Braga e Guimarães recebem Congresso Internacional de Estudos Galegos

Foto: UMinho

O XIV Congresso da Associação Internacional de Estudos Galegos (AIEG) realiza-se, de 17 a 20 de abril, na Universidade do Minho, em Braga, e, no último dia, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães.

De acordo com a UMinho, são esperados duas centenas de participantes da Europa, América e Ásia.

O evento ocorre pela primeira vez em Portugal e tem oradores como os presidentes da CCDR-N, António Cunha (dia 17, 11:30), do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, João Neves, e do Conselho da Cultura Galega (CCG), Rosário Álvarez (ambos dia 20, 11:30).

O programa inclui mesas redondas, exposição, poesia, música, teatro, prémios e 120 comunicações em cinco sessões paralelas, que cruzam o galego com a identidade, o ensino, a literatura, o audiovisual, a emigração, a economia ou o turismo.

Momentos culturais

A sessão de abertura é na próxima quarta-feira, às 11:00, no auditório B1 do campus de Gualtar, com a presidência da Escola de Letras, Artes e Ciências Humanas da UMinho, João Rosas, e o presidente da AIEG, Carlos Pazos-Justo, também coordenador do evento e do Centro de Estudos Galegos da UMinho.

Segue-se a conferência inaugural com António Cunha, sobre a afirmação da eurorregião Galiza/Norte de Portugal. A primeira noite centra-se no Edifício dos Congregados da UMinho, com a inauguração (19:00) da exposição promovida pelo CCG. Há também o espetáculo “Cantar Abril” (21:30), com o declamador Fernando Pena e o grupo tradicional Canto d’Aqui.

No dia 18, de novo no campus e a partir das 17:30, decorre a mesa redonda sobre Estudos Galegos no mundo, havendo mais tarde a performance “Palavras de contrabando”, pelo ator Quico Cadaval, no salão nobre da Reitoria.

No dia 19, entrega-se, às 18:15, o I Prémio Internacional de Estudos Galegos, que teve teses concorrentes de vários países. O vencedor vai ter 2.000 euros e o trabalho publicado na UMinho Editora.

No final, há a assembleia-geral da AIEG.

Gala Arri(t)mar

A Gala Arri(t)mar fecha o congresso no dia 20, às 21:45, no auditório Vita, em Braga. A conferência de imprensa sobre esta gala é a 15 de abril, segunda-feira, às 14:30, na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, em Braga.

A sessão conta com os responsáveis Gonzalo Constela (Projeto aRitmar), Jaime Torres (Canto D’Aqui), Fernando Pena (Rede Galilusofonia), Ana Paula Ferreira (Município de Braga) e Carlos Pazos-Justo (UMinho, AIEG).

É a primeira vez que Portugal recebe a reedição desta gala anual da música e da poesia galego-portuguesa, incluindo a atuação de vários projetos premiados.

Carlos Pazos-Justo é o primeiro presidente da AIEG numa universidade portuguesa. No seu mandato, procura reforçar o trabalho em rede sobre literatura, história, cultura e língua galegas e o diálogo com a lusofonia.

A AIEG surgiu nos anos 80 nos EUA e o seu congresso trienal já passou pelos EUA, Alemanha, Reino Unido, Cuba, Espanha, Brasil, Argentina e Polónia.

Em Portugal, o congresso é coorganizado pelo centros de Estudos Galegos das universidades do Minho, Algarve e Nova de Lisboa, tendo o apoio da Xunta da Galiza, do CCG, do Centro de Estudos Humanísticos, do Centro de Investigação em Artes e Comunicação, dos municípios de Braga e Guimarães, dos Canto d’Aqui e da TecMinho.

Mais informações e programa aqui.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Montenegro promete continuidade com “firme compromisso de Portugal” com valores da UE

Próximo Artigo

Enfermeiros acusam ARS Norte de “mudar a meio do jogo” regras de concurso

Artigos Relacionados
x