Seguir o O MINHO

Braga

Braga aposta na reabilitação e valorização dos ecossistemas ribeirinhos

Ministro do Ambiente visitou zonas afectadas pelos incêndios de 2017

em

Foto: Sérgio Freitas/Divulgação/CM Braga

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, e o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, realizaram esta segunda-feira, uma visita aos trabalhos de reabilitação e valorização dos ecossistemas ribeirinhos afectados pelos incêndios de outubro de 2017. Os projectos assentam numa recuperação de forma natural das linhas de água, usando técnicas de engenharia natural, aproveitando árvores queimadas e ramos secos para fazer diques e consolidar margens.

Após os incêndios, o Município efectuou um levantamento das linhas de água afectadas e do tipo de intervenções necessárias em 37 hectares, levando ainda à plantação de 33 mil novas árvores.

“Com o incêndio que deflagrou nestas encostas houve muita vegetação que foi destruída e isso deixou as terras libertas. Os Bracarenses sentiram essas consequências logo em Dezembro desse ano, fruto das inundações que se verificaram, uma vez que os solos ficaram mais libertos e as águas das chuvas foram arrastadas a grande velocidade causando danos consideráveis”, explicou Ricardo Rio, adiantando que com estas intervenções “estamos a prevenir novas ocorrências, criando zonas de protecção com drenagem águas e bacias de retenção que vão reduzir a velocidade e o caudal das enxurradas”.

Para efectuar os trabalhos de limpeza e desobstrução em rios e ribeiras, num montante global de 354 mil euros, o Município recorreu a financiamentos atribuídos pela Agência Portuguesa do Ambiente através do Fundo Ambiental, ao qual se junta uma componente de investimento municipal. As obras foram realizadas nas freguesias de Esporões, Nogueira, Fraião e Lamaçães; Nogueiró e Tenões; Santa Lucrécia e Navarra e Crespos e Pousada.

“Ao olhar para estas encostas e não podemos deixar de ficar um pouco apreensivos com o desordenamento florestal que se vai verificando em terrenos de propriedade privada e que só com uma regulamentação adequada é que se pode realizar algo que impeça a propagação de eucaliptos e outros infestantes”, considerou Ricardo Rio, lembrando que “este é um esforço inacabado, uma vez que os recursos são limitados e a manutenção muito dispendiosa, um facto que carece de financiamento próprio”.

As reabilitações das linhas de água permitem o controlo dos episódios de cheias, o aumento da qualidade da água, o controlo dos processos erosivos nas margens, a melhoria da qualidade dos solos e a maior preservação da biodiversidade. O corte de material arbóreo e arbustivo, a remoção de reutilização de material em obra, a reposição da galeria ripícola e a reabilitação das condições de biofísicas de suporte foram alguns dos trabalhos efectuados.

Já o ministro do Ambiente e da Transição Energética lembrou que este é um projecto duplamente importante. “Além de recuperar linhas de água, reduzindo o risco de cheias e melhorando a qualidade das massas de água que existem em Braga, estamos a criar as melhores linhas de corta-fogo que o país pode ter. Estes quilómetros que estão a ser recuperados em Braga fazem parte dos cerca de mil quilómetros que estamos a recuperar em todo o país. As autarquias têm aqui um papel fundamental e Braga resolveu ir mais além ao financiar este projecto com fundos próprios”, enalteceu João Matos Fernandes.

Anúncio

Braga

Indústrias de defesa caçam soluções inovadoras na “Nanotecnologia” em Braga

Têxteis inteligentes que “fintam” os sensores de ultravermelhos são uma das soluções em desenvolvimento no INL, que podem interessar às Forças Armadas

em

Foto: DR / Arquivo

Têxteis inteligentes que “fintam” os sensores de ultravermelhos são uma das soluções em desenvolvimento no Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia, em Braga, que podem interessar às Forças Armadas, admitiu hoje o ministro da Defesa.

De visita ao INL, no âmbito da iniciativa governamental “Governo mais Próximo”, João Cravinho aludiu ainda a outras soluções que ali estão a ser investigadas, como biossensores que identificam um ambiente potencialmente contaminado ou a uma espécie de cobertura para tornar aeronaves não detetáveis por radar.

