Seguir o O MINHO

Alto Minho

Arcos de Valdevez reclama profissionais de saúde para hospitais de retaguarda

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Câmara de Arcos de Valdevez apelou hoje ao Governo para contratar recursos humanos que permitam o funcionamento, no imediato, dos hospitais de retaguarda à covid-19 criados no distrito de Viana do Castelo para doentes em recuperação.

“Peço a atenção do Governo para disponibilizar os recursos necessários à contratação de profissionais de saúde, médicos e enfermeiros e de equipamentos que permitam para colocar os hospitais de retaguarda criados na região rapidamente a funcionar. A falta desses recursos humanos está a levar à transferência de idosos com covid-19, que recebem alta hospitalar, para os lares”, alertou José Manuel Esteves.

O autarca social-democrata referiu que os hospitais de retaguarda que foram criados na região “tem de estar dotados de condições técnicas, médicos, enfermeiros e equipamentos hospitalares para responderem às necessidades dos idosos com covid-19, que apesar de terem recebido alta hospitalar, ainda necessitam de cuidados especializados de saúde”.

“Podem não estar no hospital, que é o local onde se trata a fase aguda da doença, mas tem de ter uma alternativa, chamem-lhe hospital de retaguarda, chamem-lhe o que quiserem. Estes doentes não podem ser transferidos para os lares que não têm esses recursos”, reforçou.

O autarca referiu que os dados da Autoridade de Saúde que lhe foram hoje fornecidos, em Arcos de Valdevez há 33 casos de infeção por covid-19.

No concelho, o Centro Paroquial e Social de Santa Maria de Grade com 39 utentes e 20 funcionários, é o caso mais grave de infeção pelo novo coronavírus.

Segundo João Manuel Esteves, “atualmente estão disponíveis em arcos de Valdevez cerca de 260 camas, distribuídas por cinco espaços, para pessoas em quarentena, devidamente equipados e desinfetados, de acordo com as orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Na semana passada, o centro cultural de Viana do Castelo, a maior sala de espetáculos do Alto Minho, foi transformado em hospital de campanha com 121 camas destinadas a acolher doentes com covid-19, sendo que a estrutura “poderá ir até às 200, com alas feminina e masculina”.

“Neste momento, o espaço dispõe de 100 camas e enfermaria, 21 quartos individuais, sala de tratamentos, sala de convívio e refeições, unidade de gabinete médico, balneários masculinos e femininos, unidade de armazenamento de equipamento para sujos e limpos, dois acessos diferenciados de entradas e saídas e 80 cacifos individuais”, especificou uma nota da Câmara de Viana do Castelo.

No comunicado, a autarquia da capital de distrito explicou que o “hospital de retaguarda já se encontra disponível, após vistoria onde marcaram presença o presidente da Câmara, o presidente do conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) e a presidente da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) de Viana do Castelo.

“Ao todo, o hospital de retaguarda conta com 121 camas, mas poderá ir até às 200, com alas feminina e masculina. Neste momento, o espaço dispõe de 100 camas e enfermaria, 21 quartos individuais, sala de tratamentos, sala de convívio e refeições, unidade de gabinete médico, balneários masculinos e femininos, unidade de armazenamento de equipamento para sujos e limpos, dois acessos diferenciados de entradas e saídas e 80 cacifos individuais”, especifica a nota.

Já esta semana, a Liga dos Amigos do Hospital de Viana do Castelo (LAHSL) disponibilizou à ULSAM 50 camas num hospital de retaguarda criado por uma rede de voluntários no pavilhão gimnodesportivo do seminário diocesano de Viana do Castelo.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

Dos infetados, 1.180 estão internados, 271 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 184 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado na quinta-feira na Assembleia da República.

Além disso, o Governo declarou no dia 17 de março o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Anúncio

Viana do Castelo

Acidente violento condiciona trânsito na A28 em Viana e faz três feridos

Acidente

em

Bombeiros Viana do Castelo. Foto: Vítor Vasconcelos / O MINHO (Arquivo)

Um despiste automóvel seguido de capotamento condicionou o trânsito na A28, sentido Sul-Norte, junto à saída para Vila Praia de Âncora, disse a O MINHO fonte dos bombeiros. O alerta foi dado cerca 11:25 para um despiste que resultou em três feridos, um dos quais em estado grave.

Pelo que foi possível apurar, a vítima que ficou em estado grave era a condutora, uma mulher com cerca de 40 anos. Os dois feridos ligeiros são as crianças que seguiam na mesma viatura, com idades entre os 6 e os 8 anos.

No local estiveram os Bombeiros Voluntários de Viana, com dez operacionais e quatro viaturas, os Bombeiros Sapadores, com seis elementos e duas viaturas, a VMER de Viana, a concessionária Norte Litoral, com dois elementos, e uma patrulha da GNR.

As vítimas foram transportadas para o Hospital de Viana do Castelo.

(notícia atualizada às 12h48)

Continuar a ler

Alto Minho

PS questiona Governo sobre reabertura de fronteiras entre Alto Minho e Galiza

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O PS questionou hoje o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros sobre a abertura e flexibilização de mais pontos de passagem na fronteira entre o Alto Minho e a Galiza, com apenas um devido à pandemia de covid-19.

As fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha vão continuar encerradas até às 00:00 de 15 de junho devido à pandemia de covid-19, segundo a resolução de Conselhos de Ministros publicada, na quarta-feira, em Diário da República.

