Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Botelhão, sexo e vandalismo: As loucas noites que escandalizam Caminha

“Miúdas de 15 anos andam com as cuecas na cabeça e às portas das casas é só preservativos, urina e vómito”

em

Foto: O MINHO

Adolescentes, na sua grande maioria menores de 18 anos, têm escandalizado alguns moradores e comerciantes do centro da vila de Caminha, com atos de sexo na via pública, agressões e vandalismo.

Na madrugada de quinta-feira, por volta das 5:50, foi registada a última de dezenas de intervenções dos Bombeiros de Caminha para com agressões motivadas por excesso de álcool entre jovens.

Dois rapazes, um de 17 e outro de 20, foram transportados para o Hospital de Braga depois de uma zaragata à porta de uma discoteca na principal rua de bares de Caminha.

Adolescentes partem para agressões na rua Direita. Foto: Cedida a O MINHO

Essa mesma agressão, aliada a atos de vandalismo, fez com que a Câmara de Caminha reunisse de emergência com diversas autoridades de segurança do concelho na quinta-feira, informando esta sexta-feira que iniciou a contratação de serviços de segurança extra por parte da GNR para estes últimos dois dias de agosto, face à escalada de violência.

“O vandalismo denunciado põe em causa a ordem pública e a segurança de pessoas e bens, e estará relacionado com o acréscimo inusual de pessoas no concelho de Caminha nestes últimos 15 dias e com a exponenciação do consumo de bebidas alcoólicas no exterior dos estabelecimentos noturnos”, referiu a autarquia em nota de imprensa.

O MINHO foi a Caminha ouvir moradores, comerciantes e proprietários de espaços de diversão, muitas vezes acusados de serem o potenciador destes atos, devido ao consumo de álcool.

Rua Direita durante o dia. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Todavia, foi constatado que grande parte dos adolescentes embriagam-se nas ruas, com bebidas que os mesmos compram em supermercados antes do anoitecer.

Maria Cerqueira, comerciante na Rua Visconde Sousa Rego [rua das Flores] não tem dúvidas. “As noites de Caminha são más, principalmente na segunda quinzena de agosto, e na minha opinião tem a ver com o tipo de clientela que frequenta os bares e a discoteca”.

“Nestes últimas noites tem sido terrível, quando chego cá de manhã é só garrafas partidas à porta e ainda esta semana telefonaram-me às 8:00 para ir buscar um tronco [vaso] que tinha aqui pregado na rua porque levaram-me para outro lado”, explica.

Maria Cerqueira. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

A florista crê que o problema não é só vandalismo, mas “também o ambiente que se cria”, pois na grande maioria “são miúdos muito jovens em estado degradante em que acabam por ficar na rua sem saber o que fazer até de manhã”.

Maria explica que há “uma secção que vem de Moledo”, por volta das 02:00, que “sobem para cima dos carros e fazem concursos a ver quem salta o maior número de carros”.

“Na última noite, ouvi barulho e vim à janela e estavam a ver quem conseguia saltar mais pelos carros. Já nos outros anos fizeram isso. Roubam as antenas, tentam abrir os carros e nós que estamos à janela ficamos irritados e falámos. Mas eles viram os contentores como resposta”, lamenta.

Maria, e outros comerciantes, pedem mais policiamento e liberdade de autoridade. “Temos pouco policiamento e não há autoridade, porque se a polícia faz algo, depois os miúdos dizem que foram atacados pela polícia”, sublinha.

A comerciante diz mesmo não ter “problema nenhum em pagar uma taxa mensal para que no mês de agosto e na noite de fim de ano haja polícia de intervenção”, acrescentando que essa medida “não é bonita, mas faz falta”.

“Eles sentem que estão à vontade, percebe?”, aponta Maria Cerqueira. “Mas nós habitantes também temos que dizer algo, nem que seja ameaçar, para que percebam que podem divertir-se e até beber, mas quanto ao vandalismo, não pode ser”, atira.

“Ficam na rua como zombies

Já Ana Luísa, comerciante na Rua Condestável Dom Nuno Álvares Pereira, aponta que os jovens fazem o típico botelhão à espanhola, comprando garrafas nos supermercados misturando-as em frente à porta onde tem uma loja.

Ana Luísa aponta local do ‘botelhão’. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

“É muita gente que anda aqui, fazem o botelhão sentados no muro em frente e de manhã está tudo cheio de garrafas e vidros partidos”, aponta a comerciante, não achando que até seja necessário mais policiamento, mas sim um policiamento mais eficaz.

“Eles ficam rua como zombies a a fazer asneiras até às 07:00 porque já não sabem o que fazem. Se a polícia passasse por eles de carro, eles já se assustavam e iam para os seus destinos”, acrescenta.

Proprietários dos bares defendem clientela mas pedem mais policiamento

Tiago Sousa, proprietário de um bar situado na afamada rua Direita [O Portão] crê que é necessário existir mais policiamento, embora garanta nunca ter tido quaisquer problemas com a clientela que, segundo o próprio, “é de uma idade mais madura”.

Rua Direita. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

O comerciante admite que existe algum exagero por parte dos jovens que ficam pelas ruas durante a noite mas descarta quaisquer responsabilidades.

Também José Fernandes, proprietário da café Medieval, junto à Rua Condestável Dom Nuno Álvares Pereira, onde é feito o botelhão e onde alguns dos adolescentes se reúnem para ouvir música enquanto bebem, não crê que seja um problema assim tão grave.

Café Medieval. Foto Fernando André Silva / O MINHO

O comerciante, numa primeira instância, refere mesmo que a noite de Caminha “é calma e sossegada”, sublinhando que os casos de vandalismo apontados acontecem “ao longo de todo o ano” e que “são sempre os mesmos” a fazê-lo.

No entanto, e por existir um elevado número de pessoas nas ruas durante a noite, José concorda com o aumento de policiamento. “Só que esse policiamento deve começar por volta da meia-noite, não é só vir às tantas da manhã”, aponta.

Adolescentes urinam nas portas dos moradores na rua Direita. Foto cedida a O MINHO

José Fernandes diz que dessa forma, poderiam ocorrer menos desacatos sem que as pessoas se fossem embora porque, aponta, a estadia destes jovens e dos pais “é benéfica pois movimenta o comércio”.

José Valentim, proprietário da pastelaria Virgem de Fátima, é quem habitualmente serve o pequeno almoço aos jovens. Abre a pastelaria por volta das 5:00 e começa a receber os primeiros clientes, maioritariamente adolescentes vindos “da noite”.

A O MINHO, assegura que dentro do estabelecimento nunca armam confusão e que são pessoas perfeitamente normais que querem tomar o pequeno almoço. “Alguns, caso façam algum tipo de coisa, depois até pedem desculpa”, refere o proprietário da pastelaria.

Pastelaria Virgem de Fátima. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

O mesmo admite que há alguns excessos por parte dos jovens, que vão lá comprar comida e depois ficam nos jardins públicos até às 8:00. “Mas é preciso ver que estes jovens também movimentam a economia”, destaca.

“Miúdas de 15 anos andam com as cuecas na cabeça e às portas das casas é só preservativos, urina e vómito”

Júlia Cruz, moradora na rua Direita, não quer saber da economia e confessa que já nem sai à rua durante a noite para “evitar uma tragédia”, dada a “vontade de espancar alguns”.

“Há falta de prevenção para com os bares e com os moradores e eu já não vou à rua nessas alturas, a maior parte dos moradores são pessoas de idade que estão com medo dos pontapés nas portas e que entrem pela casa dentro”.

Há duas noites, apanhou uma adolescente dentro do quintal a urinar

“Apanhei uma jovem a fazer xixi dentro da minha propriedade, dei-lhe um pontapé no rabo e umas bofetadas porque foi extremamente mal criada comigo quando lhe pedi para sair do meu quintal. Ela virou-se para mim e disse para eu agarrar num balde e limpar e foi aí que lhe bati, mas ela argumentou que era menor, tinha 16 anos, e que eu não lhe podia bater ou ia presa. Eu disse-lhe que ela estava dentro de uma propriedade privada a urinar completamente embriagada e chamei a GNR”, conta Júlia.

Menores de idade deambulam pelas ruas de Caminha. Foto cedida a O MINHO

A moradora fala num clima de escândalo e que os adolescentes “fazem o que querem”, desde urinar, defecar, pontapés nas portas, garrafas contra os estores, e ainda se gabam de que a polícia nada faz. A população que reside nesta rua é maioritariamente idosa e já há moradores a pôr trancas de ferro nas portas”, aponta.

“Miúdas de 15 anos andam com as cuecas na cabeça e às portas das casas é só preservativos, urina e vómito e se nós não limparmos, pisámos o vomitado ou os preservativos e até as cuecas das meninas. Eu já fiz um corte no pé por causa de cervejas partidas e já estou farta de limpar vomitado, e diarreias. Para além disso riscam os carros e na quinta-feira estiveram a dançar em cima dos carros no largo da Feira”, aponta ainda.

Foto cedida a O MINHO

A moradora diz mesmo que a “culpa é da Cãmara que só agora nos últimos dias é que pede reforços”.

“Chutam as portas, urinam e têm relações sexuais”

José Cavaleiro é outro dos poucos moradores da rua Direita. Conta que já lhe partiram a porta e as janelas da casa. “Chutam as coisas, urinam e têm relações sexuais”, aponta.

Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Conta que no verão passado, ouviu barulho em frente à porta e quando a abriu estava “um miúdo de 15 anos em coma alcoólico”. “E ninguém chamou ajuda, tive eu de chamar o 112”, revela.

“Estou farto de ouvir asneiredo, garrafas partidas, de os ver a urinar e defecar na rua até às 06:00. Eu e a minha mulher vamos limpando à minha porta e um pouco do espaço em frente, porque a Câmara limpa os vidros mas o cheiro a urina mantém-se”, expõe.

Adolescentes urinam nas portas dos moradores na rua Direita. Foto cedida a O MINHO

O morador crê que “haver mais policiamento pode resolver” porque, embora já exista este problema há alguns anos, “tem agravado e este ano está a ser o pior”.

“A música não me incomoda, isso já sabemos que é uma forma dos bares ganharem dinheiro, embora a vila em si não acho que ganhe nada com isso, porque não está a trazer para aqui gente boa”, diz José. “Antigamente quem vinha tinha outro comportamento, agora é só ameaças, uns dizem que são filho deste e daquele e se os moradores chamam à atenção eles ainda nos maltratam”, sublinha.

Câmara vai suportar custos de reforço de policiamento

A Câmara de Caminha vai suportar os custos de um reforço de policiamento para fazer face aos “atos de vandalismo”, informou a autarquia em comunicado enviado a O MINHO.

O município justificou os “atos de vandalismo” com o “acréscimo invulgar” do número de turistas no concelho que, de acordo com números da autarquia, “cresceu 87% nos últimos cinco anos sem que tivesse havido acréscimo significativo do número de efetivos policiais”.

A “posição de força” de reforço do policiamento foi tomada na sequência de “diversos relatos”, que a autarquia disse ter recebido nos últimos dias, de “atos de vandalismo no espaço público, especialmente durante a noite, com especial incidência no centro histórico de Caminha e em Moledo”.

Foto: Fernando André Silva / O MINHO

“Sabendo-se do extremar da situação na última semana e perante a ausência de soluções, a Câmara de Caminha, apesar de não se tratar de uma competência municipal, decidiu assumir o encargo financeiro com a contratação de serviços de policiamento da Guarda Nacional Republicana (GNR), de modo a reforçar o patrulhamento e manutenção da ordem pública até ao final do mês de agosto”.

A Câmara de Caminha adiantou que “irá apresentar uma exposição sobre a situação junto do Comando Geral da Guarda Nacional Republicana e do Ministério da Administração Interna, solicitando um reforço policial adequado e proporcional ao crescimento do número de turistas no concelho de Caminha nos últimos anos”.

A autarquia acrescentou estar “em permanente contacto com as forças policiais de modo a acompanhar e a minimizar o impacto” daqueles casos.

Anúncio

Viana do Castelo

Viana vai ter uma “Praça Natal”

Na Praça da República

em

Foto: Divulgação

A Praça da República, ex-libris de Viana do Castelo, vai ser transformada em Praça Natal, decorada e com animação própria da época festiva que se avizinha, foi anunciado nesta sexta-feira.

Um carrossel parisiense, a casa do Pai Natal, trenó do Pai Natal são algumas das atividades que vão decorrer naquela praça do centro histórico de Viana do Castelo.

O programa foi apresentado esta sexta-feira pelo presidente da Câmara de Viana do Castelo, em conferência de imprensa, após a assinatura de um protocolo de cooperação com a associação empresarial, responsável pela iluminação de 22 ruas, avenidas e praças da cidade, num investimento de 122 mil euros, “um acréscimo de 50 mil euros em relação ao ano passado”.

A Praça Natal e a iluminação começam no dia 30, pelas 18:00 e permanecem até 06 de janeiro.

Continuar a ler

Viana do Castelo

PSD questiona Governo sobre avarias de TAC do hospital de Viana do Castelo

Unidade Local de Saúde do Alto Minho

em

Hospital de Viana do Castelo. Foto: Divulgação

Os deputados do PSD eleitos pelo Alto Minho querem que a ministra da Saúde explique porque “não foram sanadas de vez as recorrentes avarias” do equipamento de TAC do Hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo.

