Seguir o O MINHO

Região

Braga, Guimarães, Fafe e mais nove municípios do país passam a ter passam a ter mediadores interculturais

“Constituídas por dois a cinco elementos, num total de cerca de 50 mediadores provenientes de comunidades ciganas e de comunidades migrantes”

em

Foto: DR

Doze municípios das zonas Norte – incluindo Braga, Guimarães e Fafe – Centro e Alentejo vão passar a ter uma equipa de mediação intercultural, constituída por dois a cinco pessoas de comunidades ciganas ou comunidades migrantes, no total de 50 mediadores.

De acordo com informação do gabinete da secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, os projetos têm a duração de três anos e serão financiados com 3,5 milhões de euros de verbas públicas.

Estas equipas foram constituídas de modo a permitir uma “intervenção sólida junto das comunidades e dos serviços”, e vão começar a funcionar nos municípios de Braga, Guimarães e Fafe, no Minho, e Maia, Moura, Águeda, Idanha-a-Nova, Coimbra, Serpa, Beja, Castelo Branco e Porto.

“As 12 Equipas de Municipais de Mediação Intercultural são constituídas por dois a cinco elementos, num total de cerca de 50 mediadores/as provenientes de comunidades ciganas e de comunidades migrantes”, lê-se no comunicado, que refere que o objetivo é “apoiar os processos de integração das comunidades mais vulneráveis dos seus concelhos”.

Explica também que estas equipas de mediadores terão como função facilitar a relação e a comunicação entre os cidadãos e profissionais de serviços públicos, por exemplo, de modo a prevenir eventuais situações de conflito.

“A Mediação Intercultural é um mecanismo fundamental para envolver protagonistas locais na capacitação das comunidades para o acesso aos serviços públicos e privados, para a melhoria das suas condições de vida, para a promoção da sua integração e para o aprofundamento de relações sociais positivas em contextos multiculturais”, lê-se no comunicado.

Populares