Seguir o O MINHO

Cávado

Barcelos: Mulher esmagada por trator

em

Uma mulher morreu no início da noite de quarta-feira, após ter sido esmagada pelo rodado de um trator que triturava espigas.

De acordo com o Blastingnews, Angelina Ferreira, de 54 anos, estaria “agachada a apanhar espigas quando foi atingida pelo reboque do trator”.

O condutor, um homem de 39 anos, de Tamel, Santa Eulália, não deu pela presença de Angelina Ferreira e continuou a manobra, esmagando a mulher com o rodado.

O Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Braga está a investigar o caso.

No local, estiveram presentes os Bombeiros Voluntários de Viatodos, a Cruz Vermelha Portuguesa de Macieira de Rates e a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Hospital de Vila Nova de Famalicão.

Apesar dos esforços, o óbito acabou por ser declarado no local.

Anúncio

Barcelos

Oposição na Câmara de Barcelos abandona reunião à chegada do presidente

PSD pede eleições intercalares

em

Imagem via Barcelos Popular

Os cinco vereadores da oposição na Câmara de Barcelos recusaram-se esta sexta-feira a participar na reunião do executivo, por duvidarem da legalidade de a mesma se realizar sem ser permitida a presença na sala de quaisquer funcionários municipais.

A reunião de voltou a ser presidida pelo presidente da Câmara, Miguel Costa Gomes (PS), que está impedido pelo tribunal de contactar com os funcionários do município, uma medida de coação aplicada no âmbito da Operação Teia.

“Temos sérias e fundadas dúvidas de como pode decorrer uma reunião que impeça a presença de funcionários municipais, mesmo que seja necessário algum esclarecimento técnico, ou, no caso de uma reunião pública como a de hoje, em que os mesmos funcionários não possam participar na qualidade de cidadãos”, refere uma declaração política apresentada pelos três vereadores do PSD.

Os social-democratas acrescentam que não participarão na reunião “até ser dada prova cabal da possibilidade legal de a mesma ocorrer nestes moldes”, afirmando que a solução para a Câmara passa pela realização de eleições intercalares.

O vereador do CDS também questionou a legalidade da situação e sublinhou a “anormalidade” que diz reinar na Câmara de Barcelos.

António Ribeiro desafiou Costa Gomes a suspender o mandato enquanto decorrer o processo judicial em que é arguido.

Já o vereador do movimento independente Barcelos, Terra de Futuro (BTF), Domingos Pereira, disse que com a atual situação “não há condições políticas objetivas” para que os membros do executivo possam continuar a exercer o seu mandato.

Disse ainda que está a fazer “uma avaliação pessoal” para decidir se continuará como vereador ou se suspenderá ou renunciará ao mandato.

A cada um dos vereadores que foi saindo da sala, o presidente da Câmara limitou-se a dizer que lhes seria marcada falta injustificada.

No final, aos jornalistas, Costa Gomes sublinhou que “não há qualquer impedimento legal” para que possa continuar o exercício do seu mandato.

Disse que tem apenas a “limitação” de não poder contactar com os funcionários, pelo que foi feito um ajustamento para ultrapassar esse constrangimento.

No âmbito da Operação Teia, Miguel Costa Gomes estava em prisão domiciliária desde 03 de junho, indiciado dos crimes de corrupção passiva e de prevaricação.

O juiz de instrução criminal proibiu-o ainda de quaisquer contactos com funcionários municipais.

Recorreu para a Relação que, na última semana, determinou a restituição de Costa Gomes à liberdade, impondo-lhe a prestação de uma caução de 20 mil euros.

No entanto, manteve a proibição de contactos com funcionários.

Na Operação Teia, e além de Costa Gomes, são ainda arguidos o entretanto demissionário presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto, e a mulher, a empresária Manuela Couto.

O outro arguido é o ex-presidente do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto Laranja Pontes, que entretanto se reformou.

