Seguir o O MINHO

Ponte de Lima

Bloco de Esquerda questiona Governo sobre descargas e construções no rio Lima, em Ponte de Lima

Ministério do Ambiente

em

Foto: Divulgação / Miguel Costa / CM Ponte de Lima / Arquivo

A deputada do Bloco de Esquerda, Maria Manuel Rola, disse, esta terça-feira, à Lusa que vai questionar o Ministério do Ambiente sobre “descargas ilegais” e “intervenções desastrosas”, no rio Lima, em Ponte de Lima, em Viana do Castelo.


Maria Manuel Rola explicou que aquelas “preocupações” resultam de uma reunião que manteve, na semana passada, naquele concelho, com o Movimento para a defesa do Rio Lima (MOLIMA), onde se inteirou “da qualidade da água do rio Lima e seus afluentes, nomeadamente do Labruja”.

“O Bloco de Esquerda (BE) está preocupado com a qualidade da água do rio Lima e dos seus afluentes, devido às sucessivas descargas no rio Labruja e ao mau funcionamento de algumas Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR)”, afirmou.

Referiu ainda que “com ETARs que funcionam mal, com descargas ilegais, com um alegado colapso da indústria da pedra e com intervenções desastrosas na vida corrente do rio Lima, fica dificultada a pesca e o rio artificializado, desnecessariamente”.

Maria Manuel Rola realçou ainda “as construções em leito de cheia, nomeadamente a ciclovia e o estacionamento na zona do areal”, no centro da vila de Ponte de Lima.

“Lamentamos, que a autarquia não dê a importância devida ao rio e às suas margens, transformando-as em parque de estacionamento e construindo uma ecopista que não passa de uma aquapista. O Bloco defende que tem de haver um plano de proteção do rio Lima e seus afluentes, identificando todos os focos de poluição, responsabilizando os infratores, protegendo toda a fauna e flora e devolvendo as margens do rio ao lazer”, sublinhou.

A deputada do BE criticou ainda “a privatização da água, que trará aumentos para os munícipes de Ponte de Lima e para a região e, como temos vindo a perceber pela experiência em outros locais, piorará a qualidade do serviço”, referindo-se à Águas do Alto Minho, empresa detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP) e em 49% por sete municípios do distrito de Viana do Castelo (Arcos de Valdevez, Caminha, Paredes de Coura, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira), que compõem a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Três concelhos do distrito – Ponte da Barca, Monção e Melgaço – reprovaram a constituição daquela parceria.

A nova empresa começou a operar em janeiro, cobrindo “uma área de 1.585 quilómetros quadrados, e está dimensionada para fornecer mais de nove milhões de metros cúbicos de água potável, por ano, a cerca de 100 mil clientes e para recolher e tratar mais de seis milhões de metros cúbicos de água residual, por ano, a cerca de 70 mil clientes”.

Anúncio

Alto Minho

Acidente em Ponte de Lima faz quatro feridos e corta EN204

Colisão

em

Foto: DR / Arquivo

Uma colisão entre dois automóveis na Estrada Nacional 204, em Poiares, Ponte de Lima, causou quatro feridos ligeiros, apurou O MINHO junto de fonte dos bombeiros.

A estrada esteve cortada ao trânsito para remoção dos veículos sinistrados. A circulação foi retomada por volta das 16:00.

As vítimas foram transportadas para o Hospital de Viana.

Os Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima prestaram socorro.

O alerta foi dado às 14:22.

Para o local foram mobilizados oito operacionais apoiados por quatro viaturas.

A GNR registou a ocorrência.

Notícia atualizada às 16h21 com mais informação.

Continuar a ler

Alto Minho

Cinco meios aéreos combatem incêndio que já passou de Ponte de Lima para Viana

Abastecem no rio Lima

em

Foto: Tiago Carvalho

Cinco meios aéreos estão a combater o incêndio que deflagrou na madrugada desta quinta-feira, em Ponte de Lima, e que já alastrou, ao início da manhã, para Carvoeiro, em Viana do Castelo.

