Seguir o O MINHO

Alto Minho

As dez freguesias do Alto Minho que estão cada vez mais desertas

em

Mais mortes que nascimentos. Mais emigrantes que imigrantes. O distrito de Viana do Castelo perdeu 5,5% dos seus habitantes nos últimos dez anos, ficando acima da média nacional (- 2%) ao nível da contagem da população em relação a 2011, de acordo com o relatório de resultados provisórios do Censos2021, divulgado esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O maior rombo percentual aconteceu nas freguesias do interior. E se em 2011 havia apenas uma freguesia no distrito com menos de 200 habitantes – Boalhosa, em Ponte de Lima -, a realidade alterou-se bastante, com 12 freguesias a figurarem agora abaixo da dupla centena. Duas delas, Senharei, em Arcos de Valdevez, e Fiães, em Melgaço, registam um rombo extraordinário, ao perderem quase 40% da população em dez anos, o que leva a aparecerem na lista como entre as dez do país que mais perderam em termos percentuais.

Boalhosa. Foto: DR

Em vários concelhos existem agora freguesias com menos de 200 habitantes, algo que, em 2011, só acontecia em uma – Boalhosa, no concelho de Ponte de Lima. Esta freguesia destaca-se até a nível nacional, sendo a sexta freguesia com menos habitantes (117) no país. É, portanto, também a freguesia com menos habitantes do distrito. Em 2011 tinha 163 habitantes, o que significa uma redução de 28,2% em dez anos. Atualmente, existem na Boalhosa 49 homens e 68 mulheres.

A segundo freguesia com menos habitantes no distrito é Fiães, no concelho de Melgaço. É esta também a freguesia que recebeu o maior rombo percentual em termos de redução de população. Atualmente com 146 habitantes (65 homens e 81 mulheres), Fiães abrigava 239 pessoas em 2011, o que significa uma redução de 38,9% em dez anos.

Fiães. Foto: DR

Segue-se, em terceira da lista, a União de Freguesias de Arga, em Caminha, que perdeu 23,6% dos 208 habitantes que tinha em 2011, para agora contar com 159 (72 homens e 87 mulheres). Em quarto está Senharei, freguesia de Arcos de Valdevez, agora com 163 habitantes (78 homens e 85 mulheres), depois de perder 37,1& dos 259 residentes. Ainda no mesmo concelho, e em quinto da lista, está Cabana Maior, local de entrada para o Parque Nacional Peneda-Gerês na Porta do Mezio. Dos 239 habitantes, passa a ter 177, com um decréscimo populacional de 25,9%.

Senharei. Foto: DR

Em sexto da lista, voltamos a Melgaço, com a freguesia de Gave a apresentar uma redução de 23,6% dos 237 habitantes, para 181 (68 homens e 113 mulheres). No sétimo lugar está Boivão, do município de Valença, que passou de 239 para 185 habitantes (78 homens e 107 mulheres), uma redução de 22,6%. Logo ao lado, em Monção, está Abedim, a oitava freguesia da lista, com 191 habitantes (84 homens e 107 mulheres). Uma redução de 6,8% em relação aos números registados em 2011.

Abedim. Foto: DR

Ainda em Monção, Anhões e Luzio é a nona freguesia desta lista, com uma redução de 24,6% dos 260 habitantes, para os 196 atuais (79 homens e 117 mulheres). No último lugar do top-10 de freguesias com menos habitantes no Alto Minho está Monte Redondo, em Arcos de Valdevez, com 196 habitantes (93 homens e 103 mulheres), uma redução de 13,7% em relação aos 227 registados em 2011.

Monte Redondo. Foto: DR

Fonte: INE

Gráfico: O MINHO. Fonte: INE

O número de habitantes no Alto Minho recuou de 244.836 em 2011 para 231.488 – menos 13.348 em dez anos -, com Melgaço a ser o que mais percentagem perdeu (15,6%): passou de 9.213 residentes no concelho para 7.776. Mas todos os dez concelhos do distrito perderam população, até a ‘capital’ Viana do Castelo perdeu 3,2% dos habitantes.

Populares