Seguir o O MINHO

Região

Braga, Guimarães e Barcelos com incidências de risco muito elevado (em risco de novo passo atrás)

Atualização da DGS

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO / Arquivo

Braga, Barcelos e Guimarães apresentam taxas de incidência superiores a 240 casos por 100 mil habitantes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde desta sexta-feira, correndo, assim, o risco de, na próxima semana, passarem a ter medidas ainda mais restritivas – como já acontece com Famalicão.

Recorde-se que Braga, Barcelos e Guimarães estão em risco elevado, com uma série de restrições, como o fecho de restaurantes e cafés às 22:30 e o recolher obrigatório às 23:00. No entanto, se mantiverem ou aumentarem os números conhecidos esta sexta-feira, na próxima semana integrarão o lote de concelhos de risco muito elevado de contágio, com medidas mais restritivas.

Como anunciado ontem pelo Governo, Braga, Barcelos, Guimarães, Fafe, Viana, Vizela e Paredes de Coura encontram-se em risco elevado, Famalicão em muito elevado e, por fim, Esposende, Amares, Celorico de Basto, Ponte de Lima e Póvoa de Lanhoso encontram em situação de alerta, ou seja, se para a semana mantiverem a incidência recuam no desconfinamento.

Braga tem uma incidência de 255 casos por 100 mil habitantes, Guimarães 315, Barcelos 242 e Famalicão 383. Fafe é o concelho com incidência mais alta em todo o Minho: 425.

Segundo o boletim, referente ao período entre 08 e 21 de julho, a incidência subiu em todos os concelhos do Baixo Minho: Braga (255 por 100 mil habitantes), Guimarães (315), Barcelos (242), Famalicão (383), Vila Verde (173), Amares (160), Póvoa de Lanhoso (279), Vieira do Minho (187), Fafe (425), Esposende (228), Vizela (218), Celorico de Basto (275), Terras de Bouro (190) e Cabeceiras de Basto (155).

Já no Alto Minho, a incidência subiu praticamente todos os concelhos, exceto Paredes de Coura, que registou leve descida, e Melgaço, que se mantém a ‘zeros’.

No distrito de Viana registam-se as seguintes taxas de incidência por 100 mil habitantes: Viana do Castelo (192), Cerveira (157), Caminha (51), Ponte da Barca (72), Monção (90), Arcos de Valdevez (82), Melgaço (0), Paredes de Coura (248), Ponte de Lima (178) e Valença (91).

Minho com 13 concelho de baixa densidade

O nível de risco elevado aplica-se aos concelhos que registem, pela segunda avaliação consecutiva, uma taxa de incidência superior a 120 casos por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias (ou superior a 240 se forem concelhos de baixa densidade populacional).

O nível de risco muito elevado é aplicado aos concelhos que registem, pela segunda avaliação consecutiva, uma taxa de incidência de covid-19 superior a 240 casos por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias (ou superior a 480 se forem concelhos de baixa densidade populacional).

No Minho há 13 concelhos que são considerados de baixa densidade e, por isso, o limite de risco é 240. No distrito de Braga, os concelhos de baixa densidade são Vila Verde, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Fafe, Terras de Bouro, Póvoa de Lanhoso e Vieira do Minho. No distrito de Viana do Castelo são Arcos de Valdevez, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca e Cerveira.

Os restantes são considerados de alta densidade e por isso têm como limite de risco os 120 casos por 100 mil habitantes.

Populares