Seguir o O MINHO

Braga

Aos 65 anos, papa maratonas de Braga vai desafiar os 20.500 degraus da Muralha da China

Antony Gonçalves, ‘senhor mil quilómetros’, regressa, a 18 de maio, às maratonas 18 anos depois. Em 2001, correu, em Budapeste, a última de 24. “O vício de correr” começou após uma depressão

em

Fotos: Facebook

Chegar ao fim. É o único objectivo que Antony Gonçalves tem nas vésperas de participar na Great Wall Marathon, disputada na China e que termina nos cerca de 20500 degraus da muralha mais famosa do Mundo.

“Ninguém é grande sem subir à Muralha”, diz o ditado chinês.

O ‘senhor mil quilómetros’ regressa, a 18 de maio, às maratonas 18 anos depois. Em 2001, correu, em Budapeste, a última de 24 maratonas a que se tinha proposto: “o meu objectivo era correr mil quilómetros à volta do mundo, em 24 maratonas, sem desistir e abaixo das três horas”.

Notícia “Diário do Minho” (Arquivo). Foto: Facebook de Antony Gonçalves

Agora aos 65 anos, entra numa verdadeira aventura: “com a minha idade já não me devia meter numa coisa destas”, conta a O MINHO. Desde janeiro, anda em treinos intensivos a correr mais de 100 quilómetros por semana e a subir tudo quanto é escadas.

Foto: Facebook de Antony Gonçalves

Há três semanas desacelerou os treinos e uma pequena lesão surgiu: “espero que não seja impeditiva da minha participação. Estou a tratar dela mas se não for este ano, para o ano lá estou outra vez”.

Treina sozinho porque “é difícil encontrar pessoas que façam maratonas e andem ao meu ritmo. Não posso correr a caracol nem a chita. Tem que ser mais tipo cavalo”.

Para a Great Wall, os objectivos são bem diferentes: “acabar dentro do tempo limite que são oito horas. O primeiro classificado deve chegar entre as 3:15 e as 3:30”. As estatísticas dizem que a grande maioria dos que termina acaba entre as 7:00 e as 7:30. 20% a 30% desiste.

Antony Gonçalves espera terminar dentro do tempo estabelecido.

Depressão

“O vício de correr” como lhe chama o bracarense começou depois de lhe ser diagnosticada uma depressão. “Era músico, fumava os meus e os cigarros dos outros e chegava a beber duas garrafas de whisky por semana”.

Foi o médico, “numa altura em que a doença não era conhecida nem tão exposta”, que lhe aconselhou a prática de desporto. Um clube de atletismo pertencente aos irmãos Castro oferecia fato de treino, saco e sapatilhas a quem andasse por lá. Antony apareceu e os primeiros quatrocentos metros que correu “pareceram-me quilómetros”.

A verdade é que os treinos no estádio Primeiro de Maio começaram a surtir efeito. Ganha, então, o material desportivo prometido. Correu a primeira meia-maratona no Porto e nunca mais parou.

Bosch

Alguns anos depois, já trabalhador na Bosch, Antony propôs à empresa fazer mil quilómetros em 24 maratonas. A empresa acrescentou: “sem desistir e abaixo das três horas”. O objectivo foi superado, a última foi corrida em 2001, em Budapeste, mas com muitas peripécias pelo meio.

Foto: Facebook de Antony Gonçalves

Em Toronto ficou retido no aeroporto: “como havia um surto migratório muito grande queriam saber o que estava ali a fazer. Expliquei-lhes que ia participar na maratona e pediram-me provas, nomeadamente, da estadia. Precisamente a única coisa que não tinha conseguido porque estava tudo esgotado. Através de um conhecido consegui uma rulote que ficou junto à meta”.

Mas os serviços do aeroporto só o libertaram quando mostrou o dorsal e tiraram fotocópias às notícias da sua participação que levava de Portugal.

