Seguir o O MINHO

Braga

Braga combate ligações ilegais à rede de abastecimento de água

em

Campanha de ‘videoscopia’ já inspecionou 700 ramais.

A AGERE – Empresa de Águas, Efluentes e Resíduos de Braga já realizou 700 inspecções a ramais de abastecimento de água, tendo sido detectadas 22 ligações ilícitas à rede pública. As inspecções resultam de uma campanha fiscalização com recurso à ‘videoscopia’ que a empresa municipal tem em marcha desde Abril deste ano. Para estes casos, foram diligenciadas acções para a regularização da situação e debitado, ao cliente infrator, o volume de água utilizado sem medição.

Ainda no âmbito desta campanha, a AGERE identificou locais de consumo com captações próprias cuja rede se encontra interligada, de forma indevida, com a rede pública. Segundo o administrador da AGERE, Rui Morais, estas situações representam um risco para a Saúde Pública.

“É dever da AGERE garantir a qualidade da água de abastecimento público e, por isso, estes locais de consumo também serão alvo de diligências para a regularização das situações detectadas”, afirma.

A técnica da ‘videoscopia’ é relativamente recente, mas é já considerada a “grande aliada” no combate aos “roubos de água do sistema”. Esta técnica permite a visualização direta da situação do ramal, através de um monitor, por introdução de uma pequena câmara móvel que percorre o troço até identificar o ilícito, fotografando e fazendo prova da infração.

Em Braga, este serviço está a ser executado por uma empresa externa, sendo que todas as inspecções são acompanhadas por técnicos da AGERE que identificam os locais a analisar. A identificação é feita através da análise geoespacial e dos perfis de consumo dos clientes.

O administrador Rui Morais salienta que a AGERE-EM, como entidade gestora de serviços públicos de água e saneamento, “tem a responsabilidade de implementar ações que contribuam para a sustentabilidade, promovendo o uso racional e otimizado dos recursos hídricos que se torna ainda mais premente no contexto de seca que, segundo os dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, se verifica no País”.

“Uma das ações implementadas consiste no combate ao consumo fraudulento que pode consistir na utilização indevida da rede e ligações directas da rede predial à pública que podem ser visíveis ou não visíveis”, acrescenta.

Populares