Seguir o O MINHO

Região

Atenção às alergias. Pólenes no Minho em níveis elevados

em

A Rede Portuguesa de Aerobiologia colocou a região de Entre Douro e Minho no grupo de regiões onde os pólenes encontram-se no nível ‘Elevado’, com predomínio dos pólenes das árvores cipreste e pinheiro e da erva urtiga.


Mapa mostra previsão dos níveis de concentração de polenes no ar ambiente. DR

Na previsão semanal disponível no seu site na Internet, aquele serviço da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPIAC) coloca ainda as regiões de Trás-os-Montes e do Algarve com a classificação de risco ‘Elevado’. Nas restantes regiões do continente cobertas pelo serviço, com estações de monitorização em Coimbra, Castelo Branco, Lisboa e Évora, o risco é ‘Muito Elevado’.

Às pessoas alérgicas, a SPIAC apresenta um conjunto de recomendações, como consultar o boletim policlínico, programar as férias tendo em atenção os pólens, evitar realizar atividades ao ar livre, manter as janelas fechadas, usar óculos escuros e fazer a medicação prescrita, explicadas no site.

As concentrações de pólenes no ar ambiente são classificadas como baixas, moderadas, elevadas e muito elevadas.

A Primavera chegou hoje às 10:19 da manhã e prolonga-se até ao dia 21 de junho.  De acordo com o IPMA, os próximos dias serão de descidas de temperaturas e chuva.

 

Fique a par das Últimas Notícias. Siga O MINHO no Facebook. Clique aqui

Anúncio

Guimarães

Jovem ferida em despiste seguido de capotamento em Guimarães

Acidente

em

Foto: Bombeiros Voluntários de Vizela

Um despiste seguido de capotamento em Moreira de Cónegos, Guimarães, provocou ferimentos numa jovem de 20 anos.

A vítima foi transportado para o Hospital de Guimarães com ferimentos ligeiros.

Foto: Bombeiros Voluntários de Vizela

O alerta foi dado pelas 22:32.

Os Bombeiros de Vizela mobilizaram para o local 11 operacionais apoiados por três viaturas.

A Brigada de Trânsito registou a ocorrência.

Continuar a ler

Ave

Bloco de Esquerda questiona governo sobre poluição no rio Pele em Famalicão

Após denúncias da Junta de Castelões

em

Foto: JF Castelões

O Bloco de Esquerda questionou o Governo sobre a poluição no Rio Pele, em Famalicão, após descargas poluentes denunciadas pela Junta de Freguesia de Castelões.

Segundo os deputados do Bloco de Esquerda eleitos por Braga, José Maria Cardoso e Alexandra Vieira, apesar da participação da autarquia ao SEPNA da GNR e à Câmara de Famalicão, “não se conhece os resultados dessas queixas e as descargas continuam a acontecer”.

Nova descarga poluente no rio Pele em Famalicão

No documento entregue na Assembleia da República, o Bloco de Esquerda afirma que é “urgente a identificação e eliminação dos focos de poluição e a punição dos poluidores, de forma a evitar estes episódios, bem como proceder à reabilitação do rio para proteger o ecossistema”.

Descarga poluente ‘tinge’ de branco rio Pele em Famalicão

Os bloquistas querem, por isso, conhecer “que medidas vai o Ministério do Ambiente e da Ação Climática tomar para garantir a identificação das entidades poluidoras, a sua responsabilização, a cessação dos focos poluidores e a despoluição da linha de água afetada”, bem como “que medidas o Ministério assumiu ou vai assumir, eventualmente em articulação com o Município de Famalicão, para acabar com as descargas poluidoras e garantir a boa qualidade do Rio Pele e de toda a bacia hidrográfica do Rio Ave”.

Continuar a ler

Cávado

Esposende tem sete percursos pedestres homologados

Turismo

em

Foto: Divulgação / CM Esposende

Sete dos 13 trilhos da Rede de Percursos Pedestres do Município de Esposende estão agora homologados e figuram na base de dados do Registo Nacional de Percursos Pedestres (RNPP), anunciou a autarquia. O processo de classificação dos restantes percursos está em curso.

Em comunicado, a autarquia refere que o registo dos trilhos de Pequena Rota, na Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal (FCMP), permitirá a sua divulgação em diversas agências de promoção e turismo, com o alavancar deste produto para o desenvolvimento da economia local. As cartas de homologação emitidas pela FCMP são “Certificados de Qualidade”, cuja atribuição obedece a exigências relativas ao traçado, marcação e manutenção dos percursos pedestres, nomeadamente no que diz respeito à segurança dos praticantes e à preservação do ambiente.

Assim, foram recentemente homologados os percursos “PR3-EPS Trilho das Cangostas”, “PR4-EPS Trilho das Azenhas de Antas”, “PR5 EPS Pela Arriba Fóssil- da Senhora da Guia ao Monte Faro” e “PR6-Castro de S. Lourenço”, num total de mais de 46 quilómetros que podem ser percorridos sem qualquer auxiliar, recorrendo-se apenas às tradicionais marcas para orientação: “vira à esquerda”, “virar à direita”, “seguir em frente” e “Caminho errado”, com as cores amarela e vermelha, facilmente identificáveis. Contam estes percursos com painéis no início e no fim, onde consta um mapa do trajeto e outras informações pertinentes, tais como sugestão dos locais a visitar, regras de conduta e contactos importantes para serem usados em caso de emergência.

Os trilhos são executados apenas em caminhos públicos, em terra batida, estradas e caminhos florestais, mas também obrigam a percorrer e explorar grandes afloramentos, revisitando os mais importantes miradouros, localizados nas cumeeiras dos montes. Picotinho, miradouros da Senhora da Guia, em Belinho, Senhora da Paz, nas Marinhas e o Monte Faro, em Palmeira, assim como o de S. Lourenço, em Vila Chã, são locais que, em breve, serão alvo de melhoramentos, com a colocação de placas de interpretação da paisagem.

“Com um inegável aumento na busca e frequência deste tipo de recurso, o Município de Esposende tem vindo a dedicar mais meios para a manutenção e exequibilidade dos percursos. Da mesma forma garante que os trilhos estejam preparados com as marcas e demais sinalética para que possam ser percorridos autonomamente, sem qualquer apoio eletrónico, guia ou mapas e, devidamente limpos, monitorados três vezes ao ano e com o apoio das Juntas de Freguesia e da Esposende Ambiente, para a remoção de quaisquer resíduos que possam ser clandestinamente deixados”, refere a autarquia.

Esta oferta visa o desfrute das paisagens pelos pedestrianistas e o contato com a natureza, possibilitando um melhor conhecimento sobre o património natural e histórico que são identidades do município. Por isso, abrangem áreas como as margens do rio Neiva, a granítica Arriba Fóssil e a grande mancha florestal e de bosques, integrada em diversas freguesias por onde seguem os trilhos. Para além destas valências, há os dólmens, menires, castros, moinhos, azenhas e cangostas.

Paralelamente, encontra-se a ser desenhado um trilho de Grande Rota (GR), que irá atravessar todo o concelho de Esposende, de sul a norte, e que permitirá a passagem e pernoita de pedestrianistas, contribuindo para um aumento do turismo e economia local, assim como conhecimento do património local.

No concelho de Esposende já havia outros grandes percursos, como o “Caminho Português da Costa” para Santiago de Compostela e o “Caminho para S. Bento da Porta Aberta” que se inicia em Fão, junto ao Bom Jesus e segue por Barcelos, Braga, Amares, Vila Verde e Terras de Bouro, num total de 70 quilómetros.

As informações sobre os percursos pedestres poderão ser obtidas no Portal de Turismo do Município ou noutros suportes, como o Guia dos Percursos Pedestres e as brochuras individuais.

Continuar a ler

Populares