BE lembra Timor para voltar a acusar Governo de cobardia e hipocrisia sobre Palestina

Mariana Mortágua exige reconhecimento do estado palestino
Foto: Lusa

 A coordenadora do BE lembrou hoje o papel de Portugal no processo de independência de Timor-Leste para voltar a acusar o Governo de hipocrisia e cobardia por ainda não ter reconhecido o estado da Palestina.

“A posição de que Portugal não pode tomar uma posição, não pode tomar uma voz autónoma e determinada na comunidade internacional porque tem de esperar por outros, é uma posição cobarde. O que é que Portugal fez com o Timor? Não foi Portugal que liderou a comunidade internacional em nome da independência do povo timorense? E não nos orgulhou enquanto país e enquanto povo termos liderado esse movimento pela independência de Timor?”, questionou Mariana Mortágua.

A coordenadora bloquista falava aos jornalistas depois de uma reunião com o chefe da missão diplomática da Palestina em Lisboa, Nabil Abuznaid, cujo mandato termina em setembro e se mostrou esperançoso de que o Governo português reconheça o estado da Palestina em breve.

Interrogada sobre a posição do executivo minoritário PSD/CDS-PP que tem priorizado um papel de mediação face ao conflito ao invés do reconhecimento, Mariana Mortágua respondeu que “com toda a franqueza, Portugal não está a moderar absolutamente nada”.

“A posição portuguesa não passa de uma posição cobarde, hipócrita, porque não tem coragem de reconhecer na comunidade internacional aquilo que tantos países já estão a reconhecer, que é que a Palestina tem direito à sua autodeterminação”, acusou.

Aos jornalistas, o chefe da missão diplomática da Palestina em Lisboa, Nabil Abuznaid, manifestou esperança de que o Governo português avance com o reconhecimento antes do termo do seu mandato, em setembro, afirmando que Portugal “tem todas as condições” para o fazer hoje.

Nabil Abuznaid disse acreditar que a população portuguesa é a favor do reconhecimento do estado da Palestina e afirmou que recentemente no aeroporto uma agente da polícia olhou para o seu passaporte e disse: “Espero que o meu país reconheça a Palestina em breve”.

“Este é o apoio do povo português de que precisamos. E tenho a certeza e espero que o Governo leve a sério este sentimento do povo em relação à Palestina”, apelou.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Livro reúne letras escritas por Tim em quase 50 anos de carreira

Próximo Artigo

Mais de metade dos ciganos diz já ter sofrido discriminação em Portugal

Artigos Relacionados
x