Seguir o O MINHO

Braga

Braga: Bombeiros sapadores suspensos 10 dias por atraso a desinfetar ambulâncias

Visados dizem que punição é injusta e criticam mau clima no quartel

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

A maioria PSD/CDS na Câmara de Braga aprovou, hoje, com três votos contra do PS e a abstenção da CDU, o teor de quatro processos disciplinares movidos pelo Comando dos Bombeiros Sapadores a quatro profissionais, que culminou com a sua suspensão por dez dias.

O motivo da sanção não foi divulgado, dada a necessidade de confidencialidade, mas O MINHO sabe que se deveu ao facto de se terem atrasado na desinfeção de duas ambulâncias que regressaram de serviço. Os bombeiros terão ido almoçar e só depois é que foram desinfetar as viaturas. Cinquenta minutos ao todo. Nesse entretanto, o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do distrito ligou duas vezes a pedir uma ambulância, mas o pedido foi rejeitado dado que as viaturas não estavam operacionais. “Primeiro está o socorro e só depois o almoço. Pode estar a vida de alguém em causa”, disse fonte ligada ao processo.

Na reunião do Executivo, o vereador Altino Bessa, da Proteção Civil, disse que o processo disciplinar partiu de um chefe de serviço e foi proposta pelo Comando, tendo sido instruído pelos serviços jurídicos municipais. Garantiu que nada teve a ver com o caso, que foi da iniciativa do Comando, e instruído, com audição de todas as partes, pelo Departamento Jurídico da autarquia, tendo a proposta de suspensão partido do relator.

PS lamenta

Na ocasião, o vereador socialista Artur Feio lamentou a sanção, defendendo que “a Câmara tinha meios para impedir o processo disciplinar, agindo em concertação e fomentando o diálogo”.

Ao que O MINHO soube de fonte sindical, os quatro profissionais contestam que se possa desinfetar uma ambulância em 20 minutos, o tempo apurado pelo Comando para o efeito e que corresponde ao que é usado num quarto de hotel. Dizem que, além do interior da viatura, é preciso desinfetar equipamento e instrumentos em uso.

Atribuem a queixa do chefe de serviço “a divergências internas e ao mau clima que se vive no interior do quartel. E com o Comandante quatro meses seguidos de baixa”.

O coordenador do Sindicato Nacional dos Bombeiros Sapadores, Ricardo Costa, disse a O MINHO que os quatro bombeiros agora suspensos vão recorrer da decisão para o Tribunal Administrativo.

O sindicalista lamenta que seja posto em causa, de forma injusta, “o bom nome pessoal e profissional dos quatro homens”.

Em sua opinião, quem atua ilegalmente é o Comando dos Sapadores que põe as ambulâncias do INEM a operar sem que os três membros da equipa tenham as categorias e competências profissionais exigidas pelo próprio INEM.

Ricardo Costa diz que a Câmara não gosta do Sindicato, dado que este é independente e não teme discutir os problemas que afetam os profissionais, e diz que serão ‘metidas’ novas ações judiciais em defesa do pagamento do trabalho nos feriados e nas horas extraordinárias.

Contactado a propósito, Altino Bessa escusou comentar as críticas, dizendo apenas que as regras de funcionamento das equipas de socorro não são feitas pelo pelouro, e que atende e dialoga com todos os sindicatos legalizados do setor.

Populares