Seguir o O MINHO

Guimarães

Árvore cai em cima de três habitações e causa danos elevados em Guimarães

Azurém

em

Imagem via Gurpo Santiago

Uma árvore de grande porte tombou por cima de três habitações ao final da manhã desta terça-feira, em Guimarães, provocando elevados danos materiais.


A árvore já estaria sinalizada pelos serviços municipais como estando em risco, mas não foi removida a tempo, tombando esta manhã, na Rua Pedro Nunes, em Azurém, como dá conta o Guimarães Digital, do Grupo Santiago.

Segundo relatam moradores àquele jornal, a Câmara de Guimarães tinha conhecimento da situação há algum tempo, mas a árvore manteve-se no local.

Ao que apurou O MINHO, pelas 13:00 horas, os bombeiros ainda não tinham sido alertados para remover a árvore.

Anúncio

Guimarães

Guimarães mantém Plano Municipal de Emergência para acompanhar evolução da covid

Covid-19

em

Foto: DR

A Câmara de Guimarães mantém ativo o Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil e, consequentemente, o Centro de Coordenação Operacional Municipal para permitir a coordenação de todas as entidades relativamente à evolução concelhia da covid-19.

A decisão, que foi tomada na sexta-feira após reunião com a Comissão Municipal de Proteção Civil, tem em conta a necessidade de “acompanhamento permanente e estreita coordenação entre as instituições, bem como do devido planeamento, por forma a promover o regresso à normalidade”, refere um comunicado da autarquia.

O presidente da Câmara Municipal, Domingos Bragança, citado no comunicado, avançou a intenção de “estimular o comércio e a restauração, impulsionar a dimensão cultural e de espaços públicos, bem como de aumentar a resposta ao nível da oferta de transportes públicos”, tendo sempre como prioridade “a segurança dos cidadãos”, atendo à possibilidade de “uma nova vaga” de infeções.

Nesse sentido, sublinhou ser “importante a adequação dos Planos de Contingência das diversas instituições, públicas e privadas”, e o cumprimento das indicações das autoridades de saúde” para manter a segurança nesta fase.

Continuar a ler

Ave

Vespa construída com extintores usados inaugurada em Guimarães

‘European Vespa Days’

em

Foto: Vespa Clube de Guimarães / Facebook

É a recriação de uma mota Vespa, construída com extintores usados e está desde esta quinta-feira “numa das mais bonitas rotundas da cidade” de Guimarães.

A iniciativa é do Vespa Clube de Guimarães, cuja direção elaborou e concretizou a escultura, assinalando o que “seria um dia importante para o Vespismo nacional e mundial”.

Por estes dias, Guimarães acolheria o evento “European Vespa Days”, cancelado devido à pandemia de covid-19.

“A pandemia não nos deixou celebrar a diversidade, a amizade, a partilha com muitos que sentem uma paixão comum – a sua Vespa. Não podíamos por isso deixar passar esta data em claro”, refere o clube em comunicado, referindo que, este fim de semana, serão concluídas diversas iniciativas como forma de assinalar a data.

Entre outras iniciativas, o Vespa Clube de Guimarães vai inaugurar sua loja social.

Continuar a ler

Ave

Obras de José de Guimarães “à mostra” no arquivo municipal da cidade berço

‘Tímida Modernidade’

em

Foto: DR

O Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, em Guimarães, acolhe, a partir de sexta-feira, a exposição “Tímida Modernidade”, composta por 14 obras do artista José de Guimarães, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a cooperativa A Oficina refere que em exposição estarão obras que normalmente podem ser vistas no Paço dos Duques de Bragança.

De acesso gratuito, a exposição poderá ser visitada até 14 de fevereiro.

Esta mostra percorre uma série de obras de José de Guimarães, como “A Ratoeira”, de 1984, ou “Devorador de automóveis”, “A Dança” e “Cosmos”, todas de 1990.

Obras que, sublinha a organização, permitem o acesso à prática do artista entre o final dos anos de 1980 e os primeiros momentos da última década do século XX.

“Poderemos olhar para esta exposição como uma exposição-arquivo, que recua no tempo para continuar a questionar o futuro”, refere.

O acesso à inauguração da exposição é gratuito, por ordem de chegada e limitado à lotação do espaço, sendo obrigatórios o uso de máscara, a desinfeção das mãos à entrada e o distanciamento social de dois metros.

Os visitantes também não poderão tocar nos objetos expostos.

“Tímida Modernidade” são as palavras que terminam a carta redigida por José de Guimarães aquando da doação, em 1992, de um vasto núcleo de obras da sua autoria à cidade de Guimarães.

Desde então, esta série de pinturas, desenhos, guaches e esculturas têm permanecido em exposição no Paço dos Duques de Bragança.

Continuar a ler

Populares