Foto: Facebook de Antony Gonçalves

Em Amsterdão uma lesão quase o fazia desistir. Mas depois de parar e recuperar forças conseguiu acabar a prova. E ainda ficou em primeiro na categoria de Veteranos. Com os florins ganhos comprou uma televisão e uma aparelhagem últimos modelos.

Santiago de Compostela, 1980. Foto: Facebook de Antony Gonçalves

Em Belfast foi a cerveja Guiness que ia dando cabo da prova. “Tive uma ‘dor de burro’ provocada pela cerveja que tinha ingerido nos dias anteriores”. Em Oslo, a peripécia mete Isostar.

“Cheguei a Oslo e em frente ao hotel havia uma feira maratonista com quase tudo. Numa das tendas, havia Isostar de borla. Trouxe duas paletes e como era uma bebida energética fui bebendo. Senti-me mal na prova, fiquei em quarto e estava a ver que era desta que não cumpria os objectivos”.

Agora segue-se o próximo capítulo: os 42 quilómetros na China que terminam após a subida de 20 500 escadas da Grande Muralha.

Anúncio

Braga

845 já recuperaram da covid em Braga e não morre ninguém do vírus há cinco dias

Covid-19

em

Arco-íris sobre Braga. Foto: Redes sociais

Mais duas pessoas estão infetadas com covid-19 no concelho de Braga subindo para 1.354 os casos confirmados. O número de óbitos mantém-se nos 63 desde a passada sexta-feira.

Depois de na segunda-feira não se ter registado nenhum caso novo de infeção por covid-19 em Braga, hoje, os serviços sanitários registaram mais dois, sendo, agora, 1.354 as pessoas portadoras do vírus.

O número de óbitos mantém-se estável, sendo 63 as pessoas falecidas com o coronavírus no concelho.

Fonte do setor local da saúde disse a O MINHO que o número de cidadãos curados é, agora, de 845.

A mesma fonte precisou que estão agora sob vigilância ativa da autoridade local de saúde 67 pessoas, o que significa que são contactadas com frequência pelos técnicos para se saber o seu estado sanitário, já que estiveram em contacto com alguém que contraiu o coronavírus.

Continuar a ler

Braga

Delegado de saúde de Braga alerta para onda de calor: “Pode matar”

Saúde pública

em

Foto: Ilustrativa / DR

Face ao alerta amarelo e às temperaturas elevadas esperadas até final do fim de semana, o delegado de saúde dos agrupamentos de saúde Cávado I (Braga) João Manuel Cruz elaborou alguma informação, á qual O MINHO se associa, de forma a divulgar os riscos a evitar durante este período.

QUAIS OS RISCOS DO CALOR ?

A exposição a calor intenso é uma agressão para o organismo, podendo conduzir a desidratação, ou agravamento de doenças crónicas, a um esgotamento ou a um golpe de calor.

Deve ter em atenção certos sintomas associados a um esgotamento por calor, tais como cãibras musculares, cansaço, fraqueza, desmaio, náuseas e vómitos, respiração rápida e superficial, grande transpiração, palidez, pele fria e húmida, pulso fraco e rápido e dor de cabeça.

O RISCO MAIS GRAVE

O golpe de calor é a situação mais grave e pode provocar danos irreversíveis à saúde e até levar à morte. Os principais sintomas são febre alta, dores de cabeça, tonturas, pulso rápido e forte, náuseas, confusão, perda de consciência, contracções musculares e pele vermelha, quente e seca, sem suor.

São mais vulneráveis ao calor:
• Crianças nos primeiros anos de vida
• Idosos
• Portadores de doenças crónicas (cardiovasculares, respiratórias, renais, diabetes e alcoolismo)
• Obesos
• Acamados
• Pessoas com problemas de saúde mental
• Pessoas que tomam medicamentos, tais como, anti-hipertensores, antiarrítmicos, diuréticos, antidepressivos, neurolépticos, entre outros.

Proteja-se do Sol e do calor

• Evite a exposição directa ao Sol, em especial, entre as 11 e as 16 horas
• Na praia, mesmo debaixo do chapéu de sol não está protegido. A água do mar também reflecte os raios solares podendo provocar queimaduras solares
• Sempre que se expuser ao Sol ou andar ao ar livre, use protector solar (índice>30)
• Use chapéu e óculos escuros (especialmente para pessoas de pele clara). Proteja a cabeça das crianças com chapéu de abas
• Use roupa solta, de preferência de algodão e aplique sempre protector solar
• Nos dias de grande calor, os bebés e os idosos não deverão ir à praia
• Diminua os esforços físicos e repouse frequentemente em locais à sombra, frescos e arejados

Beba e faça uma alimentação equilibrada

• Aumente a ingestão de água ou de sumos de fruta naturais, sem adição de açúcar, mesmo sem ter sede
• Evite bebidas alcoólicas e com elevados teores de açúcar
• Faça refeições leves, pouco condimentadas e mais frequentes

Os recém-nascidos, as crianças, as pessoas idosas e as pessoas doentes podem não sentir sede. Ofereça- lhes água!

Refresque-se

• Permaneça 2 a 3 horas por dia num ambiente fresco. Se isso não for possível em sua casa, visite centros comerciais, museus, cinemas ou outros locais com ar condicionado.
• No período de maior calor tomar um banho de água tépida. Evite, no entanto, mudanças bruscas de temperatura.

Em casa

• Evite que o calor entre. Corra as persianas ou portadas e mantenha o ar a circular
• Abra as janelas durante a noite
• Use menos roupa na cama, sobretudo, dos bebés e doentes acamados.

Em viagem

• Se o carro não tiver ar condicionado não feche completamente as janelas
• Leve água ou sumos de fruta naturais sem adição de açúcar
• Sempre que possível viaje de noite
• Evite a permanência em viaturas expostas ao Sol, em especial, de crianças, doentes ou idosos

PROCURE E DÊ AJUDA

• Não hesite em pedir ajuda a um familiar ou vizinho no caso de se sentir mal com o calor
• Informe-se periodicamente sobre o estado de saúde das pessoas isoladas, idosas ou com dependência que vivam perto de si e ajude-as a protegerem-se do calor

No caso de

• Sofrer doença crónica ou estiver a fazer uma dieta com pouco sal ou restrição de líquidos
• Estar a tomar medicamentos
• Ter sintomas pouco habituais

Consulte o seu médico ou contacte a SAÚDE 24 (808 24 24 24).

Uma vítima de um golpe de calor corre risco de morte. São indispensáveis cuidados médicos de emergência. LIGUE 112.

Continuar a ler

Braga

Condutor que atropelou ciclista em Braga continua em fuga e arrisca pena de prisão até 2 anos

Crime

em

Imagem via Google Maps

O condutor que atropelou um ciclista num dos túneis da Avenida Imaculada Conceição, na cidade de Braga, ainda não se entregou às autoridades, apurou O MINHO junto de fonte da PSP.

O MINHO sabe que a PSP está a tentar apurar a identidade do homem mas a ausência de testemunhas não permite uma maior agilização do processo. O carro seguiria em excesso de velocidade no túnel da intersecção com a Avenida João XXI quando terá abalroado um ciclista de 65 anos, projetando a vítima. Recorde-se que o ciclista circulava legitimamente naquela infraestrutura.

O acidente ocorreu por volta das 10:30 da manhã de domingo, com a vítima a ser assistida no local pelos Bombeiros Voluntários de Braga e transportada de urgência para o Hospital de Braga, onde deu entrada com ferimentos graves.

Já o condutor do veículo automóvel colocou-se em fuga não prestando assistência, incorrendo em crime de omissão de auxílio após acidente criado pelo próprio, punível com pena de prisão até dois anos ou multa até 240 dias.

Continuar a ler

Populares