Braga investe 170 mil euros em 10 projetos para melhorar a vida nos bairros

Uma escola de música e um festival internacional de magia entre as iniciativas
Enguardas. Foto: DR / Arquivo

O município de Braga vai investir, em 2023, 170 mil euros em dez projetos que visam dar mais qualidade de vida a bairros da cidade e que foram concertados com as respetivas associações de moradores, foi hoje anunciado.

Trata-se da primeira edição do “Viva o bairro”, um programa criado pela empresa municipal de habitação (Bragahabit), em parceria com a Câmara.

“O objetivo é criar qualidade de vida e melhorar as condições de conforto no espaço em que cada bairro se insere”, disse o administrador executivo da Bragahabit, Carlos Videira, na cerimónia de assinatura dos protocolos para a prossecução dos 10 projetos.

Segundo Carlos Videira, os projetos foram trabalhados, desde fevereiro, com as associações de moradores e vão ser postos em prática ao longo de 2023.

Para o presidente da Câmara, Ricardo Rio, o “Viva o bairro” assume-se, desde logo, como um programa de “corresponsabilização” dos moradores na melhoria do espaço em que vivem.

“A ideia é envolver os moradores na formatação das políticas municipais e na condução dos destinos dos locais em que vivem. Cada um sabe o que falta, melhor do que ninguém”, disse o autarca.

Segundo Rio, este programa é virado para as vivências, interações e ocupação dos tempos livres dos moradores de cada bairro.

Os projetos aprovados são financiados a 100% e até ao montante máximo de 20 mil euros.

São projetos na área desportiva, cultural e social, como atividades de lazer para crianças e jovens a partir dos seis anos ou a devolução à comunidade de um espaço que outrora foi um ringue de basquetebol mas que neste momento não passa de “um terreno em cimento”.

Outros projetos são uma escola de música e cidadania no bairro social do Picoto, um festival internacional de ilusionismo e um espaço no bairro social de Santa Tecla para trabalhar dimensões como a tolerância pela diferença, a não discriminação e preconceito.

Um outro projeto visa consciencializar a comunidade para a problemática do isolamento social e para a solidão e para a importância da sua prevenção.

“Da Rua para o Ringue” é um projeto que pretende usar o boxe olímpico como meio de combate ao insucesso escolar, à exclusão social e ao bullying.

A ideia é avaliar, intervir e treinar semanalmente com crianças, adolescentes e pessoas com necessidades especiais, com o objetivo de que “evoluam como jovens com valor e atletas íntegros e competentes”.

Há ainda os projetos “Sénior Feliz, Saudável e Seguro”, promovido pela Associação de Moradores do Bairro Social das Enguardas, e o “Viva às Andorinhas”, da responsabilidade da Associação de Moradores das Andorinhas.

A Associação de Moradores do Aldeamento Bracara Augusta pretende dar vida aos espaços verdes ali existentes, sobretudo através de iluminação e de mobiliário urbano.

Para João Rodrigues, vereador que tutela a pasta da Habitação da autarquia de Braga, o programa ‘Viva o Bairro’ procura responder às necessidades identificadas pelas comunidades em função dos seus contextos.

Foto: CM Braga

“Desta forma, apoiamos diretamente as redes locais nos territórios prioritários, privilegiando as áreas da cidadania, educação, emprego, exclusão social, solidariedade comunitária, desporto, saúde e bem-estar”, refere.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Promulgado aumento das portagens em 4,9% a partir de janeiro

Próximo Artigo

Atenção, aceleras. Há um novo radar fixo na A7 entre Guimarães e Famalicão (nos dois sentidos)

Artigos Relacionados
x