Os meios aéreos têm abastecido no rio Lima, como mostra o vídeo cedido a O MINHO e cujas imagens foram capturadas em Viana do Castelo.

De acordo com o CDOS de Viana do Castelo, no local estão neste momento empenhados 76 operacionais e 21 viaturas.

Foto: Tiago Carvalho

Foto: Tiago Carvalho

As chamas tiveram início no lugar de São Sebastião, entre as freguesias de Poiares e Vitorino de Piães.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo, contactada pela Lusa cerca das 10:30, adiantou que o fogo “tem uma frente ativa” e que, “para já, não há habitações em risco”.

A mesma fonte adiantou que o fogo está a ser combatido por 76 bombeiros e 21 viaturas de várias corporações.
Às 10:47, a página oficial da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) referia estarem no terreno 114 operacionais e 28 viaturas a combater as chamas.

Mais de uma centena de concelhos de 14 distritos de Portugal continental apresentam hoje um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em risco máximo estão mais de 100 concelhos dos distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Viseu, Aveiro, Guarda, Coimbra, Leiria, Castelo Branco, Santarém, Portalegre e Faro.

Na quarta-feira, fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) disse à Lusa que todos os distritos de Portugal continental estão em estado de alerta especial laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, devido ao elevado risco de incêndio rural.

O estado de alerta especial laranja, que determina o reforço da monitorização e o grau de prontidão do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), significa que o grau de risco é elevado e que se está numa “situação de perigo, com condições para a ocorrência de fenómenos invulgares que podem causar danos a pessoas e bens, colocando em causa a sua segurança”.

Segundo a ANEPC, estão previstos para os próximos dias uma subida gradual da temperatura máxima, noites tropicais, baixa humidade relativa do ar e vento fraco a moderado.

No aviso à população, a ANEPC recorda que, até 30 setembro, é proibido fazer queimas e queimadas, usar fogareiros e grelhadores em todo o espaço rural, fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais, lançar balões de mecha acesa e foguetes e fogo-de-artifício.

A Proteção Civil refere ainda que é proibido fumigar ou desinfestar apiários e usar motorroçadoras, corta-matos e destroçadores nos dias de risco máximo de incêndio.

Notícia atualizada às 11h04.

Continuar a ler

Alto Minho

BMW que vale um milhão desaparecido em Ponte de Lima foi recuperado em Lisboa

Clássico

em

Foto: ACP Clássicos

Foi recuperado em Lisboa, na tarde desta segunda-feira, o clássico BMW modelo 328 do ano de 1939 que tinha sido dado como roubado de uma coleção particular situada em Ponte de Lima.

“Já apareceu”, confirmou a O MINHO Pedro Lopo Carvalho, filho da proprietária, que lançara um apelo nas redes sociais, agradecendo “a grande ajuda da GNR de Ponte de Lima, da PSP e do Facebook, que foi uma grande mais-valia”.

BMW que vale um milhão de euros roubado de garagem em Ponte de Lima

A viatura foi localizada numa garagem em Lisboa, confirmou O MINHO junto de fonte oficial do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa, acrescentado que “a situação está em desenvolvimento”.

A mesma fonte revelou que não se tratará “de um verdadeiro roubo, mas de questões familiares”.

De acordo com o departamento de Clássicos do ACP, o departamento histórico da BMW em Munique já tinha sido alertado para o desaparecimento da viatura, uma vez que existem apenas cerca de 400 exemplares deste modelo.

BMW de um milhão de euros “é da minha mãe e assim será”, diz membro da família

Numa breve pesquisa em sites de leilões deste tipo de automóveis, é possível ver diferentes preços, variando entre os 500 mil e o milhão de euros.

O modelo, que atingia os 135 quilómetros horários, foi fabricado entre os anos de 1936 e 1940, tendo sido produzidas 434 unidades. Tem motor de seis cilindros com 80 cavalos de potência.

Continuar a ler

Populares