Redes Sociais

Alto Minho

Árvores de Natal feitas por instituições e escolas embelezam Arcos de Valdevez

 a

Foto: Divulgação

A Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, em parceria com a ACIAB e várias Instituições Particulares de Solidariedade Social, Associações e Escolas do concelho, decorou a Praça Municipal com árvores de Natal elaboradas pelos utentes e alunos de cada entidade.

Com esta iniciativa pretende-se mostrar publicamente os trabalhos que cada Instituição já tem por hábito realizar nesta quadra, colocando-os neste local de destaque da Vila, e ao mesmo tempo atrair visitantes e dinamizar o comércio local.

Esta exposição insere-se na vasta programação de Natal que se encontra a ser levada a cabo no âmbito da Campanha “Magia de Natal”, que decorre de 6 de Dezembro a 8 de Janeiro e inclui animação, iluminação e sonorização das ruas, concertos, a Feira do Chocolate, Campos de Férias, Mercado de Natal e a Festa da Passagem de ano.

 

 

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Ponte de Lima

Jardim holandês é o vencedor do Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima

A seleção das novas propostas para a edição 2019 decorrerá no corrente mês.

Publicado

 a

Foto: Divulgação/CM Ponte de Lima

O Jardim de Microclimas da Holanda foi o jardim mais votado pelos visitantes durante o 14º Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima, edição que teve como tema “O Clima nos Jardins”.

Proveniente de uma organização artística holandesa Laboratory for Microclimates (LfM), este jardim mereceu a preferência do público, registando 22,3% dos votos.

A segunda preferência do público recaiu sobre o jardim proveniente da Argentina “Estações que Prendem” com 18,5% dos votos, enquanto o jardim Atitudes (In)Concientes da autoria do Corpo Nacional de Escutas – Agrupamento n,º 367 Anais de Ponte de Lima, recolheu 12,6% dos votos.

Como sendo o mais votado, vai manter-se em exposição na 15ª edição do Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima, em 2019.

A seleção das novas propostas para a edição 2019, que tem como tema Jardins do Fim do Mundo, decorrerá no corrente mês.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Caminha

Caminha: Acervo do arquiteto Pedro Ramalho doado à Casa da Arquitectura

Pedro Cândido Almeida de Eça Ramalho nasceu em Caminha em 16 de junho de 1937.

Publicado

 a

Foto: DR/Arquivo

O arquiteto Pedro Ramalho, natural de Caminha, vai doar o seu acervo à Casa da Arquitectura, constituído por documentação, peças desenhadas, maquetes, fotografias, diapositivos e cartazes, que cobre a sua atividade desde o final da década de cinquenta do século passado.

A Casa da Arquitectura, com sede em Matosinhos, refere hoje, em comunicado, que, “ao todo, o acervo oferece cerca de seis metros lineares de documentação textual e 60 peças desenhadas relativas a trabalhos académicos enquanto estudante”.

“Pedro Ramalho doa 2.600 peças desenhadas relativas a 140 projetos de utilizações variadas entre habitação coletiva e unifamiliar, urbanismo, construções cívicas, administrativas, públicas, comerciais, escritórios, saúde e assistência, restauração, culturais e de recreio”, acrescenta.

Oferece também “uma coleção de fotografias e diapositivos da autoria do fotógrafo Luís Ferreira Alves e do próprio Pedro Ramalho e cartazes relativos ao movimento SAAL [Serviço Ambulatório de Apoio Local]”.

Do espólio constam ainda 12 maquetes dos projetos Cantina da FEUP, plano que não foi construído na totalidade, da Piscina Matosinhos, da Urbanização da EDP – Ouro, do Centro de Interpretação e Albergue de Leça do Balio, em Matosinhos, da Residência de Estudantes FEUP (antiga versão), do Polis (e estudo) de Vila Nova de Gaia, da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, do Albergue de Peregrinos, do Concurso do Edifício Central da Universidade de Aveiro.

A cerimónia de assinatura do Contrato de Doação vai decorrer no sábado, às 17:00, no âmbito das celebrações do 1.º Aniversário da Casa da Arquitectura, e será apresentada pelo arquiteto Souto de Moura.

No final da sessão realizar-se-á uma visita guiada pelo arquiteto Pedro Ramalho ao Arquivo da Casa da Arquitectura, onde estará patente uma pequena mostra de alguns projetos do autor.

Formou-se na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, em 1968, onde lecionou até 1984. Em 1985 transferiu-se para a Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, da qual se reformou como professor associado.

Em 1962, iniciou a atividade liberal como arquiteto, no decurso da qual trabalhou para as Câmaras do Porto, de Matosinhos, de Guimarães e de Águeda, e ainda para o Fundo de Fomento da Habitação, para o Instituto Nacional da Habitação e para as Universidades de Aveiro e Porto.

É ainda autor de vários trabalhos nas áreas da habitação unifamiliar e coletiva, dos equipamentos e do urbanismo.

Participou em diversas exposições, designadamente a “Onze Arquitectos do Porto”, e foi premiado em vários concursos de Arquitetura (AAP, INH, Associação Internacional dos Críticos de Arte e Câmara Municipal do Porto).

A par do ensino e da arquitetura, também se tem dedicado com regularidade ao desenho de mobiliário, ao desenho, à serigrafia e à escrita.

Pedro Cândido Almeida de Eça Ramalho nasceu em Caminha em 16 de junho de 1937.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Canoagem

Fernando Pimenta eleito atleta do ano do Comité Olímpico pelo quarto ano consecutivo

Publicado

 a

Foto: Facebook de Vítor Félix

O canoísta Fernando Pimenta, a par da marchadora Inês Henriques, voltou hoje a receber a medalha de excelência desportiva do Comité Olímpico de Portugal (COP), durante a Celebração Olímpica de 2018.

À semelhança de 2015, 2016 e 2017, Fernando Pimenta foi escolhido como atleta de 2018, ano em que se sagrou campeão do mundo de K1 1.000 e 5.000 metros, num campeonato disputado em Montemor-o-Velho, além de ter sido também campeão europeu da distância mais curta.

Também Inês Henriques voltou a ser galardoada, tal como no ano passsado, depois de se ter sagrado campeã europeia dos 50 quilómetros de marcha, nos Europeus de Berlim.

A treinadora e vereadora da Câmara Municipal de Braga Sameiro Araújo, que orientou atletas como Manuela Machado, Dulce Félix ou Jéssica Augusto, foi galardoada com a Ordem Olímpica Nacional.

O canoísta José Ramalho recebeu o prémio ética desportiva, depois de no Mundial de maratonas de 2018 ter andado mais de 3,5 quilómetros com a sua embarcação a meter água, concluindo, mesmo assim, a prova na sexta posição.

Porta-estandarte nas cerimónias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos Tóquio1964, Fernando Costa Matos foi galardoado a medalha de mérito pelo papel ligado ao judo, ao longo de mais de 50 anos.

O Prémio Juventude foi entregue à judoca Patrícia Sampaio (-78kg), campeã da Europa de juniores e bronze no Mundial da mesma categoria, e ao triatleta Alexandre Montez, vice-campeão na prova individual dos Jogos Olímpicos da Juventude e ouro nas equipas mistas.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa recebeu o prémio prestígio do COP, pelo “papel incontornável e insubstituível no desenvolvimento do desporto em Portugal”.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares