Seguir o O MINHO

Braga

Autarca de Braga salienta “grande responsabilidade” que vem com classificação da UNESCO

Bom Jesus

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da câmara de Braga congratulou-se hoje pela classificação do Santuário do Bom Jesus como Património Cultural Mundial da UNESCO, salientando que com a distinção vem “também uma grande responsabilidade e orgulho”.

“Isto é um momento de felicidade, de orgulho para a cidade e para toda a equipa que trabalhou para que esta classificação fosse possível, mas também coloca sobre a cidade uma grande responsabilidade que é a de tudo fazer para que o local continue à altura desta distinção”, afirmou Ricardo Rio.

Santuário do Bom Jesus classificado Património Mundial da UNESCO

O autarca transmitiu ainda as felicitações do presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa: “Acabei de falar também com a embaixadora Ana Martim, que nos deu conta dos parabéns do Presidente da República”, disse.

O Santuário do Bom Jesus, em Braga, recebeu hoje a classificação de Património Cultural Mundial da UNESCO, na reunião do comité da organização, a decorrer em Baku, no Azerbaijão, anunciou a organização.

O monumento português fazia parte “das 36 indicações para inscrição na Lista do Património Mundial”, que estão a ser avaliadas na 43.ª Sessão do Comité do Património, Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), a decorrer em Baku, no Azerbaijão até 10 de julho.

A candidatura suscitou algumas questões ao Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios (ICOMOS), que faz a apreciação das candidaturas que chegam de todo o mundo, no que diz respeito à autenticidade e integridade deste monumento, assim como a preservação e prevenção de acidentes, como possíveis incêndios à volta do complexo religioso, mas a proposta acabou por ser aprovada.

O Brasil, que abriu a discussão e faz parte deste comité, defendeu que o Bom Jesus de Braga não só cumpre todos os critérios para ser integrado na lista de monumentos, mas serviu também de inspiração para o complexo do Bom Jesus de Congonhas, no Brasil, que já consta da lista da UNESCO.

Portugal esclareceu que todas as dúvidas sobre o monumento bracarense já estavam esclarecidas no dossier entregue por Portugal e que as recomendações do ICOMOS já estão mesmo a ser seguidas no santuário. A representação portuguesa afirmou ainda que o monumento também já está inscrito como património nacional.

O conjunto composto pelo Palácio, Basílica, Convento, Jardim do Cerco e Tapada de Mafra também recebeu hoje a classificação de Património Cultural Mundial da UNESCO.

A Lista do Património Mundial da UNESCO integra atualmente 1.092 sítios em 167 países.

Portugal conta com agora 17 locais classificados em território nacional, havendo ainda 11 que constituem património mundial de origem portuguesa no mundo.

O Centro Histórico de Angra do Heroísmo, o Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém, em Lisboa, num conjunto de proximidade, o Mosteiro da Batalha e o Convento de Cristo, em Tomar, foram os primeiros classificados, em 1983.

Anúncio

Braga

Histórica pastelaria de Braga reabre ao público no dia dos 190 anos

Doçaria São Vicente

em

Foto; Facebook de Altino Bessa

A histórica pastelaria de Braga “Doçaria São Vicente” reabriu esta quarta-feira portas ao público depois de ter estado encerrada vários meses, na sequência de uma insolvência da anterior gestão.

Esta quarta-feira, assinalou-se não só a reabertura como celebraram-se os 190 anos da fundação deste local histórico da cidade de Braga, uma das lojas de comércio fundadas há mais tempo na região.

Para assinalar o aniversário, o presidente da Câmara de Braga e vereadores do executivo, como Altino Bessa, com o pelouro do turismo, estiveram presentes.

Continuar a ler

Braga

Construtora de Braga defende agilização da vinda para Portugal de trabalhadores dos PALOP

Falta de mão de obra na construção

em

Foto: Divulgação

O presidente do conselho de administração da construtora Casais, com sede em Braga, defendeu esta quarta-feira uma agilização burocrática que facilite a vinda para Portugal de trabalhadores dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), para colmatar a falta de mão-de-obra no setor.

“Já trazemos gente de Moçambique, de Cabo Verde e da Guiné, mas com alguns problemas para os quais temos vindo a chamar a atenção dos embaixadores desses países e do próprio Governo, para que facilitem a contratação desses trabalhadores, que em termos burocráticos não é fácil. Esta é uma das medidas que vai ser importante tomar ou daqui a dois/três anos não vamos ter mão-de-obra, que já está a faltar”, afirmou José da Silva Fernandes em declarações à agência Lusa.

Segundo o empresário, há já algum tempo que a falta de mão-de-obra tem vindo a ser um problema para o setor e, apesar do trabalho feito com as associações da construção, “continua a ser um problema” que tende a agravar-se, até por questões demográficas.

“Temos vindo a trabalhar com as associações na formação, mas não chega, porque há apetência dos jovens para irem para outras áreas e a construção civil é um trabalho mais duro”, sustentou, reforçando: “É preciso diretrizes que têm de vir de cima”.

Apesar de satisfeito com a retoma do setor da construção, que tem permitido ao grupo de Braga “angariar obras interessantes de norte a sul do país”, José da Silva Fernandes alerta para “a crise que se adivinha nos próximos dois anos”, antecipando que “vão ser anos com menos investimento, quer em Portugal, quer na Europa”.

Quanto à emissão obrigacionista de 18,5 milhões de euros realizada em fevereiro pelo grupo Casais, diz ter sido “para incentivar alguns projetos em preparação na área do imobiliário, hotelaria, escritórios, habitação e serviços, sobretudo em Portugal”.

O grupo Casais evoluiu em 60 anos de um pequeno negócio para um grupo de construção com 4.500 trabalhadores e atividade em 16 países (Portugal, Alemanha, Angola, Bélgica, Gibraltar, Holanda, França, Marrocos, Moçambique, Brasil, Qatar, Argélia, Reino Unido, Emirados Árabes Unidos, Espanha e EUA), tendo terminado 2018 com um volume de negócios agregado de 445 milhões de euros (mais 110 milhões do que no ano anterior), dos quais 319 milhões no exterior, sobretudo em Angola.

Continuar a ler

Braga

Mulher em estado grave após cair na lareira em Vieira do Minho

Múltiplas queimaduras em todo o corpo

em

Foto: Cortesia de Rio Longo e Notícias

Uma mulher, com cerca de 65 anos, sofreu várias queimaduras no corpo após ter caído numa lareira, na habitação onde reside, em Ruivães, concelho de Vieira do Minho, disse a O MINHO fonte dos bombeiros.

A vítima foi assistida no local, na Rua da Lameira, por operacionais dos Bombeiros de Vieira do Minho e pela equipa da Viatura Médica de Emergência e Reanimação de Braga, sendo considerada um ferido grave.

Numa primeira instância, foi acionado um meio aéreo, por se pensar tratar de queimaduras resultantes de uma queimada, mas tal não se veio a confirmar, com o meio a ser desmobilizado no local.

Foto: Cortesia de Rio Longo e Notícias

A mulher foi transportada para o Hospital de Braga pelos bombeiros, desconhecendo-se os motivos da queda.

O alerta foi dado para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes do INEM pelas 15:07.

A GNR de Vieira do Minho registou a ocorrência.

Notícia atualizada às 17h50

Continuar a ler

Populares