Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Bloco propõe auditoria forense a Empordef e Estaleiros de Viana

Após denúncias de “alta corrupção”

em

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO (Arquivo)

O BE propôs hoje uma auditoria forense às contas da Empordef, ‘holding’ que gere as participações do Estado na indústria de Defesa, e às contas dos Estaleiros de Viana do Castelo após denuncias de “alta corrupção”.

O pedido foi feito pelo deputado João Vasconcelos no período de declarações políticas, na Assembleia da República, em Lisboa, na sequência de uma denúncia feita, na comissão parlamentar de Defesa, pelo presidente da Empordef.

Na comissão, lembrou João Vasconcelos, João Pedro Martins fez uma “acusação gravíssima” – que a gestão dos extintos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) teve atos que classificou como “alta corrupção”.

“Estas acusações não podem ser ignoradas” e “a luta contra a corrupção não é compatível com muros de silêncio”, afirmou o deputado bloquista, que anunciou também o pedido de audição dos ex-ministros da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco, do PSD, e José Azeredo Lopes, do PS, na comissão parlamentar de Defesa.

Pouco antes, João Vasconcelos havia acusado PSD e CDS-PP, e também o PS, de quererem “abafar a situação” e pretenderem rejeitar a audições dos dois ex-ministros.

Na sua intervenção, o deputado do BE lembrou que foi o Governo PSD/CDS-PP a privatizar os Estaleiros Navais de Viana do Castelo.

Além disso, acrescentou, João Pedro Martins denunciou que os resultados da Empordef “foram construídos para que a ‘holding’ apresentasse capitais próprios negativos” e que foi esse o argumento usado, em 2014, pelo ex-ministro do CDS-PP Paulo Portas para justificar a extinção da ‘holding’.

No debate, Leonel Costa, do PSD, e João Rebelo, do CDS-PP, devolveram as acusações de preconceito ideológico e defenderam a opção de privatizar os estaleiros navais pelo anterior executivo.

Um e outro argumentaram que se tratou de uma decisão política, uma opção certa que é demonstrada pelo facto de se “manter estaleiro e postos de trabalho”.

Tanto o PSD como CDS-PP, a que se juntou também Joaquim Raposo, do PS, acusaram os bloquistas de não quererem ser esclarecidos, depois de terem recusado, na comissão parlamentar de Defesa Nacional, a audição dos ex-presidente dos estaleiros navais.

Pelo PCP, Jorge Machado afirmou que liquidar a empresa apenas “beneficiou os privados” e defendeu que todas as suspeitas devem ser investigadas.

Na quarta-feira, o BE forçou a comissão de Defesa a chamar os ex-ministros Aguiar-Branco e Azeredo Lopes ao parlamento, na sequência de acusações do presidente da Empordef sobre “alta corrupção” nos Estaleiros de Viana do Castelo.

A iniciativa da bancada bloquista foi apresentada depois de o presidente da comissão liquidatária da Empordef ter revelado que participou ao Ministério Público suspeitas de ilegalidades e irregularidades na contabilidade dos extintos ENVC.

Numa audição no parlamento, no dia 27 de fevereiro, João Pedro Martins falou em “alta corrupção” nos ENVC, dizendo que detetou “muitas situações” irregulares, de “natureza criminal, que foram reportadas às autoridades competentes”.

Anúncio

Desporto

Darque Kayak Clube retira a inscrição de atletas de paracanoagem após ameaças

Do campenato nacional

em

Foto: Divulgação

A Darque Kayak Clube informou este fim de semana que decidiu retirar a inscrição dos seus dois atletas de paracanaogem federados da prova do campeonato nacional de regatas em linha KS1, para que os mesmos não sejam expostos a novas ameaças à sua integridade física, a comentários depreciativos ou injúrias.

Segundo o clube, três atletas portadores de deficiência intelectual, dois técnicos da DKC e um técnico de uma escola para deficiência, foram alvo de um comportamento por parte de um canoista (jovem e alheio à DKC) em maio, ao que tudo indica de ameaça de atropelamento, ao imprimir fortes acelerações e arranques bruscos em direção aos mesmos quando estes saiam do treino de água e se dirigiam ao Centro de Canoagem com os respetivos kayaks em plena passadeira. Foi reportado a quem de direito.

