acolheu na segunda-feira a antestreia de “Variações”.

O filme é protagonizado pelo ator Sérgio Praia que, além da interpretação física do músico, também canta todas as canções, recriando as sessões de composição e gravação embrionária dos temas em várias cassetes – sozinho em casa com um gravador e uma caixa de ritmos – até à primeira atuação de Variações, na discoteca Trumps, em Lisboa, em 1981.

Em julho do ano passado, durante a rodagem do filme, o ator partilhou que andava anda há mais de dez anos a preparar a personagem, tendo o mais importante sido perceber humanamente quem era o músico.

“Se tivesse feito filme há dez anos não tinha densidade. Foi preciso este cansaço para hoje conseguir perceber melhor aquilo que ele viveu, a busca constante, o faz-não-faz. Este tempo foi bom para o meu trabalho”, afirmou o ator na altura em declarações à Lusa.

Além de Sérgio Praia, o elenco inclui, entre outros, Filipe Duarte, Victoria Guerra, Augusto Madeira, Filipe Albuquerque, Lúcia Moniz, Afonso Lagarto, Maria José Paschoal, José Raposo e Dinarte Freitas.

O filme foca-se sobretudo na transformação de António Ribeiro em António Variações, num período de vida entre 1977 e 1981, a época em que um barbeiro ambicionava viver da música, gravava canções em cassetes e ensaiava com músicos amadores, muito antes de editar oficialmente qualquer canção.

Arrojado e irreverente, influenciado pelo fado, pela música popular e pelo pop rock, António Variações morreu aos 39 anos, a 13 de junho de 1984. Deixou apenas dois álbuns editados pouco antes de morrer: “Anjo da guarda” (1983) e “Dar e receber” (1984).

No filme, Sérgio Praia interpreta todas as canções, que foram gravadas num álbum, a ser editado na sexta-feira.

Em julho, a banda sonora foi apresentada ao vivo no festival Alive, em Oeiras, em julho. Em palco, Sérgio Praia esteve acompanhado por Armando Teixeira (sintetizador) e pelos músicos Vasco Duarte (guitarra), David Santos (baixo) e Duarte Cabaça (bateria).

O músico e produtor Armando Teixeira, que assina a direção musical do filme, teve acesso às cassetes que António Variações deixou com dezenas de canções, excertos, ensaios, experimentações; as mesmas cassetes que foram recuperadas para o projeto Humanos, em 2004, e das quais é agora retirado um tema inédito, intitulado “Quero dar nas vistas”.

Continuar a ler

Braga

Pudim Abade de Priscos ainda pode vencer 7 maravilhas doces de Portugal

Doce tradicional de Braga

em

Foto: DR

O concurso 7 Maravilhas Doces de Portugal resolveu repescar todos os doces classificados na segunda posição de cada distrito para voltarem a concorrer à meia-final do concurso.

No distrito de Braga, o vencedor foi o Bolinhol de Vizela, por ter angariado mais votos via telefone, com o Pudim Abade de Priscos, de Braga, a classificar-se na segunda posição.

Durante esta quarta-feira, este pudim tradicional de Priscos estará a votos até às 17:30 de forma a juntar-se aos doces de Vizela como representantes do distrito nas meias-finais do concurso que elege o doce português favorito da população.

Continuar a ler

Braga

Turistas feridas com gravidade após colisão entre cavalos no Bom Jesus em Braga

Colisão entre três cavalos faz quatro feridos

em

Foto: DR

Duas turistas de nacionalidade estrangeira ficaram com ferimentos graves na sequência de uma queda quando seguiam em cima de cavalos na zona do Bom Jesus, em Braga.

Ao que O MINHO apurou junto de fonte envolvida no socorro, a situação deu-se ao início da tarde da passada segunda-feira, às portas do parque do Bom Jesus, quando um cavalo se soltou e embateu contra outros dois que seguiam com as turistas em cima.

Para além das mazelas verificadas nas cidadãs de nacionalidade estrangeira, também dois tratadores que seguiam junto às turistas acabaram com ferimentos, estes considerados ligeiros.

De acordo com o jornal Correio da Manhã, uma das vítimas foi transportada para o Hospital de Braga em viatura particular enquanto as outras três foram assistidas no local.

Os passeios a cavalo são uma atração turística às portas do parque do Bom Jesus desde tempos imemoriais e uma das imagens de marca para crianças e turistas que acorrem àquele sacromonte de Braga.

Esta já não é a primeira situação de alguma aflição a ocorrer com os cavalos do Bom Jesus.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares