Redes Sociais

Esposende

Museu vai trazer à memória a apanha do sargaço em Esposende

Reabilitação da antiga Escola Básica de Areia-Apúlia para o museu.

 a

Foto: DR

Já arrancaram as obras de reabilitação da antiga Escola Básica de Areia-Apúlia para Museu do Sargaço, um projeto do Município de Esposende “que trará à memória da população e da cultura local, a “apanha do sargaço”, aquela que foi, e ainda é, uma tradição de grande relevo para o povo apuliense”.

A Autarquia adiantou hoje que a obra corresponde a um investimento de 275 584 euros e tem um prazo de 198 dias (aproximadamente seis meses e meio), enquadrando-se no PARU (Plano de Ação de Regeneração Urbana) para a área de Apúlia. Sob a premissa “remodelar para recrear”, a intervenção “passa pela remodelação de um espaço também ele com história, mantendo intactas as linhas mestras e os marcos arquitetónicos do edifício, com o objetivo de recrear espaços e tradições de um dos pilares da economia de Apúlia”.

No primeiro piso ficará situada a receção/zona de acolhimento, os sanitários, uma sala polivalente, bem como um espaço destinado à guarda de material expositivo e reparação/restauração de peças de arte em exposição, localizando-se, no piso superior, a sala de exposição geral. O acesso ao piso superior, além de ser pelas escadas, será ainda feito através de um elevador, garantindo, assim, o acesso a pessoas com mobilidade reduzida a todos os espaços do museu.

No exterior, será criada uma “praça temática” relacionada com a apanha do sargaço, bem como um pequeno “auditório” ao ar livre, que permitirá acolher todo o tipo de palestras e eventuais espetáculos relacionados com o tema da apanha do sargaço e das exposições.

O projeto prevê, ainda, a criação de onze lugares de estacionamento públicos, dois dos quais destinados a pessoas com mobilidade condicionada, além de cinco lugares de estacionamento privativos, sendo um destinado a pessoas com mobilidade condicionada.

“É intenção do Município manter vivas as memórias da tradição da prática desse ofício de grande valor cultural de Apúlia e do próprio concelho”, sublinha o Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, clarificando que o Museu do Sargaço se insere num “projeto mais vasto de valorização do património do concelho, que integra entre outras iniciativas, a criação do Centro Interpretativo do Junco, na freguesia de Forjães”.

Esposende

Avança a obra de requalificação da Escola Secundária de Esposende

Construída há 37 anos.

Publicado

 a

Foto: Divulgação

Inicia-se, dentro de dias, a obra de requalificação e ampliação da Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina, de Esposende. Trata-se – diz a Câmara Municipal – da primeira intervenção de fundo desta que é a única escola secundária do concelho, construída há 37 anos.

Com um custo de 2,2 milhões de euros e prazo de execução de 630 dias, a intervenção será executada no âmbito de um acordo entre o Município e o Ministério da Educação e Ciência.

Projeto da Escola. Foto: Divulgação

Assim, a obra será financiada por fundos comunitários em 1,88 milhões de euros, através do Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da Comunidade Intermunicipal do Cávado (CIM Cávado), sendo a contrapartida pública nacional, de 332 mil euros, correspondente a 15% do valor da obra, suportada, em partes iguais, pela Autarquia e pelo Ministério da Educação e Ciência.

Fim do fibrocimento

O projeto, da autoria do arquiteto Marques Franco, “prevê a substituição das coberturas em fibrocimento, bem como a demolição do bloco oficinal”. Assim, será construído de raiz um novo edifício que marca a entrada da escola, interligando os diferentes edifícios. Este novo edifício contempla, para além de espaço interior e exterior de receção, uma sala de projeção, biblioteca, secretaria e arquivo.

Ampliar o refeitório

Esta intervenção – acrescenta o Gabinete de Comunicação municipal – “contempla ainda a ampliação do refeitório, bem como do salão polivalente, prevendo, ainda, a requalificação dos sanitários”.

Pela sua ligação com a entrada principal, o novo auditório e biblioteca pretendem também responder às solicitações do exterior. A biblioteca foi pensada de modo a permitir a aprendizagem em vários suportes. Na entrada está prevista uma receção dotada de instalações sanitárias.

Continuar a ler

Esposende

Município de Esposende assinala mês da Arquitetura com exposição sobre Viana de Lima

Parceria com a Ordem dos Arquitetos Portugueses.

Publicado

 a

Foto: DR

No âmbito das comemorações do mês da Arquitetura, o Município de Esposende associou-se à Ordem dos Arquitetos Portugueses, expondo a mostra “Memento/Momento”, sobre a obra do arquiteto esposendense Viana de Lima, na galeria da sede nacional da Ordem, em Lisboa. A mostra é inaugurada segunda-feira e estará patente até 30 de outubro, com organização conjunta.

A exposição apresenta alguns mecanismos de tradução e interpretação, onde as peças de arquitetura são pedaços de tempo que se transportam nas entranhas dos edifícios, traduzida no Memento e no Momento.

Memento, como processo-síntese onde se resume uma parte da obra do arquiteto ou apontamento em modo de lembrete do que se tem de fazer. O Momento são espaços de tempo que foram materializados e traduzidos em arquitetura. Ou seja, em que se aglutina o tempo e se materializa na forma.

Casa das Marinhas

O arquiteto Viana de Lima foi autor, entre tantos projetos, da denominada “Casa das Marinhas”, edifício classificado como Monumento de Interesse Público, desde 2012, e registada na Fundação Docomomo Ibérica, organismo internacional que preserva edifícios icónicos da arquitetura modernista. Assim, a “Casa das Marinhas” durante este mês em que se evoca a arquitetura, associa-se às celebrações com duas iniciativas que visam dar a conhecer a habitação: “Cas’Aberta” e “À descoberta da Casa”.

De resto, o património cultural relacionado com a Arquitetura Modernista, no qual se enquadra a “Casa das Marinhas”, mereceu destaque, no passado dia 1 de outubro, no programa “Visita Guiada”, de Paula Moura Pinheiro, na RTP, onde abordou “Três Casas Modernas no Minho – Esposende, Ofir e Moledo”, versando os trabalhos de Viana de Lima, Fernando Távora e Siza Vieira.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Esposende

Idoso procurado pela família em Esposende já está em casa: “Está bem”

Homem de 80 anos

Publicado

 a

Foto: DR

Um idoso de 80 anos que estava a ser procurado pela família, em Belinho, Esposende, e que não era visto desde a manhã de sábado, já se encontra em casa, desde as 21:30, confirmou O MINHO junto da família.

O idoso “caiu no meio das ervas e ninguém o via”, disse um familiar, que acrescentou que o octogenário “está bem”.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares