Seguir o O MINHO

Braga

“Braga não aceita retrocesso na qualidade do hospital com fim da PPP”, diz Ricardo Rio

em

Foto: Sérgio Freitas/CM Braga

O presidente da Câmara de Braga afirmou hoje que não aceitará “nenhum retrocesso” no nível da qualidade do hospital público da cidade, na sequência do fim da PPP constituída há 10 anos para assegurar a gestão da unidade.

“Naturalmente, Braga, cada um dos bracarenses, não aceita nenhum retrocesso no nível de qualidade a que este hospital nos habituou ao longo dos últimos anos”, referiu Ricardo Rio, eleito pela coligação PSD/CDS/PPM.

Para o autarca, “cumpre ao Estado” garantir que o nível de qualidade do hospital “vai continuar nos anos vindouros”.

Ricardo Rio falava na sessão comemorativa dos 10 anos do Hospital de Braga, sob a gestão do Grupo Mello Saúde, ao abrigo de uma parceira público-privada (PPP) que dura desde setembro de 2009 e que chegará ao fim em 31 de agosto.

O autarca reiterou críticas à não renovação da PPP, sublinhando que “Braga está hoje muito satisfeita” com o hospital, quer em termos de acessibilidade aos cuidados de saúde quer à qualidade e ao nível do serviço prestado.

“Parece pouco racional que cada vez mais nosso país se discuta o modelo em vez de se discutir os resultados”, apontou.

Disse que os 10 anos de PPP fizeram do Hospital de Braga “um dos melhores, se não mesmo o melhor do país”.

A gestão do Hospital de Braga passa para o Estado em 01 de setembro, depois de Grupo Mello e Ministério da Saúde não terem chegado a acordo sobre a continuação daquela PPP.

Em maio, foi já criada a Hospital de Braga Empresa Pública, para assegurar a gestão dos serviços.

O fim da PPP foi igualmente criticado pelo presidente do Conselho de Desenvolvimento Sustentado do Hospital de Braga, Luís Braga da Cruz, que considerou que os últimos 10 anos no Hospital de Braga constituem “um manual de boas práticas” na gestão hospitalar.

Para Braga da Cruz, “não é aceitável” acabar com uma parceria que se revelou “virtuosa”, só por “preconceito ideológico”.

Anúncio

Braga

Ciclista agredido por conhecido piloto de automóveis no trânsito em Braga

Junto à escola Carlos Amarante

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Um ciclista, de 25 anos, queixa-se de ter sido agredido por um automobilista na sequência de uma altercação no trânsito, na Rua de Restauração, em São Víctor, cidade de Braga, esta segunda-feira à noite, apurou O MINHO junto de fonte dos bombeiros.

O alerta foi dado cerca das 20:00 desta segunda-feira, mobilizando para o local, junto à escola secundária Carlos Amarante, uma ambulância dos Bombeiros Sapadores de Braga.

Ao que apurámos, o alegado agressor é um conhecido piloto de automóveis de Braga, ícone do automobilismo nacional, com cerca de 30 anos de carreira.

Ao que tudo indica, os dois ter-se-ão desentendido após uma manobra no trânsito, com o automobilista a partir para as agressões.

O ciclista, que terá sofrido ferimentos ligeiros, foi assistido, estabilizado e transportado para o Hospital de Braga pelos bombeiros.

Até ao momento, o ciclista não apresentou queixa nas autoridades, estando ainda no hospital.

Continuar a ler

Braga

Reitor da UMinho critica “imensa demora” de resposta para alojamento académico

A universidade conta atualmente com quase 20 mil estudantes

em

O reitor da Universidade do Minho criticou esta segunda-feira a “enorme dificuldade” e “imensa demora” de resposta por parte do plano de alojamento para o Ensino Superior, adiantando que dois dos quatro edifícios candidatos a serem reconvertidos em residências universirtárias foram rejeitados.

As declarações de Rui Viera de Castro foram feita na sequência do Conselho Geral da Universidade do o alojamento estudantil.

De fora da candidatura à reabilitação de imóveis do Estado para residências estudantis universitárias ficam a antiga Escola Secundária D. Luís de Castro, em Braga, e o Convento Rosa Lima, em Guimarães.

“[É uma] situação profunda desagradável que temos sido remetidos pela enorme dificuldade e demora imensa na resposta por parte do plano de realojamento no Ensino Superior”, disse Rui Vieira de Castro sobre a retirada daqueles edifícios do plano para aumentar o alojamento estudantil no Minho.

Segundo o reitor, os dois imóveis “foram considerados não elegíveis, considerando que a intervenção ali não responderia aos requisitos que o fundo tem”.

Rui Viera de Castro referiu que sobraram apenas dois imóveis para converter em alojamento estudantil: “Os edifícios do Exército, em Braga, e a Escola de Santa Luzia, em Guimarães.

As residências universitárias da UMinho foram feitas em 1998 para um universo de 14 mil alunos, sendo que a universidade conta atualmente com quase 20 mil estudantes e que são muitas as queixas sobre a “falta e o preço” do alojamento para estudantes disponível.

A Universidade do Minho tem dois polos em funcionamento, um em Braga e outro em Guimarães, além do Instituto do Design, a funcionar também em Guimarães.

Continuar a ler

Braga

Os custos do Estádio Municipal de Braga ao detalhe

Disponibilizados pela autarquia

em

Foto: Divulgação

15 vezes mais o investimento feito no atual Altice Fórum Braga. 30 vezes mais o investimento no Mercado Municipal.

Estas são algumas comparações feitas pelo presidente da Câmara de Braga relativamente ao custo total do Estádio Municipal, acompanhadas de um relatório detalhado dos custos associados à construção daquela empreitada.

O pedido do detalhe das contas foi levado a cabo pela CDU, levando a que Ricardo Rio procurasse sistematizar e compilar todos os dados e cifras relativas aos custos associados à obra projetada aquando do Euro 2004.

O autarca disponibilizou o ficheiro informático com as despesas esta manhã, após reunião de executivo:

 

A esta verba, acrescerão os valores em pendência judicial, dos quais cerca de 11 milhões (relativos ao consórcio Soares da Costa / ASSOC) não são já passíveis de recurso, e os encargos financeiros a suportar até à liquidação total dos empréstimos bancários.

Continuar a ler

Populares