Manuela Couto também esteve em prisão domiciliária, mas a pulseira eletrónica foi-lhe igualmente retirada na semana passada.

O processo está relacionado com alegados favorecimentos às empresas de Manuela Couto por parte do município de Barcelos e do IPO/Porto, a troco de favores políticos conseguidos por Joaquim Couto.

Hoje, Costa Gomes reafirmou que a sua “consciência está tranquilíssima” e que aguarda o desenrolar do processo de forma “serena, confiante e tranquila”.

“Não fiz nada daquilo que lá está”, referiu.

Continuar a ler

Barcelos

Incêndio em prédio de Barcelos mobiliza 13 bombeiros

Arcozelo

em

Foto: DR/Arquivo

Um incêndio habitacional num prédio mobilizou vários meios, ao início da noite desta quinta-feira, em Arcozelo, cidade de Barcelos.

Segundo fonte da Associação Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), estiveram no local 13 operacionais apoiados por cinco viaturas de combate a incêndios urbanos.

Apesar do susto, registaram-se apenas danos materiais.

A PSP registou a ocorrência.

Continuar a ler

Cávado

PS/Esposende acusa câmara de esbanjar dinheiro ao arrendar edifício do pai de um autarca

“O dono do prédio deve estar a esfregar as mãos de contente”

em

Foto: Divulgação / CM Esposende

O PS de Esposende acusou esta quinta-feira a Câmara local (PSD) de “esbanjar dinheiro público” com o dossier do Centro de Negócios, nomeadamente com o arrendamento de um edifício propriedade do pai de um presidente de junta social-democrata.

Em comunicado, o PS diz que em causa está um negócio “ruinoso”, com o pagamento, desde há quase três anos, de uma renda “elevadíssima”, que começou por 5 mil euros mensais e que foi entretanto atualizada para 5.500.

Agora, a Câmara está a investir quase 219 mil euros no prédio, para o adaptar a Centro de Negócios.

“O dono do prédio deve estar a esfregar as mãos de contente”, refere.

O PS frisa ainda que, antes do arrendamento do prédio para a instalação do Centro de Negócios, a Câmara, há seis anos, comprou, por mais de 600 mil euros, um terreno para o mesmo efeito.

O PS sublinha que, além de aquele ser um preço “elevadíssimo”, o terreno, ao longo de seis anos, ainda só serviu para “crescer vegetação e para instalar circos que visitam Esposende”.

“Há proprietários de terrenos e senhorios com muita sorte”, acrescenta o comunicado socialista.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara, Benjamim Pereira, disse que o edifício arrendado se situa no centro da cidade e tem 750 metros quadrados, sublinhando que a renda foi fixada em função de uma avaliação.

Disse ainda que, na altura, o filho do dono de prédio ainda não era presidente de junta “nem era sequer previsível” que viesse a ser candidato.

“A melhor maneira que o PS encontra para disfarçar o que se passa no Governo é falar das autarquias PSD”, referiu.

Disse ainda que desde junho de 2018 que a Câmara não paga “um único cêntimo de renda”, uma situação que se manterá até janeiro de 2020.

Benjamim Pereira garantiu que o arrendamento será provisório, já que continua nos planos da Câmara a construção de instalações para o Centro de Negócios no terreno comprado há seis anos.

Uma obra que deverá custar “entre dois a três milhões de euros”, estando a Câmara à espera de uma oportunidade para avançar com uma candidatura a fundos comunitários.

Segundo explicou, a Câmara “foi aconselhada” a avançar, entretanto, com o Centro de Negócios, para que o equipamento venha a ser mais facilmente elegível numa futura candidatura.

“É um equipamento absolutamente fundamental para o concelho, designadamente para apoiar o empreendedorismo”, referiu, adiantando que o centro deverá abrir em janeiro.

Garantiu que, no terreno reservado para o Centro de Negócios, “não houve nem nunca haverá circo”.

“Circo é o que o PS está a fazer com esta questão”, criticou.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares