Seguir o O MINHO

Futebol

SC Braga perde 6-2 na Luz

em

O Benfica venceu hoje o SC Braga por 6-2, na 14.ª jornada da I Liga de futebol, num jogo que dominou por completo e em que conseguiu aliar o resultado ‘gordo’ a uma exibição de ‘encher o olho’.

Com este triunfo, o Benfica sobe provisoriamente ao segundo lugar da classificação, com 32 pontos, enquanto o Sporting de Braga cai para o quarto lugar, mantendo os mesmos 30 pontos com que entrou no Estádio da Luz.

O primeiro golo da partida surgiu ao minuto 19, por Pizzi, e Jardel aumentou a vantagem aos 39. Já na segunda parte, aos 48, Grimaldo fez o 3-0, e Dyego Sousa reduziu para 3-1 à passagem do minuto 51. O Benfica voltou ‘à carga’ por Jonas, que fez o 4-1 aos 54, e Cervi colocou o resultado em 5-1 ao minuto 63. Quatro minutos depois, aos 67, André Almeida fez o melhor golo da noite, num pontapé indefensável de fora da área, e coube a João Novais fechar o resultado em 6-2, quando o cronómetro marcava 73 minutos.

O Benfica entrou melhor no encontro e desde cedo tomou conta da iniciativa de jogo. Mais expectante, o Sporting de Braga ia controlando os espaços dados aos criativos do Benfica e impediu lances de perigo no primeiro quarto de hora.

Aos 19 minutos surgiu o primeiro lance de golo do encontro, com Jonas a aparecer sozinho na pequena área bracarense, mas a desperdiçar com um remate totalmente desenquadrado. Contudo, o lance seguiu, a bola chegou a Pizzi e o médio, a partir da ala esquerda, fletiu para o meio e rematou para o poste mais longe. Tiago Sá bem se esticou, mas não teve hipótese de parar o remate do 21 do Benfica. Estava feito o 1-0.

O Sporting de Braga ‘acordou’ então para o jogo e pôs o Benfica em sentido. Aos 24 minutos, Fransérgio bateu a dupla Gedson-Fejsa e disparou um míssil para a baliza de Vlachodimos, que contou com a trave para evitar o empate.

O Braga estava por cima no jogo e teve mais três possibilidades de empatar o jogo: aos 25, Pablo cabeceou pouco ao lado do poste na sequência de um lançamento de linha lateral, no minuto seguinte, Dyego Sousa arrancou pelo flanco direito e rematou à malha lateral da baliza ‘encarnada’, e aos 34 uma enorme defesa de Vlachodimos impediu a festa bracarense a remate de Horta, já na pequena área.

Não marcaram os arsenalistas e o Benfica chegou ao 2-0. Aos 39 minutos, na marcação de um canto, Jardel chegou com a cabeça onde Tiago Sá não conseguiu chegar com as mãos e atirou a contar. Os minhotos ainda pediram falta sobre o guarda-redes, mas o VAR validou o golo das ‘águias’.

Se a primeira parte já tinha sido intensa, que dizer do recomeço de jogo. Logo aos 48, Grimaldo isolou-se na esquerda do ataque ‘encarnado, tentou servir Jonas, mas um corte deficiente da defesa do Sporting de Braga voltou a colocar a bola nos pés do espanhol, que não se fez rogado e de pé direito desfeiteou Tiago Sá pela terceira vez.

O jogo estava eletrizante e o Sporting de Braga respondeu pelo inevitável Dyego Sousa. Aos 51 minutos, Sequeira descobriu o avançado livre de marcação na área das ‘águias’ e o cabeceamento do brasileiro não deu hipóteses a Vlachodimos, colocando o resultado em 3-1.

Podia ter sido o estímulo que faltava à equipa de Abel Ferreira para reentrar na luta pelo resultado, mas o Benfica não permitiu e, apenas três minutos depois, aos 54, Jonas quis também colocar o seu nome na folha de marcadores do encontro. A jogada teve o toque de classe de Gedson, que num passe magistral isolou Cervi, e o argentino colocou a bola numa bandeja para Jonas fazer o 4-1 e o seu sexto golo no campeonato.

O brasileiro saiu de seguida para a ovação da noite, deu lugar a Seferovic, mas a produtividade dos encarnados não diminuiu: na primeira vez em que tocou na bola, o suíço desmarcou Zivkovic, o sérvio cruzou rasteiro para o centro da área minhota e Cervi disparou para o 5-1.

O Benfica não abrandava e o Sporting de Braga desmoronou-se por completo. A equipa de Rui Vitória dominava a seu belo prazer e o momento da noite chegou ao minuto 67, num golo magistral de André Almeida: à entrada da área, o lateral direito do Benfica apanhou a bola a meia altura e de pé esquerdo atirou ao ângulo superior direito da baliza de Tiago Sá, que nem se fez à bola.

O SC Braga ainda reduziu por João Novais, aos 73 minutos, num lance em que a defesa do Benfica concedeu muito espaço, mas há muito que estava encontrado o vencedor do encontro.

Anúncio

Desporto

Todos os jogos internacionais marcados para junho estão adiados

Covid-19

em

Foto: Divulgação / FPF

Um grupo de trabalho da FIFA recomendou hoje o adiamento de todos os jogos internacionais marcados para junho, devido à pandemia de covid-19, a mais forte de um conjunto de recomendações aprovadas por unanimidade.

Em comunicado, o organismo de cúpula do futebol mundial esclarece que este grupo é composto por membros diretivos da própria FIFA e de todas as federações continentais, que aprovaram por unanimidade esta medida.

Na quarta-feira, a UEFA já tinha anunciado esta tomada de posição para o futebol europeu, desde março suspenso de forma generalizada, numa decisão que abrange o futebol masculino e feminino durante todo o mês de junho.

O grupo de trabalho decidiu ainda que cada federação continental deve nomear “alguém que possa coordenar as discussões” em torno da criação de um fundo de emergência para apoiar clubes e ligas em dificuldades devido aos efeitos da pandemia.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 54 mil. Dos casos de infeção, cerca de 200.000 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia, e o continente europeu é neste momento o mais atingido, com cerca de 560 mil infetados e perto de 39 mil mortos.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 17 de abril, registaram-se 246 mortes e 9.886 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Continuar a ler

Desporto

FIFA recomenda manter critérios de idade para Tóquio2020 em 2021

Futebol

em

Foto: fifa.com / DR

Um grupo de trabalho criado pela FIFA para analisar e fazer recomendações sobre o futebol face à pandemia de covid-19 posicionou-se hoje pela manutenção dos critérios de idade para o torneio dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, adiados para 2021.

Em comunicado, o grupo que inclui líderes federativos da própria FIFA e das federações continentais considerou que os critérios se mantenham, o que permitirá a jogadores nascidos em 01 de janeiro de 1997 ou mais tarde disputar o torneio, mesmo que já tenham cumprido 24 anos.

Os países apurados para o torneio, nos quais não se encontra Portugal, podem nomear três jogadores acima dos 23 anos para participar, mas, com esta recomendação, poderiam também ser utilizados jogadores de 24 anos que tenham participado no apuramento através de outros escalões etários, como o Europeu de sub-21, no caso da Europa.

A decisão final caberá sempre ao Comité Olímpico Internacional, que em março decidiu, em conjunto com o Governo do Japão e o Comité Organizador dos Jogos, adiar a competição para 2021.

O grupo de trabalho criado pelo Conselho FIFA reuniu-se hoje pela primeira vez, tendo recomendado o adiamento de todos os jogos internacionais marcados para junho, e discutido o possível adiamento do Mundial de futsal, marcado para setembro na Lituânia.

Qualquer decisão sobre o torneio será tomada em breve, enquanto o Mundial sub-20 de futebol feminino foi adiado, depois de estar marcado para agosto e setembro de 2020 no Panamá e Costa Rica, assim como o mundial sub-17, marcado para novembro na Índia.

Foi ainda decidido criar um subgrupo de trabalho que possa encontrar novas datas para todos os encontros e torneios adiados no mundo do futebol sob a alçada da FIFA.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 54 mil. Dos casos de infeção, cerca de 200.000 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia, e o continente europeu é neste momento o mais atingido, com cerca de 560 mil infetados e perto de 39 mil mortos.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 17 de abril, registaram-se 246 mortes e 9.886 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Continuar a ler

Futebol

UEFA: É “prematuro” e “injustificado” terminar campeonatos

Covid-19

em

Foto: UEFA (Arquivo)

A UEFA considera ser “prematura” e “injustificada” a decisão de suspender em definitivo qualquer liga nacional, cuja esmagadora maioria está suspensa provisoriamente devido à pandemia da covid-19.

Em carta dirigida a federações, ligas e clubes, a que a AFP teve acesso, a UEFA diz-se “confiante” no regresso à atividade das provas nacionais “nos próximos meses”, em contraponto com o que foi decidido pela Liga belga, que recomendou o fim do campeonato principal da época 2019/20.

A mensagem da UEFA, assinada pelo presidente Aleksander Ceferin, é apresentada conjuntamente com a Associação Europeia de Clubes e a Associação de Ligas Europeias.

“Pensamos que qualquer decisão de abandonar as competições domésticas é, neste momento, prematura e injustificada”, refere a carta, com a UEFA a esperar que os campeonatos se possam concluir, mas também as competições europeias, em julho ou agosto.

A Liga belga decidiu na quinta-feira recomendar o fim da época 2019/20 com a classificação atual – o que fará do Club Brugge campeão -, uma decisão que terá ainda que ser ratificada em assembleia geral, em 15 de abril.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 51 mil. Dos casos de infeção, cerca de 190.000 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia, e o continente europeu é neste momento o mais atingido, acima de 525 mil infetados e de 37 mil mortos.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 17 de abril, registaram-se 209 mortes e 9.034 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito na quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Populares