Seguir o O MINHO

Alto Minho

“Avelino da Pensão”. O ‘último dos moicanos’ do Alto Minho a cair nas malhas da justiça

Crime

em

Santo António de Val de Podros. Foto: CM Monção / Divulgação

“Avelino da Pensão”, recapturado esta semana pela GNR, em Valença, foi o “último dos moicanos”, isto é, de toda uma geração de cadastrados do Alto Minho, ligados ao tráfico de droga, a cair nas malhas da justiça, depois de em menos de um ano terem sido já detidos José Cruz Ribeiro da Silva (“Castanho”) e Paulo Moreira Bonifácio ( “Paulo Biscoito”).

O cadastrado Avelino Rodrigues Alves, mais conhecido por “Avelino da Pensão”, que se encontrava fugido às autoridades judiciais, há já cerca de 18 anos, foi detido em Valença, pela GNR, estando já a cumprir uma pena de 14 anos e meio, por tráfico de drogas duras.

“Avelino da Pensão”, de 62 anos, deixou de comparecer ao seu julgamento, no início da década de 2000, quando se apercebeu que iria ser fortemente condenado, uma vez que as investigações da Polícia Judiciária de Braga, incluindo-se escutas telefónicas, vigilâncias e seguimentos, o comprometiam, como aos dois comparsas, um português e um espanhol.

Em causa estavam crimes de tráfico de drogas duras, em que Avelino seria o fornecedor de heroína e cocaína, a um empresário de Joane, Vila Nova de Famalicão, que já então se encontrava preso, sendo a droga entregue por um distribuidor de bacalhau do Alto Minho.

Sabe-se que nos últimos anos o foragido andava alternadamente entre o Minho e a Galiza, tendo cavalos e garranos, os primeiros dos quais numa propriedade, em Santo António de Vale de Poldros, concelho de Monção, tendo-se dedicado a vários negócios, os primeiros dos quais, ainda antes da condenação, o câmbio de pesetas por escudos, até surgir o euro.

Segundo apurou O MINHO, foi precisamente nessas trocas de escudos por pesetas que o agora recapturado “Avelino da Pensão” começou a conhecer alguns narcotraficantes, pois estes faziam com ele o câmbio antes de atravessarem de Portugal para Espanha, onde iam abastecer-se de drogas duras (heroína e cocaína), para abastecerem o mercado português.

Por razões de segurança, só sexta-feira foi revelada a detenção de “Avelino da Pensão”, que ocorreu esta quarta-feira, a partir de informações tratadas pelo Núcleo de Investigação Criminal e outras valências do Destacamento Territorial e do Posto Territorial da GNR de Valença, cujo comandante desta mesma zona de ação da GNR é o capitão Ivo Morais.

Avelino foi transportado pelo Destacamento de Intervenção da GNR de Viana do Castelo, para o Estabelecimento Prisional de Vale do Sousa, em Paços de Ferreira, onde começou a fazer um período de quarentena por questões preventivas relacionadas com a pandemia.

“Castanho”, “Paulo Biscoito” e “Avelino da Pensão”

Em menos de um ano, mais concretamente entre março de 2021 e janeiro de 2020, foram já detidos José Cruz Ribeiro da Silva (“Castanho”), Paulo Moreira Bonifácio (“Paulo Biscoito”) e Avelino Rodrigues Alves (“Avelino da Pensão”), todos eles do Alto Minho.

José Cruz Ribeiro da Silva (“Castanho”), de 70 anos, outro famoso cadastrado, ainda do Alto Minho, por tráfico de droga, foi detido a 5 de março de 2021, pela PJ de Braga, em Ponte de Lima, em rara aparição pela via pública, cumprindo ainda pena de prisão efetiva.

Paulo Moreira Bonifácio (“Paulo “Biscoito”), de 63 anos, com passado por tráfico de droga, mas com um mandado de detenção por assaltos a bancos, um dos quais o Santander das Fontainhas, em Balazar, na Póvoa de Varzim, foi detido em 17 de novembro de 2021, à saída do Cemitério de Castelo de Neiva, após o funeral do seu irmão, cumprindo a pena.

Populares