O Darque Kayak Clube, alega que a motivação desta ameaça contra os estes atletas e tecnicos prende-se provavelmente ao facto de quererem impedir que estes atletas participem na prova de paracanoagem, categoria KS1, destinada a atletas com deficiência intelectual no campeonato nacional de regatas em linha do dia 21 de julho de 2019, diz o DKC, em comunicado.

“Tem-se sentido nos últimos tempos a presença deste e outros canoistas alheios à DKC, nas horas, dias e locais de treino destes atletas portadores de deficiência intelectual, bem como à quase dois anos atletas, técnicos e dirigentes tem sido alvo sistemático de comportamentos de ameaças, injúrias e até de ofensas à integridade física”, pode ler-se no texto.

Leia o email enviado à organização do evento:
“Agradecendo a vossa pronta resposta, é nosso entendimento não estarem reunidas as condições mínimas de segurança para a participação dos nossos dois atletas de paracanoagem na categoria KS1, nomeadamente na categoria de deficiência intelectual.

Assim, sem medidas de segurança (ou acréscimo), é nosso entendimento que se poderá repetir o episódio de ameaças à integridade física grave e mesmo ameaças à vida por parte de canoista (s) federados, assim como episódios reiterados de violência no desporto tais como comentários depreciativos, ameaças, injurias…,

Pelo perfil dos nossos atletas não parece razoável submetê-los a tais comportamentos, nem parece razoável manchar uma prova que por si só, pelos seus intervenientes deveria ser mais nobre e consensual e não serem objeto desta componente negativa que está a viver uma parte da náutica de Viana.

Para preservar a integridade física e moral dos atletas portadores de deficiência mental, dos técnicos e dirigentes, bem como não prejudicar o espírito que deverá ser nobre da paracanoagem decidiu-se retirar a inscrição destes dois atletas do campeonato nacional de regatas em linha 2019 KS1”.

Lamentando o sucedido e esperando melhores dias para que exista algum esforço para repor os mais nobres valores da ética desportiva e do desporto sem violência

Continuar a ler

Viana do Castelo

Prédio Coutinho: VianaPolis pode ter manipulado as contas nos últimos nove anos

Segundo reportagem da RTP

em

Foto: O MINHO

O programa ‘Sexta às Nove’ da RTP apresentou uma reportagem tem a empresa pública ‘VianaPolis’ como protagonista. Segundo o programa, as contas terão sido manipuladas nos últimos nove anos.

A empresa que existe apenas para demolir o ‘famoso’ prédio Coutinho em Viana, apresenta anualmente resultados líquidos zero, “através de uma operação contabilística que alegadamente escondeu prejuízos”, revela o ‘Sexta às Nove’.

Confrontada com estes dados pela estação pública, a VianaPolis nega qualquer manipulação e garante que as contas passaram sempre pelo crivo do Ministério das Finanças.

Mas há mais revelações. 34 milhões de euros terão sido o valor gasto pela VianaPolis para tentar demolir o prédio Coutinho. “Só em indemnizações aos moradores foram 15,9 milhões. Mas o impasse mantém-se com vários processos pendentes em tribunal”.

O Sexta às 9 analisou os relatórios e contas da VianaPolis publicados na última década e concluiu: “os resultados líquidos são sempre nulos, o que levanta a suspeita de manipulação de contas para ocultar prejuízos”.

O Ministério das Finanças garantiu ao programa que este mecanismo contabilístico foi autorizado.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Já viu o filme promocional da Romaria d’Agonia?

A Nossa Senhora d’Agonia, em Viana do Castelo, é a maior romaria do país. Em 2019, realiza-se entre 16 e 20 de agosto. Imagens: VianaFestas

em

Festas de Viana do Castelo realizam-se, em 2019, entre 16 e 20 de agosto.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: Romaria d’Agonia >

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares