Seguir o O MINHO

Barcelos

Barcelos perde deputado para Famalicão

em

Nuno Sá, candidato à presidência da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, foi chamado pelo Grupo Parlamentar do Partido Socialista para assumir as suas funções de deputado à Assembleia da República eleito pelo Círculo de Braga, revelou fonte da candidatura.


Nuno Sá (PS) é candidato à Câmara Municipal de Famalicão. DR

Esta chamada de Nuno Sá surge na sequência da renúncia ao mandato do deputado Domingos Pereira, que é candidato à Câmara Municipal de Barcelos, contra o candidato escolhido pelo Partido Socialista naquela cidade, o atual presidente da Câmara, Miguel Costa Gomes.

Domingos Pereira renunciou ao mandato na Assembleia da República. DR

Nuno Sá tomou posse como deputado do PS nesta sexta-feira, no Palácio de São Bento, em Lisboa, tendo já participado nos trabalhos parlamentares desse dia. É um regresso à atividade parlamentar no Palácio de S. Bento, onde o político famalicense já trabalhou como deputado entre 2005 e 2015.

“Estaria mais confortável na minha carreira profissional na Autoridade para as Condições do Trabalho e na minha vida pessoal e familiar feliz e tranquila, mas entendi aceitar o mandato de deputado porque não podia virar as costas aos eleitores de Famalicão e do distrito de Braga que também votaram em mim”, explicou Nuno Sá, que só aceitou ser deputado depois de verificar que esse compromisso não iria afetar a sua condição de candidato à presidência do município de Vila Nova de Famalicão.

“Vou trabalhar nas minhas funções de deputado com muita honra e muito entusiasmo, respondendo ao compromiso assumido com os eleitores do distrito de Braga. É mais uma oportunidade de servir o meu país, o meu distrito de Braga e o meu concelho, que é Vila Nova de Famalicão, onde, também com muita honra, aceitei o desafio estimulante de ser candidato à Presidência da Câmara Municipal”, afirma Nuno Sá, assumindo desde já o compromisso de ser presidente da Câmara caso vença as eleições autárquicas do próximo dia 1 de outubro.

“Não estarei com um pé em Lisboa e outro em Famalicão. Entre Famalicão e Lisboa, escolho sempre Famalicão”, adianta Nuno Sá, cuja decisão de aceitar as funções de deputado à Assembleia da República nesta altura não foi nada fácil.

Primeiro “outdoor” da campanha de Nuno Sá. DR

Com a pré-campanha a decorrer em bom ritmo desde a noite de 24 para 25 de abril, quando anunciou nas redes sociais o “Orgulho de ser Famalicense” como “slogan” do seu primeiro outdoor, o candidato socialista tinha a sua ocupação profissional garantida na ACT – Autoridade para as Condições do Trabalho, organismo público onde trabalhava como alto quadro superior jurista.

O trabalho de Nuno Sá na pré-campanha famalicense, de resto, não tem passado despercebido às cúpulas socialistas. Recentemente, numa Convenção Autárquica do PS realizada em Vila Nova de Gaia, Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta e coordenadora do PS para as eleições autárquicas, sublinhou o seu otimismo relativamente ao candidato famalicense, tendo afirmado que “Nuno Sá foi uma grande escolha para o futuro do PS em Vila Nova de Famalicão”.

Também João Soares, um histórico portador do simbolismo de ser filho de um grande fundador do partido, foi a Vila Nova de Famalicão apoiar o candidato nas comemorações dos 43 anos do 25 de Abril, tendo realçado que “Nuno Sá é um homem de cultura, sério, rigoroso e trabalhador, capaz de criar uma dinâmica ganhadora e de sucesso em prol de uma cidade e de um concelho melhores”.

Nuno Sá, de 41 anos, casado e pai de um filho, é licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa,  diplomado Especialista em Direito – Ciências Jurídico-Financeiras e mestrando pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Participou em diversos seminários e conferências académicas, nacionais e internacionais, na área do direito financeiro e do direito do trabalho, tendo estudos realizados nestas áreas como por exemplo o trabalho intitulado “Os Princípios Constitucionais da Capacidade Contributiva, da Igualdade e do Estado Unitário na Lei das Finanças Locais”.

