Seguir o O MINHO

País

Braga é o segundo distrito do país com mais mortes em contexto de violência doméstica

Braga é o segundo distrito com mais mortes por violência doméstica

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Mais de 500 mulheres foram assassinadas nos últimos 15 anos em contexto de relações de intimidade em Portugal, e só neste ano já morreram 28, algumas baleadas, outras estranguladas ou espancadas, a maioria vítima de violência doméstica.

Em 2019, Braga é o segundo distrito do país com mais mulheres a morrerem (4) desta forma, menos que em Lisboa (7), e as mesmas que em Setúbal (4).

Ana

Ana Paula Fidalgo, de 39 anos, residente em Salamonde, Vieira do Minho, morreu, a 06 de março, asfixiada às mãos do marido, após uma crise de ciumes. Foi a primeira vítima mortal deste ano, no distrito. Na altura, o alegado homicida comentou a notícia da morte da mulher nas redes sociais de O MINHO, indicando que “uma relação a dois” não era para três. Fazia referência a um alegado amante da mulher, que esteve, naquele dia, no mesmo local onde ocorreu o crime. O alegado homicida está em prisão preventiva enquanto aguarda julgamento.

Homem que terá matado a mulher em Vieira do Minho acusado de homicídio qualificado

Otília

Agosto foi o pior mês no distrito. Duas mortes às mãos de companheiros com quem as vítimas ainda residiam. Otília Castro perdeu a vida dentro da residência que dividia com o companheiro, em Gondifelos, concelho de Famalicão. O marido, José Ribeiro, de 61 anos, admitia publicamente os ciumes em relação à roupa utilizada pela mulher, chegando a dizer a amigos que iria acabar por a matar. E assim foi. Acabou com a vida da malograda, a tiro de caçadeira, suicidando-se em seguida. Os corpos foram descobertos dois dias depois, dentro da habitação conjunta.

Homicida de Famalicão dizia nos cafés que ia matar a companheira, mas ninguém fez queixa

Maria

Em Pedralva, no dia 23 de agosto, perde a vida Maria Magalhães, de 54 anos,  na sequência de três disparos de caçadeira efetuados pelo marido, com quem vivia. A vítima tinha já alertado os filhos que poderia vir a ser assassinada pelo marido, com problemas alcoólicos. O homicida, após consumar o crime, dirigiu-se ao posto da GNR para avisar da morte da esposa e se entregar, como único responsável pelo ato. Encontra-se em prisão preventiva a aguardar julgamento.

Homem mata mulher a tiro em Braga

Gabriela

A 18 de setembro, ocorreu o caso mais mediático. Gabriela foi assassinada com múltiplas facadas, em plena via pública, à porta do prédio onde residia, por um ex-companheiro, morrendo ainda no local. O caso chocou a cidade de Braga, levando à organização de várias vigílias e à criação de um grupo informal, chamado “Mulheres de Braga”, que pretende ver a legislação mais apertada para suspeitos e condenados por este tipo de crime. Gabriela Monteira, de 47 anos, terá sido a última vítima mortal, em 2019, deste tipo de crime, no distrito.

Gabriela Monteiro morreu. Foto: DR

Homem que matou mulher em Braga fica em prisão preventiva

Os dados são do Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA), da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), e constam do relatório preliminar que é hoje apresentado, em Lisboa, e que traz a realidade das mulheres assassinadas em Portugal desde 01 de janeiro até ao dia 12 de novembro.

Nesse período, e tendo como fonte as notícias publicadas pela imprensa nacional, o OMA contou 28 mulheres assassinadas em contexto de relações de intimidade ou familiares, além de outras duas mortas em diferentes contextos, e 27 tentativas de homicídio.

Contas feitas, significa que, em média, houve três mulheres assassinadas todos os meses e uma média de cinco mulheres vítimas de formas de violência extrema.

“No que concerne à relação existente entre vítimas e homicidas, à semelhança dos anos anteriores, continuamos a verificar que 53% das mulheres assassinadas mantinha uma relação de intimidade presente com o homicida ao passo que 21% já tinha procurado romper com essa relação”, lê-se no relatório.

Acrescenta que “as relações de intimidade – presentes e anteriores – representam 74% do total de femicídios noticiados”.

Mulheres de Braga saíram à rua para exigir que “parem de as matar”

Por outro lado, ao ser feito o cruzamento entre a incidência do femicídio com a presença de violência doméstica nas relações de intimidade, presentes ou passadas, e relações familiares, foi possível constatar que a maioria (71%) das mulheres assassinadas foi vítima de violência nessa relação.

“Nesse sentido, em 71% das situações é muito provável que alguém próximo tivesse conhecimento de tal violência”, refere o OMA, que aproveita para defender que é urgente implementar programas de prevenção primária.

Esta percentagem corresponde a 20 casos onde se constatou existir um contexto de violência doméstica, dentro dos quais houve 12 em que existiu denúncia, ou seja, processo crime anterior à prática do homicídio.

O OMA registou a existência de 45 filhos/as das mulheres mortas, sendo que 26 eram filho/as da vítima fruto de uma relação anterior e 19 eram filhos/as comuns da vítima e do homicida. No total, 16 eram menores de idade, o que leva a UMAR a pedir uma atenção especial para as crianças vítimas dos crimes de género e, em particular, para as crianças que ficam órfãs.

Mulheres de Braga entregam petição contra violência doméstica na Assembleia da República

A caracterização da vítima mostrou que o grupo etário que registou mais femicídios foi o das mulheres com idades entre os 36 e os 50 anos (43%), imediatamente seguido pelo grupo etário acima dos 65 anos (21%), sendo que metade das vítimas estava inserida no mercado de trabalho.

Um dado que leva a UMAR a defender a necessidade de aumentar a proteção a estas mulheres e a criação de “estruturas especificas com métodos, instrumentos e respostas especializadas e ajustadas às especificidades das mulheres idosas, sobretudo em zonas mais afastadas dos grandes centros urbanos”.

Já o homicida tem idades entre os 36 e os 50 anos (32%) e entre os 51 e os 64 anos (25%), e a maior parte (57%) estava empregado.

O mês de janeiro destacou-se como aquele que registou o maior número de ocorrências (sete), seguido dos meses de fevereiro, agosto e outubro, com três mortes cada um, não tendo, ainda, sido registado qualquer homicídio em novembro.

“A residência continua a ser o espaço onde a maior parte dos femicídios foram praticados (71%), seguido dos crimes na via pública (18%)”, refere o relatório, acrescentando que a maioria dos crimes aconteceu ou durante a noite ou pela manhã.

A maioria das mulheres (13) foi morta com recurso a arma de fogo, mas houve também oito casos de mulheres esfaqueadas, três espancadas, três estranguladas ou uma morta por asfixia.

Populares