Seguir o O MINHO

Braga

Braga: Carlos Fernandes já tem uma cama articulada, segue-se o elevador para as escadas

Onda de solidariedade lançada por O MINHO não pára de crescer. Com reforma de 300 euros e sem ajuda estatal prevista, a família lançou o apelo “Vamos apoiar o Carlos”

em

Foto: cedida a O MINHO

Os olhos brilhantes de Carlos Fernandes não enganam. A felicidade estampada no rosto é o resultado da solidariedade de milhares de pessoas que responderam positivamente ao apelo lançado por O MINHO. Deitado na nova cama articulada, Carlos Fernandes, o ex-electricista de Palmeira pode, agora, aumentar a sua qualidade de vida.

Segundo a família, uma leitora de O MINHO, de Vila Verde e que preferiu o anonimato, apenas usando o nome de Maria, cedeu uma cama articulada a Carlos Fernandes, depois de ler a reportagem.

Uma ‘vizinha’ de Vila Verde, que pediu anonimato, ofereceu uma cama articulada a Carlos Fernandes. Foto: cedida a O MINHO

Se o primeiro objectivo do apelo lançado pela filha Ângela Fernandes já teve um final feliz, segue-se a instalação de um elevador nas escadas da casa onde vive Carlos.

Uma caminhada solidária está marcada para o próximo dia 24 de fevereiro. Com saída às 09:00 do Largo da Senhora a Branca, o destino são as Sete Fontes onde os participantes terão ‘direito’ a uma visita guiada ao complexo.

A Associação Juvenil de Gualtar irá apoiar na condução da caminhada.

A chegada ao local de partida está prevista para as 12:00 e a caminhada terá um custo simbólico de cinco euros que irão reverter para ajudar Carlos Fernandes.

Carlos Fernandes, eletricista de profissão, tem um cancro nos ossos. Depois de um tratamento inovador sofreu um AVC que lhe provocou uma hemorragia grave, paralisação do lado direito do corpo e afetação da fala.

A vida pregou uma partida a eletricista de Braga, família apela: “Vamos apoiar o Carlos”

Com reforma de 300 euros e sem ajuda estatal prevista, a família lançou o apelo “Vamos apoiar o Carlos” através de uma reportagem de O MINHO.

Nas primeiras seis horas após ser publicado, o texto foi lido por mais de 40 mil pessoas, de todo o país. Até este domingo, cerca de cem mil pessoas (98.817) tomaram conhecimento da história através do jornal.

Populares