Seguir o O MINHO

Esposende

Avança a obra de requalificação da Escola Secundária de Esposende

Construída há 37 anos.

em

Foto: Divulgação

Inicia-se, dentro de dias, a obra de requalificação e ampliação da Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina, de Esposende. Trata-se – diz a Câmara Municipal – da primeira intervenção de fundo desta que é a única escola secundária do concelho, construída há 37 anos.

Com um custo de 2,2 milhões de euros e prazo de execução de 630 dias, a intervenção será executada no âmbito de um acordo entre o Município e o Ministério da Educação e Ciência.

Projeto da Escola. Foto: Divulgação

Assim, a obra será financiada por fundos comunitários em 1,88 milhões de euros, através do Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da Comunidade Intermunicipal do Cávado (CIM Cávado), sendo a contrapartida pública nacional, de 332 mil euros, correspondente a 15% do valor da obra, suportada, em partes iguais, pela Autarquia e pelo Ministério da Educação e Ciência.

Fim do fibrocimento

O projeto, da autoria do arquiteto Marques Franco, “prevê a substituição das coberturas em fibrocimento, bem como a demolição do bloco oficinal”. Assim, será construído de raiz um novo edifício que marca a entrada da escola, interligando os diferentes edifícios. Este novo edifício contempla, para além de espaço interior e exterior de receção, uma sala de projeção, biblioteca, secretaria e arquivo.

Ampliar o refeitório

Esta intervenção – acrescenta o Gabinete de Comunicação municipal – “contempla ainda a ampliação do refeitório, bem como do salão polivalente, prevendo, ainda, a requalificação dos sanitários”.

Pela sua ligação com a entrada principal, o novo auditório e biblioteca pretendem também responder às solicitações do exterior. A biblioteca foi pensada de modo a permitir a aprendizagem em vários suportes. Na entrada está prevista uma receção dotada de instalações sanitárias.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Esposende

Um dos maiores grupos de samba do Brasil dá concerto em Ofir

No Pacha

em

Foto: DR

O Grupo Revelação, um dos mais conhecidos do segmento do samba e pagode do Brasil, vai dar um concerto no dia 27 de julho no Pacha Ofir, no concelho de Esposende.

Êxitos como “Deixa Acontecer”, “Sina”, “Saudade do Amor”, “Coração Radiante”, “Grades do Coração”, são alguns dos temas que o Grupo toca no espetáculo ao vivo.

O concerto já vai contar com o novo vocalista, Jhonatan Alexandre, sobrinho de Xande de Pilares, que esteve no grupo entre 1991 e 2014. Os bilhetes ainda não estão à venda.

Continuar a ler

Esposende

Esposende combate lagarta do pinheiro nas escolas

em

Foto: DR

O Município de Esposende procedeu, durante o mês de janeiro, à intervenção de abate das espécies hospedeiras da lagarta do pinheiro nos estabelecimentos concelhios de ensino básico, na medida em que a contenção da praga por via das metodologias preventivas se demonstrou, nesta fase, já não ser suficientemente eficaz.

A lagarta do pinheiro é o principal inseto desfolhador dos pinheiros e cedros em Portugal e o seu nome advém-lhe do facto de constituir longas procissões de lagartas que se dirigem das árvores para o solo, onde irão crisalidar.

Nos últimos anos, e provavelmente com direta relação com as alterações climáticas, têm-se observado ataques de elevada intensidade desta praga, e, em ambiente urbano, impõe-se uma vigilância constante e combate urgente dadas as consequências que pode trazer em termos de saúde pública.

O contacto físico direto com as lagartas deve ser sempre evitado, pois possuem pelos urticantes que podem causar graves reações alérgicas no Homem e animais. Também a inalação terá os mesmos efeitos, de entre os quais se indica a urticária, com registo de irritações na pele (geralmente ardor, comichão e manchas avermelhadas na pele), irritações nos olhos (olhos avermelhados, inchados e com comichão), e alterações no aparelho respiratório (dificuldade respiratória).

Para evitar a propagação desta praga, deixa-se um alerta geral à população para que as situações de natureza privada sejam devidamente tratadas pelos respetivos proprietários dos terrenos/árvores, nunca descurando as questões de segurança, nomeadamente devendo ser utilizadas luvas máscara e óculos durante o processo de remoção das lagartas e de sua queima.

Continuar a ler

Esposende

Esposende atua contra degradação de imóveis

em

Foto: Divulgação/CM Esposende

O Município de Esposende anunciou que tem vindo a proceder ao levantamento dos prédios urbanos degradados existentes no concelho, no sentido de garantir a sua conservação e manutenção obrigatórias.

Em causa estão as edificações em estado de degradação, em risco de ruína ou que, por questões de salubridade, possam constituir perigo para a saúde pública.

“Não obstante a legislação determinar a realização de obras de conservação dos edifícios pelo menos uma vez em cada período de oito anos e de permitir o agravamento da taxa do IMI, vão subsistindo situações em os edifícios atingem um grau de degradação acentuado obrigando a Câmara Municipal a intervir. Assim, com base na avaliação de cada situação mediante a realização de uma vistoria, a Autarquia define o tipo de intervenção a realizar e estipula o prazo de execução das obras de conservação necessárias à melhoria do arranjo estético dos edifícios em caixa, medidas que são sempre sujeitas à aprovação do executivo municipal”, explica a Câmara, em comunicado.

Por esta via, o Município pretende evitar que os edifícios cheguem a um estado de degradação irreversível, acautelando também possíveis ocorrências que possam colocar em perigo as pessoas.

Benjamim Pereira, presidente da Câmara, refere que “frequentemente, o Município vê-se obrigado a notificar os proprietários para efetuarem este tipo de intervenções, tal é o estado a que deixam chegar os seus imóveis”, acrescentando que “além da questão estética, que em nada favorece a imagem que queremos para o nosso concelho, é, sobretudo, o aspeto da segurança de pessoas e bens que está em causa”.

O autarca lembra que, no âmbito do PARU – Plano de Ação de Regeneração Urbana, os proprietários com imóveis nas zonas urbanas de Apúlia, Esposende, Fão e Marinhas poderão beneficiar de incentivos para obras de requalificação, para além da isenção de taxas.

Continuar a ler

Populares