Seguir o O MINHO

Actual

Apple pede retirada de adaptadores de três pinos vendidos entre 2003 e 2010

Aparelhos comprados no Reino Unido, Hong Kong e Singapura

em

Foto: Divulgação / Arquivo

A Apple pediu hoje aos seus clientes que retirem alguns adaptadores de corrente de três pinos comercializados nos mercados do Reino Unido, Hong Kong e Singapura devido ao risco de causarem uma descarga elétrica.


“Em alguns casos muito raros os adaptadores afetados podem romper e criar um choque elétrico se forem tocados”, referiu a fabricante dos telemóveis iPhone, com sede em Cupertino, Estados Unidos, que adiantou que os dispositivos em causa foram vendidos entre 2003 e 2010.

Estes adaptadores foram comprados com computadores Mac e alguns dispositivos com sistema operativo iOS (‘tablets’ iPad e iPhone), além de também integrarem parte de um ‘kit’ da Apple para viajantes internacionais.

Até ao momento, a tecnológica norte-americana tem a indicação de seis incidentes em todo o mundo com este tipo de adaptadores e, embora o programa de retirada dos dispositivos seja voluntário, a Apple pede aos clientes que deixem de os usar e que se inscrevam na página eletrónica da marca para fazer a troca gratuitamente.

Os adaptadores afetados são brancos, de três pinos (modelo britânico) e não têm letras na parte interior, de acordo com a Apple.

A fabricante liderada por Tim Cook vai divulgar os resultados financeiros relativos aos primeiros seis meses do ano fiscal de 2019 na próxima terça-feira, num momento delicado em que as vendas do iPhone estancaram a nível global e a empresa tenta virar a sua estratégia para o segmento dos serviços.

Em janeiro último, num movimento nada habitual (pela primeira vez em mais de 15 anos), Cook enviou uma carta aos acionistas, em que revê em baixa as expectativas de receitas no primeiro trimestre fiscal de 2019, nomeadamente devido à desaceleração económica na China.

Anúncio

Actual

“Tudo será diferente” após pandemia

Papa Francisco

em

Foto: DR / Arquivo

O Papa Francisco disse hoje, numa mensagem de vídeo divulgada esta noite, que “tudo será diferente” após a pandemia global, da qual a humanidade poderá sair “melhor ou pior”, apelando a uma “sociedade mais justa e equitativa”.


“Quando sairmos desta pandemia, não poderemos continuar a fazer o que estávamos a fazer, e como estávamos a fazer. Não. Tudo será diferente”, disse o pontífice numa mensagem de vídeo em espanhol, por ocasião da festa de Pentecostes.

“Das grandes provações da humanidade, entre estas a da pandemia, nós sairemos melhores ou piores. Não é a mesma coisa. Pergunto-vos: como querem sair disto? Melhor ou pior?” questionou o Papa Francisco.

A nível global, a pandemia causada pelo novo coronavírus já infetou mais de seis milhões de pessoas em todo o mundo, dois terços das quais na Europa e Estados Unidos, segundo um balanço da AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Actual

Foguetão da SpaceX já foi lançado

NASA

em

Foto: DR

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado hoje na presença do Presidente do Estados Unidos.


Os astronautas norte-americanos Bob Behnken e Doug Hurley voaram do Kennedy Space Center, na Florida, a bordo da cápsula espacial Dragon, transportada por um foguetão Falcon 9 da SpaceX, a primeira empresa privada certificada pela NASA para missões tripuladas.

 

Com um rugido ouvido a milhas da costa da Florida, o foguetão Falcon 9, da companhia fundada por Elon Musk descolou às 15h22 (19h22 GMT), e os primeiros minutos do voo decorreram sem problemas, de acordo com a transmissão em direto da missão pela NASA.

A primeira parte do foguetão desprendeu-se como planeado após dois minutos de voo, a quase 4.000 quilómetros por hora, enquanto a segunda continuou a impulsionar a cápsula Dragon em direção à Estação Espacial Internacional, num voo com duração estimada em 19 horas.

Segundo a SpaceX a cápsula Dragon está na órbita certa para chegar à estação espacial, disse a Sapacex.

O lançamento “foi incrível”, disse Donald Trump, que assistiu à operação no Kennedy Space Center.

Este voo já tinha sofrido um atraso de três dias, por causa do mau tempo, mas previsões apontavam para que existiam condições aceitáveis, de 50%-50%, para o lançamento da cápsula Dragon acontecer hoje às 15:22 locais (20:22 de Lisboa), bem como do foguetão Falcon 9, o que se verificou, sendo assim o primeiro lançamento de astronautas para o espaço por uma empresa privada.

Foi também o primeiro voo espacial tripulado da NASA, a agência espacial norte-americana, a partir do solo dos Estados Unidos da América (EUA) desde 2011.

A NASA tentou desencorajar espetadores de assistirem ao lançamento, por causa da pandemia de covid-19, e limitou severamente o número de funcionários, visitantes e jornalistas dentro do Kennedy Space Center. No entanto os 4.000 bilhetes para o lançamento foram todos comprados em poucas horas.

A NASA contratou a SpaceX e a Boeing, em 2014, ao abrigo de contratos que totalizam sete mil milhões de dólares. Ambas as empresas lançaram as suas cápsulas de tripulação no ano passado com manequins de teste. A Dragon cumpriu todos os seus objetivos, enquanto a cápsula Starliner, da Boeing, acabou na órbita errada e quase foi destruída devido a múltiplos erros de software.

Como resultado, o primeiro voo do Starliner com astronautas não é esperado até ao próximo ano.

Desde que retirou o vaivém espacial em 2011, a NASA tem confiado nas naves espaciais russas, lançadas do Cazaquistão, para levar os astronautas americanos de e para a estação espacial.

 

Continuar a ler

Actual

Vereador de Guimarães agradece aos autarcas socialistas no pós-pico da pandemia

Política

em

Foto: DR / Arquivo

Ricardo Costa, vereador da Câmara de Guimarães e candidato a Presidente da Federação Distrital de Braga do PS, em conjunto com Anabela Real, candidata a Presidente do Departamento Federativo das Mulheres Socialistas – ID, transmitiram “uma palavra de reconhecimento e gratidão” aos autarcas socialistas do distrito.


Para os candidatos, “a intervenção dos presidentes de Junta de Freguesia tem sido permanentemente sinónimo de sucesso e de superação e o contexto da pandemia veio reafirmar essa dimensão”.

Ricardo Costa e Anabela Real, consideram também que “os presidentes de Câmara eleitos pelo Partido Socialista, no trabalho em equipa com os seus vereadores, têm sido um exemplo de entrega e de responsabilidade”.

Continuar a ler

Populares