Seguir o O MINHO

Braga

Braga: Condenada por inventar falso namoro a envolver futebolista e modelo da Casa dos Segredos

Criou perfil falso de amiga no Facebook e mandou ‘fofoca’ para revistas do coração

em

Foto: DR

Inventou um perfil falso no Facebook, em nome de uma ex-colega de trabalho, e, através dele, divulgou uma estória de namoro entre uma outra ex-colega e o guarda-redes do Sp. de Braga, Eduardo e que envolvia o manequim Thierry, participante numa das edições da Casa dos Segredos.


Através do perfil, enviou a notícia para duas revistas do coração que publicaram a novidade. Uma mulher, de 30 anos, foi, agora, condenada no Tribunal de Braga, a duas penas de multa, por difamação e falsidade informática.

Em fevereiro de 2014, a arguida criou na rede social um perfil de Paula Cristina Lemos, e nele incluiu uma foto da vítima. Aí, divulgou, através de mensagens enviadas à redação de duas revistas, a Mariana e a TV7dias, uma história em que afirmava que uma outra mulher, também sua conhecida, Joana Gomes, era namorada do guarda-redes, e que, a mesma, mantinha, apesar disso, um envolvimento amoroso com o Thierry.

Revistas do coração

Em março, a Mariana publicou um texto, intitulado “Depois de alguns arrufos Thierry trai Débora”, o qual tinha uma chamada de capa com os dizeres: “Thierry envolveu-se com a namorada do guarda-redes do Sporting de Braga”. E acrescentava: “O manequim não resiste a um rabo
de saias, mas, desta vez, foi longe demais, tendo um caso com a namorada do jogador”.

A publicação anotava que Thierry “tinha uma vida agitada”, afirmando que tinha sido visto a entar em casa da Joana, “onde ficou umas horas”. A Mariana dizia, anda, em jeito de fofoca, que o Thierry dissera que “já não namorava com a Débora Picoito, mas ter-se-á arrependido peloque publicou fotos com ela no Facebook”.

A mesma informação – diz o acórdão judicial – foi, depois, veiculada pela TV7dias. Ambas as revistas vieram, posteriormente, a publicar desmentidos da Joana e do atleta, com o respetivo pedido de desculpas.

Isto por que, quando a vítima soube do sucedido, contactou a Paula Lemos que se mostrou espantada com a existência da conta e negou a sua autoria. A mesma foi, então fechada.

Multas

Feita a queixa, a PJ/Braga concluiu que o perfil foi criado em casa pela mulher, com o propósito de se vingar das duas outras, com quem tinha estagiado numa empresa de contabilidade.

O Tribunal condenou-a, por isso, pelos crimes de falsidade informática, em 1.400 euros de multa, e de difamação, em 1.960 euros. Tem, ainda, de pagar cinco mil euros à Joana e 1.500 à Paula, bem como arcar com a taxa de justiça. O jogador não pediu qualquer indemnização.

No começo do julgamento, era também arguida a mãe da mulher, mas o coletivo de juízes concluiu que nada tinha a ver com o caso, sendo a estória congeminada por ela, a partir do apartamento onde ambas vivem.

No acórdão, o Tribunal justifica as indemnizações às duas vítimas com o facto, no caso da Joana, de ter ficado perturbada e ter perdido “imenso peso” enquanto que a Paula ficou deprimida.

Anúncio

Braga

Dois feridos após incêndio num anexo agrícola em Vila Verde

Em Cervães

em

Foto: Cedida a O MINHO por José Fischer Cruz

Duas pessoas foram transportadas para o Hospital de Braga na sequência de um incêndio num anexo agrícola, em Cervães, concelho de Vila Verde, disse a O MINHO fonte oficial do Comando Distrital de Operações e Socorro de Braga.

O incêndio, com origem desconhecida, deflagrou num curral de animais junto a uma habitação na freguesia de Cervães, causando ainda danos materiais. Alguns animais também terão sido atingidos pelas chamas.

Para o local foram acionados vários meios da corporação dos Bombeiros de Vila Verde que rapidamente procederam à extinção das chamas.

O alerta foi dado pouco antes da meia-noite deste sábado.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Padre de Amares revoltado com quarentena depois de jantar com doente covid

Covid-19

em

Foto: Arquidiocese de Braga

As eucaristias nas paróquias de Dornelas, Figueiredo, Paredes Secas e Vilela, no concelho de Amares, estão suspensas desde o início de julho depois do pároco local ter sido aconselhado a permanecer em quarentena, ainda que um pouco contra sua vontade.

Através das redes sociais, o padre explica o motivo da quarentena forçada e fala de uma expectativa para que pudesse celebrar as eucaristias à porta fechada, que saiu gorada.

Conta que, no passado dia 27 de junho, jantou com um amigo que acusou positivo para covid-19. Quando o pároco tomou conhecimento da infeção do amigo, deslocou-se a uma unidade de saúde para fazer o teste de despistagem à doença, com o resultado a dar negativo.

Apesar de não estar infetado com o novo coronavírus, o sacerdote foi contactado pela delegação de saúde local para que cumprisse um período de isolamento profilático entre os dias 29 de junho e 12 de julho, face ao “perigo de contágio”.

“Afinal, qual seria o risco de fazer uma caminhada, dar uma volta de bicicleta, visitar a minha mãe (mantendo-me à distância como o faço desde março) ou até mesmo descer à Igreja para celebrar sozinho”, questionou o sacerdote através das redes.

O padre conta que, no dia 03 de julho, enviou um mail à delegação de saúde a pedir alteração das datas, por ter tido contacto com o infetado no dia 27, e não a 29. Todavia, não obteve resposta.

Visivelmente aborrecido por estar em quarentena, lamenta que, caso transgrida, corra em risco de crime de desobediência agravada.

O pároco vai mais longe a fala em “papalvos da República” que “alardoam” que “estamos num país livre”.

“Uma vergonha. A propalada liberdade importa para mendigar votos, branquear empregos e regalias, satisfazer interesses corporativos e partidários. O resto, somos carne para canhão”, desabafa o sacerdote, conhecido por alguns comentários mais polémicos nas redes sociais.

Continuar a ler

Braga

‘Velocidade furiosa’ em Braga. Condutor fura fila de quilómetros na variante do Cávado

Trânsito

em

Foto: Redes sociais

Um condutor furou a fila que se regista habitualmente ao final do dia na variante do Cávado, entre os concelhos de Braga e Vila Verde, à entrada de Prado, com o momento a ser registado em filmagem de telemóvel.

Não se sabe em que dia foram captadas as imagens mas estas foram agora divulgadas nas redes sociais, mostrando o condutor a seguir pela faixa que dá acesso a Vila Verde, com a fila para Prado já com uma dimensão considerável.

Na bifurcação, o condutor entra na via que segue pela EN 201, em direção a Ponte de Lima, utilizando a berma da faixa de rodagem para ultrapassar as dezenas de viaturas que se encontravam no ‘pára-arranca’.

Desconhece-se se o condutor foi sancionado pelas autoridades uma vez que cometeu várias infrações de trânsito.

Continuar a ler

Populares