“Este é um laboratório de vanguarda e as indústrias de defesa tipicamente são de vanguarda. Há aqui toda uma gama de investigação muitíssimo interessante para as indústrias de defesa”, sublinhou o ministro.

João Gomes Cravinho destacou o empenho do Governo em equipar as Forças Armadas, nomeadamente através do projeto “Soldado do futuro”, em que serão investidos 42 milhões de euros nos próximos anos.

O projeto passa pela aquisição de armamento e de proteção e vai ser implementado ao abrigo da Lei de Programação Militar, que se estende até 2030.

“Isto é uma necessidade permanente, os nossos militares precisam permanentemente de ser atualizados com equipamento do melhor nível possível, e todos os anos há novidades. É muito interessante ver que algumas dessas novidades também estão a ser desenvolvidas aqui em Portugal”, disse ainda.

Referiu-se, designadamente, aos têxteis inteligentes que permitem escapar aos sensores ultravermelhos.

“Pode ser muito importante para as nossas Forças Armadas, logo que tiver chegado a um estágio em que possa ser aplicado nas roupas”, afirmou.

O INL tem investigadores de mais de 40 nacionalidades.

Continuar a ler

Braga

Bosch está a recrutar engenheiros para Braga

Emprego

em

Foto: DR / Arquivo

A empresa alemã Bosch tem 140 vagas para preencher nas empresas de Braga, Aveiro, Ovar e Lisboa, anunciou hoje a empresa.

Para Braga, há várias vagas para o setor de engenharia elétrica e desenvolvimento de software, entre outros.

Há também vaga para um engenheiro de desenvolvimento de sistemas de teste, para um engenheiro mecânico para infraestruturas, para um engenheiro de coordenação de qualidade do processo e um especialista em testes de hardware.

As candidaturas podem ser efetuadas através do site oficial da multinacional alemã.

Continuar a ler

Braga

Escoceses sujaram (muito) o centro de Braga? “AGERE limpou tudo em meia hora”

Megaoperação de limpeza da AGERE

em

Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Circularam, durante a tarde de ontem, nas redes sociais, várias imagens que mostravam o centro da cidade de Braga num verdadeiro pandemónio, com lixo por todo o lado, fruto da invasão de adeptos escoceses ao centro histórico. Alguns adeptos utilizavam mesmo o mobiliário urbano – pilaretes – para abrir caricas das garrafas de cerveja que compravam nos supermercados.

 

 

Foram várias as críticas, sobretudo depois de ter sido dado eco na imprensa a essas mesmas imagens captadas. O que ficou por dizer? O centro da cidade ficou limpo em pouco mais de meia hora.

Fonte oficial da AGERE disse a O MINHO que, cerca de meia hora depois dos adeptos terem partido para o Estádio Municipal, tanto a Praça da República como as ruas por onde passou o cortejo de cerca de seis mil adeptos, ficaram limpas.

Cidade ficou limpa em pouco tempo. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

“Tínhamos as equipas normais de varredores, mas já sabíamos que iria ser necessário um reforço, então deslocámos várias brigadas de limpeza para que não restasse lixo”, garantiu a mesma fonte.

Maria Armanda, uma das funcionárias da AGERE, conta a O MINHO que “nunca tal se tinha visto”. “Nem no São João vi tanto lixo concentrado num só local”, assegura.

Habitualmente responsável pela descarga das papeleiras, desta vez teve de se amarrar à vassoura e limpar uma das ruas que desce do centro histórico até à zona Norte da cidade, rumo ao Estádio. “Fui a limpar até às bombas da BP, nas Parretas”, conta.

Seis mil escoceses “salvaram o inverno” à restauração do centro de Braga

A funcionária destaca o bom trabalho dos colegas da AGERE. “Estivemos todos muito bem, isto ficou limpo num instante, e tivemos de limpar duas vezes porque depois voltaram para cá no final do jogo e ainda fizeram mais lixo”, finaliza.

SC Braga e Rangers defrontaram-se, na quarta-feira, para a segunda mão dos 16 avos de final da Liga Europa, com a vitória a sorrir aos escoceses, por 0-1. No agregado, também foram os escoceses mais felizes, com um total de 2-4 e consequente apuramento para os ‘oitavos’ da competição europeia.

Continuar a ler

Populares