Austrália e República Checa campeãs em Contrarrelógio no Mundial Universitário de Ciclismo

Braga acolheu, esta terça-feira, a primeira prova do Campeonato Mundial Universitário de Ciclismo. A prova de contrarrelógio individual sagrou campeões, Tereza Korvasová e Liam Magennis, no feminino e masculino respetivamente. Pedro Lopes foi o melhor português em prova, classificando-se no sétimo lugar da geral.

A Variante do Fojo, em Braga foi o “palco” para a prova de estreia do Mundial Universitário de Ciclismo que teve em competição, 19 atletas no feminino e 36 atletas no masculino. Com 17,26 km de extensão para a prova feminina (duas voltas ao percurso) e 25,89 km para a prova masculina (três voltas ao percurso).

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Na categoria feminina, Tereza Korvasová da República Checa revelou-se a mais forte e sagrou-se campeã mundial universitária de Contrarrelógio, depois de cumprir o percurso em 25:48.38., na segunda posição ficou a Polaca, Marta Lach com o tempo de 26:09.13., ao passo que o terceiro lugar do pódio foi para Jaqueline Dietrich, da Alemanha.

Na categoria masculina, Liam Magennis festejou o título mundial, após conseguir cumprir o percurso em 33:52.51, rodando a uma média de 47,83 km/h, muito perto da média do Campeonato Nacional de Contrarrelógio, realizado há dois anos no mesmo percurso, em que o grande vencedor foi Nelson Oliveira, um dos melhores contrarrelogistas mundiais (foi 4º no Campeonato do Mundo de Contrarrelógio em 2017), que fez o percurso com uma média de 49,27.80. Piotr Konwa da Polónia ficou a 42.39 segundos do campeão, ao cumprir em 34:34.90, sagrando-se assim vice-campeão mundial de contrarrelógio. Andreas Miltiadis, o único atleta do Chipre presente neste mundial, foi terceiro classificado e levou o bronze para casa.

Pedro Lopes foi o melhor português em prova ao arrecadar o 7º lugar da geral, com o tempo de 35:36.12. O estudante da Universidade do Minho afirmou que a prova “correu bem”, ainda assim “estava à espera de melhor”. Sobre o que correu menos bem, o universitário afirma que “foi a escolha de andamentos”. Pedro Lopes irá fazer também a prova de estrada, marcada para o próximo sábado, dia 4 de agosto, afirmando que espera “ficar entre os três melhores”.

A seleção nacional contou ainda com mais três atletas em prova. André Ramalho foi 13º com o tempo de 36:29.14, Marvin Scheulen foi 17º ao fazer a prova em 36:56.61 e Francisco Moreira foi 24º ao finalizar com 38:21.38.

No feminino, a única portuguesa em prova, Soraia Silva, ficou no 9º lugar ao fazer a prova em 28:20:13. A média da melhor volta no feminino foi de 41,86 km/h.

Esta quarta-feira decorre a prova BTT XCO, a qual terá lugar no Centro de Ciclismo do Minho – Guimarães (Souto Santa Maria), com início pelas 10:30 (competição feminina) e pelas 14:30 (competição masculina).

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Jovem fica em instituição de apoio à deficiência após fecho de centro em Caminha

Próximo Artigo

Presidente da República promulga lei das plataformas de transporte como Uber

Artigos Relacionados
x