O controlo das fronteiras terrestres com Espanha está a ser feito desde as 23:00 do dia 16 de março em nove pontos de passagem autorizada devido à pandemia de covid-19, e terminava às 00:00 de quinta-feira este controlo.

No distrito de Viana do Castelo, o único ponto de passagem autorizado é o que liga a cidade de Valença a Tui, na Galiza.

Na pergunta dirigida hoje ao ministro Augusto Santos Silva, os três deputados socialistas eleitos pelo distrito de Viana do Castelo, Marina Gonçalves, Anabela Rodrigues e José Manuel Carpinteira, referem que a reposição de fronteiras entre os dois países constitui uma “exceção ao regime da livre circulação de pessoas na passagem das fronteiras”, lembrando que, “efetuada a reavaliação prevista, o Governo de Portugal decidiu pela sua manutenção até ao momento presente” e que também o Governo de Espanha comunicou em 22 de maio, que “as fronteiras iriam permanecer encerradas até 15 de julho”.

“O Governo tem assumido que está consciente das dificuldades, mas remete a solução para o facto de esta matéria ser do âmbito das relações bilaterais, dependente de acordo com Espanha, indicando que o assunto está a ser devidamente acompanhado”, referem na pergunta hoje enviada a Augusto Santos Silva.

No documento, apontam a posição do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho, que manifestou “um profundo mal-estar pela restrição e existência de um único ponto de passagem na fronteira alto-minhota entre Portugal/Espanha, que impossibilita as intensas relações socioeconómicas entre ambas as margens do rio”.

Indicam ainda “a posição do Observatório Transfronteiriço Espanha-Portugal que refere que, dos 60 pontos existentes entre ambos os países, os de Valença-Tui, Cerveira-Tomiño e Monção-Salvaterra estão entre os seis com maior fluxo de tráfego transfronteiriço”.

Face “à possibilidade já colocada pelo Governo de mitigar as medidas que estão em vigor no controlo das fronteiras”, os deputados do PS eleitos pelo círculo de Viana do Castelo pretendem que “o ministro dos Negócios Estrangeiros esclareça de que forma é que isto se coaduna com a decisão do Governo Espanhol”.

“Pelas características socioeconómicas do Alto Minho Transfronteiriço, e sem prejuízo do controlo de pessoas nos pontos de passagem autorizados, para quando a abertura de mais pontos de passagem na fronteira do rio Minho”, questionam ainda. Portugal contabiliza pelo menos 1.383 mortos associados à covid-19 em 31.946 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado hoje.

Relativamente ao dia anterior, há mais 14 mortos (+1%) e mais 350 casos de infeção (+1,1%).

O número de pessoas hospitalizadas subiu de 512 para 529, das quais 66 se encontram em unidades de cuidados intensivos (mais uma).

O número de doentes recuperados é de 18.911.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

O Governo aprovou novas medidas que entraram em vigor no dia 18 de maio, entre as quais a retoma das visitas aos utentes dos lares de idosos, a reabertura das creches, aulas presenciais para os 11.º e 12.º anos e a reabertura de algumas lojas de rua, cafés, restaurantes, museus, monumentos e palácios.

O regresso das cerimónias religiosas comunitárias está previsto para 30 de maio e a abertura da época balnear para 06 de junho.

Continuar a ler

Alto Minho

Apreendida mais de uma tonelada de bivalves na A3, em Valença

Apreensão

em

Foto: Divulgação / GNR

A GNR, através da Unidade de Controlo Costeiro (UCC), através do Destacamento de Trânsito (DT) de Viana do Castelo e do Destacamento de Controlo Costeiro (DCC) de Matosinhos, durante a manhã desta sexta-feira, apreenderam 168,5 quilos de ameijoa japonesa imatura, Ruditapes Philippinarum, e 979,5 quilos de pé-de-burro, Vênus verrucosa, na autoestrada Porto-Valença (A3), em Valença do Minho, com o valor estimado de 8 371,68 euros, anunciou aquela força.

No âmbito de uma ação de fiscalização rodoviária, os militares da guarda detetaram um veículo com excesso de carga que fazia o transporte de amêijoa japonesa que não possuía o tamanho mínimo legal para comercialização e captura, nomeadamente 4 cm, e pé-de-burro, cuja apanha se encontra proibida.

Solicitado o apoio ao DCC de Matosinhos, foi identificado um homem, de 29 anos, e procedeu-se à apreensão dos bivalves, tendo sido elaborado um auto de contraordenação por transporte de espécies bivalves em estado imaturo e por falta de rastreabilidade, punível com coima que pode atingir 37 409,88 euros. Foi ainda elaborado um auto de contraordenação por excesso de carga.

A Guarda Nacional Republicana alerta que a captura deste tipo de bivalves, sem que os mesmos sejam sujeitos a depuração ou ao controlo higiossanitário, pode colocar em causa a saúde pública, caso sejam introduzidos no consumo, devido à possível contaminação com toxinas, sendo o documento comprovativo da origem do bivalve fulcral para a prevenção da introdução de forma irregular no consumo.

A mercadoria apreendida encontra-se a aguardar inspeção higiossanitária, sendo que se os espécimes se encontrarem vivos serão devolvidos ao seu habitat natural, caso contrário serão destruídos.

Continuar a ler

Populares