Anúncio

Barcelos

Barcelos aprova concurso público para recuperar escola da Pousa

Obras públicas

em

Foto: Divulgação

A Câmara de Barcelos aprovou hoje a abertura do concurso público para a requalificacão da Escola Básica/Jardim de Infância da Pousa.

O concurso público para a requalificação e ampliação das instalações da EB1/JI da Pousa tem o valor base de 1,3 milhões de euros, integralmente assumido pelo orçamento municipal.

A intervenção incidirá sobre o edifício “Plano dos Centenários”, com a requalificação do edificado e a ampliação necessária à organização dos espaços educativos, ressalvou.

A requalificação da Escola da Pousa é uma reivindicação antiga da comunidade escolar, que já realizou vários protestos nesse sentido.

Requalificação da escola de Pousa, em Barcelos, prevê desativação do edifício com amianto

As queixas são de falta de condições dos edifícios, que estão degradados, e da existência de amianto num deles.

Os pais e encarregados de educação exigem obras há cerca de 15 anos.

Recentemente, quando o governo anunciou o programa para a retirada de amianto das escolas, que abrange 578 estabelecimentos de ensino, os pais e encarregados de educação da Pousa criticaram o facto de aquele estabelecimento de ensino não constar da lista.

A Câmara esclareceu a O MINHO que o projeto de requalificação da EB1 / JI da Pousa prevê a desativação do edifício que tem aquele material cancerígeno.

Ou seja, a EB1/JI de Pousa é constituída por dois edifícios, ambos degradados, um com mais de 50 anos, do plano dos centenários, que será requalificado e ampliado, e outro com cerca de 40, que tem a cobertura de amianto e deixará de ser utilizado.

A Câmara de Barcelos também aprovou hoje a abertura do concurso público da “Recuperação e remodelação da Casa Conde de Vilas Boas”, com o valor de 2,6 milhões.

No total, a autarquia lançou concursos públicos no valor de cerca de 4 milhões de euros.

Notícia atualizada às 20h54 com mais informação.

Continuar a ler

Barcelos

Cães lutam violentamente em condições degradantes em Barcelos

Em Lama

em

Foto: Reprodução

Uma matilha de cães situada numa propriedade privada em Lama, concelho de Barcelos, está a preocupar populares depois de mais uma luta, durante a manhã desta segunda-feira, onde um dos cães é violentamente atacado pelos restantes. Uma denúncia levou a que militares da GNR, delegado de saúde e veterinária municipal se deslocassem, durante esta tarde, ao terreno em questão, mas não conseguiram entrar na propriedade por se tratar de um local privado e o alegado cuidador não estar disponível para o efeito.

A luta ocorrida durante a manhã foi gravada por uma vizinha que cedeu o vídeo a O MINHO, podendo nele verificar-se que um dos cães é violentamente atacado pelos restantes.  Havia suspeitas de que os cães pudessem estar a comer o cão mais pequeno, mas fonte da delegação de saúde de Barcelos disse a O MINHO que tal situação seria pouco provável, atribuindo o ataque a uma mera luta dentro da matilha, ressalvando, no entanto, que não visualizou as imagens.

Fonte da GNR confirmou a O MINHO que militares se deslocaram ao local na sequência de uma denúncia, mas que ainda não foi possível aferir as condições dos animais. “Cada um dos canídeos será avaliado um a um de forma a perceber se possuem microchip e se têm a vacinação em dia”, disse a mesma fonte, descartando a análise de eventuais maus tratos aos animais com base no que foi comunicado pelas autoridades de saúde.

A O MINHO, a delegação de saúde confirma que avaliou não haver sinais de maus tratos por parte dos cuidadores para com os animais, excetuando as eventuais lutas que possam deixar mazelas, mas que as mesmas “são habituais”. “Também não se verificou que os mesmos estivessem mal nutridos, têm sombra, espaço, comida e água, logo não há registo de maus tratos”. Quanto a algum lixo que é visível nas imagens divulgadas, a autoridade indica que o mesmo “não constitui perigo de saúde pública”. O MINHO tentou contactar a veterinária municipal de forma a recolher a sua avaliação, mas tal não foi possível.

Vizinhos revoltados

A história desta matilha já é antiga e mediática. Em setembro de 2019, a octogenária que geralmente alimenta os animais (e que não será a proprietária dos mesmos) sofreu uma queda, ficando ‘sequestrada’ no local pelos próprios cães, que não deixavam bombeiros nem GNR aproximarem-se.

Segundo a GNR indicou na altura, a idosa terá dado uma queda quando dava de comer aos cães e os animais ficaram à volta dela, tornando “complicado e eventualmente perigoso” o socorro por parte dos bombeiros.

Para criar as “devidas condições de segurança”, a GNR mobilizou para o local efetivos do Corpo de Intervenção, da cinotecnia e do ambiente.

“Conseguimos trazer a vítima para fora da propriedade em condições de segurança, para lhe ser prestada a assistência necessária”, acrescentou então a fonte da GNR, acrescentando que a operação decorreu “sem qualquer incidente”.

Cães “sequestram” idosa em Barcelos

 

Há alguns anos, os cães escaparam para a via pública e chegaram a atacar populares que seguiam a pé naquele local, paredes meias com a igreja paroquial. O caso esteve para ir para tribunal mas a vítima terá chegado a acordo com o proprietário dos cães.

“Já não posso fazer mais nada”, diz autarca

O MINHO falou com João Silva, presidente da Junta de Lama, que confirma o “problema” com os animais, as queixas apresentadas mas confessa-se “farto” da situação que “nunca mais é resolvida”.

“É verdade que avançavam os muros e chegaram a ferrar em várias pessoas, houve processos em tribunal, denúncias à delegação de saúde e ao Ministério Público, mas continua tudo igual”, lamenta.

O autarca foi chamado, “há poucos meses”, aos serviços do Ministério Público para dar o seu parecer quanto à situação, e se a mesma tinha conhecido melhorias desde que se verificaram os ataques em via pública.

“Eu declarei que continuava tudo na mesma, que embora tenham sido feitos alguns arranjos, os cães poderiam voltar a saltar a vedação e a atacar pessoas”, explica.

João Silva também viu o vídeo do ataque desta manhã e é perentório: “foi com um cão mas podia ser com uma pessoa, caso escapassem para a via”. O autarca lamenta que haja na freguesia quem diga que “a junta não faz nada”, explicando que “não posso intervir em propriedade privada”: “tudo o que já foi possível fazer, fiz, agora não dá para fazer mais”.

Denuncia ainda um problema em relação a pulgas provenientes dos animais que chegam a atingir a escadaria da igreja, situada ao lado. “É um local emblemático da nossa freguesia e já tivemos de proceder a desinfestação do espaço por causa das pulgas”, revela.

Propriedade fica ao lado da igreja paroquial. Foto: Nuno Queirós / O MINHO

O MINHO tentou chegar à fala com o proprietário dos animais, mas sem sucesso.

Continuar a ler

Barcelos

Câmara oferece equipamentos ao Hospital de Barcelos

Covid-19

em

Foto: CM Barcelos

A Câmara de Barcelos está a oferecer ao hospital da cidade equipamentos no valor de cerca de 73 mil euros, no âmbito do apoio da autarquia à criação de melhores condições técnicas hospitalares de combate à covid-19, anunciou hoje a autarquia.

Os equipamentos incluem um ventilador portátil, dois monitores cardio-respiratórios e um monitor portátil com eletrocardiógrafo e correspondem a parte das necessidades técnicas manifestadas pelo Hospital de Barcelos nesta fase de tratamento de doentes com covid-19.

Na cerimónia de entrega do primeiro destes equipamentos, o ventilador, o Presidente do Conselho de Administração do Hospital, Joaquim Barbosa, citado em comunicado da autarquia, agradeceu a oferta que corresponde a uma “diferenciação técnica” importante naquela unidade hospitalar.

O Presidente da Câmara contextualizou este apoio no “princípio da relação de parceria” entre as duas entidades, não só devido aos problemas colocados pela pandemia da covid-19, mas uma parceria que se tem desenvolvido ao longo do tempo e que tem tudo para poder continuar, nomeadamente, com a oferta de novos equipamentos”.

Em Barcelos há 229 casos confirmados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Em Portugal, morreram 1.105 pessoas das 26.715 confirmadas como infetadas, e há 2.258 casos recuperados.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 263 mil mortos e infetou cerca de 3,7 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

Continuar a ler

Populares