Num requerimento enviado a Marta Temido, e a que a Lusa teve, esta sexta-feira, acesso, os deputados Jorge Mendes, Emília Cerqueira e Eduardo Teixeira querem saber “por que motivo a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) não concretizou o Plano de Investimentos de 2019, onde estava previsto a aquisição de um novo TAC”.

A última avaria daquele equipamento ocorreu entre 30 de outubro e 02 de novembro.

“Os doentes necessitados deste serviço têm sido encaminhados, consoante a gravidade/urgência, para o hospital Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima (rede ULSAM), ou para unidades privadas, acompanhados por equipas clínicas do hospital de Santa Luzia, desfalcando os serviços de saúde desta unidade e acarretando custos desnecessários ao Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, lê-se no requerimento entregue na quinta-feira no parlamento e dirigido à ministra da Saúde.

Os três deputados do PSD querem saber qual “o valor dos encargos suportados pela ULSAM/SNS com a realização destes exames no setor privado, pela falta de reparação e ou substituição do equipamento no hospital de Viana do Castelo”.

“Dada a reiterada suborçamentação com que se tem confrontado a administração da ULSAM, resultado dos cortes e cativações impostas pelo Orçamento de Estado, como vai esta concretizar o Plano de Investimentos, em matéria de equipamentos, da requalificação das instalações, por exemplo da consulta externa, ou para contratar profissionais de saúde de que carece”, questionam os sociais-democratas.

Os parlamentares querem ainda saber “se o Ministério da Saúde vai, com urgência, repor a equidade orçamental, equiparando o financiamento da ULSAM, com base na capitação, às suas congéneres ou unidades hospitalares da região norte”.

A ULSAM integra os hospitais de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima, 13 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, servindo uma população residente superior a 250 mil pessoas.

No total, a ULSAM emprega mais de 2.500 profissionais, entre eles, 501 médicos e 892 enfermeiros.

Continuar a ler

Viana do Castelo

FNAC de Viana cria 18 novos empregos e espera faturar 3,2 milhões por ano

Inaugurada ontem, a loja abre hoje ao público

em

Foto: DR/Arquivo

O grupo FNAC vai investir cerca de sete milhões de euros até 2020 para atingir as 40 lojas no país, disse ontem à Lusa o diretor-geral da FNAC Portugal, na abertura do 32.º espaço, em Viana do Castelo.

A loja no centro comercial Estação Viana, na capital do Alto Minho, representou um investimento de cerca de meio milhão de euros e a criação de 18 postos de trabalho diretos.

Na inauguração da nova loja de bens culturais, tecnológicos e de lazer, Nuno Luz explicou que o espaço pretende “servir os 85 mil habitantes do concelho de Viana do Castelo e das zonas limítrofes, abrangendo, no total, cerca de 200 mil habitantes”.

“As previsões apontam para uma faturação anual a rondar os 3,2 milhões de euros”, salientou.

A inauguração da loja, com uma área comercial de 500 metros quadrados, incluiu uma breve atuação de Pedro Abrunhosa, padrinho do espaço.

Em Portugal, a empresa quer abrir mais oito lojas nos próximos três anos.

“Temos a ambição de chegar às 40 lojas até 2022, num investimento de cerca de sete milhões de euros”, afirmou Nuno Luz.

O diretor-geral acrescentou que “na primeira semana de dezembro abrirá a 33.ª loja, no Arena Shopping, em Torres Vedras”, adiantando que esta “será a quarta loja de 2019, num investimento global de quatro milhões de euros”, tendo sido criados “mais de uma centena de postos de trabalhos diretos”.

“Em 2020 estimamos abrir entre duas a quatro lojas, prevendo-se o mesmo investimento e a criação do mesmo número de postos de trabalho deste ano. Para nós é significativo, uma vez que em 21 anos estamos hoje a abrir a 32.ª loja. Abrir quatro lojas num ano é um passo grande”, considerou Nuno Luz.

O diretor-geral da FNAC explicou que a insígnia francesa está a “apontar muito no conceito de proximidade, abrindo lojas com espaços mais reduzidos e maximizando a ‘omnicanalidade’, com as referências disponíveis em loja e os artigos do catálogo ‘on-line'”.

“É um conceito diferenciador porque vemos hoje o retalho a apostar muito no ‘on-line’, a reduzir espaços e a fechar lojas, e a FNAC continua a apostar em espaços físicos porque quer estar mais perto de todos os portugueses que estão longe dos grandes centros urbanos”, referiu.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares