Seguir o O MINHO

Vitória SC

António Miguel Cardoso é candidato a presidente do Vitória

Empresário de 42 anos

em

Foto: DR/Arquivo

António Miguel Cardoso vai candidatar-se à presidência do Vitória SC nas eleições marcadas para 20 de julho, confirmou hoje à Lusa fonte ligada à equipa.

Membro dos órgãos sociais do Vitória aquando da presidência de Vítor Magalhães, entre 2004 e 2007, o empresário, de 42 anos, vai encabeçar uma das três candidaturas ao próximo ato eleitoral – Daniel Rodrigues e Miguel Pinto Lisboa também almejam a presidência.

A sua lista, intitulada ‘Por ti, Vitória’, conta com André Pereira, Armando Jorge Guimarães, José Eduardo Viamonte e Nuno Leite para a vice-presidência da direção, Belmiro Pinto dos Santos, para a presidência da Mesa da Assembleia Geral, Ricardo Almeida, para o Conselho Fiscal, e João Henrique Faria, para o Conselho de Jurisdição.

António Miguel Cardoso vai formalizar a candidatura às 18:00 de quarta-feira, precisamente o horário limite para a entrega das listas – têm de ter, no mínimo, 300 assinaturas de sócios efetivos.

É a segunda vez na história do clube que vai haver mais de duas listas numa corrida eleitoral, depois de, em 2007, Emílio Macedo da Silva ter superado, nas urnas, Manuel Rodrigues e André Pereira, precisamente um dos candidatos a vice-presidente de António Miguel Cardoso.

O Vitória SC vai ter eleições, após a direção liderada por Júlio Mendes, presidente do clube desde 2012, ter anunciado a demissão no passado dia 27 de maio.

Anúncio

Futebol

Bruno Duarte quer vencer Taça de Portugal pelo Vitória

Avançado contratado esta época

em

Foto: DR / Arquivo

O avançado Bruno Duarte assumiu hoje o objetivo de vencer a Taça de Portugal de futebol na presente época, ao serviço do Vitória SC, atual quarto classificado da I Liga portuguesa.

“A ambição é de vencer [a Taça de Portugal]. Fomos campeões em 2012/13 e já chegámos a sete finais. Desejamos chegar à oitava. Por quantos mais títulos pudermos lutar, melhor para o Vitória e para a carreira de todos nós”, disse, à margem de uma visita de uma comitiva vitoriana à escola EB 2 e 3 de Pevidém, no concelho de Guimarães.

Acompanhado pelo colega de equipa Rafa Soares e pelo relações públicas do clube, Neno, o dianteiro brasileiro, de 23 anos, acrescentou que a equipa treinada por Ivo Vieira deve estar preparada para “impor” o seu futebol e para “correr o menor risco possível” na sua estreia para a competição, frente ao Sintra Football, equipa da série D do Campeonato de Portugal, às 14:00 de sábado, em Oeiras.

O Vitória, disse ainda o ponta de lança, tem um plantel “forte” e “competitivo”, que encara com “ambição” as restantes provas em que está inserido – Liga Europa, Taça da Liga e campeonato.

“Se tivermos a ambição de sermos campeões, é mais fácil acabarmos [a prova] nos cinco primeiros”, explicou.

Contratado no último ‘mercado de verão’ aos ucranianos do Lviv, Bruno Duarte admitiu ter sentido “diferenças táticas e técnicas” e “até mesmo de clima” quando chegou a Guimarães, mas disse estar pronto para “dar o melhor” pelos vitorianos e até para lutar pela distinção de melhor marcador do campeonato – marcou, até agora, um golo, na vitória sobre o Tondela (3-1).

“O objetivo é sempre conseguir a ‘artilharia’ num campeonato. É um trabalho árduo, mas que está a ser feito. Acredito que esta temporada vai ser boa para todos os pontas de lança do Vitória”, concluiu.

Continuar a ler

Futebol

Sacko seis semanas fora no Vitória

Lesão

em

Foto: Twitter

O lateral direito do Vitória SC, Sacko, contraiu uma lesão muscular e vai estar fora dos relvados por seis semanas, confirmou hoje fonte oficial do clube da I Liga portuguesa de futebol, contactada pela Lusa.

Substituído com dores na coxa esquerda, no duelo de quinta-feira com os alemães do Eintracht Frankfurt, para a Liga Europa (derrota vimaranense por 1-0), o futebolista maliano, de 24 anos, foi examinado e só poderá voltar à competição a partir de meados de novembro.

Utilizado em 14 dos 16 encontros oficiais disputados pelos minhotos, o defesa vai falhar os jogos ‘europeus’ com o Arsenal, em Inglaterra (24 de outubro) e em Guimarães (06 de novembro), quatro encontros da I Liga – Sporting (oitava jornada), Belenenses (nona), Moreirense (10.ª) e Braga (11.ª) – e também o embate da Taça de Portugal com o Sintra Football, do Campeonato de Portugal.

Internacional pela seleção do Mali em 12 ocasiões, Sacko vai falhar ainda a receção à Mauritânia, em 18 de outubro, jogo relativo à fase de qualificação para a Taça das Nações Africanas de 2020, para o qual estava convocado.

O jogador lesionou-se numa fase em que o colega de setor no Vitória, o venezuelano Victor Garcia, está também lesionado, assim como o guarda-redes Jhonatan, os médios Wakaso, Joseph e João Carlos Teixeira e os avançados Ola John e Aziz.

Continuar a ler

Futebol

“Equipa teve um comportamento fantástico”

Vitória SC 0- 1 Eintracht Frankfurt

em

Foto: DR / Arquivo

Declarações dos treinadores após o Vitória SC – Eintracht Frankfurt (0-1), jogo da segunda jornada do Grupo F da Liga Europa de futebol, disputado em Guimarães:

Ivo Vieira (treinador do Vitória SC): “A sensação é a de que poderíamos ter feito mais, tal como no jogo anterior, para esta Liga [Europa]. A realidade é que se vive de golos e de resultados. A equipa teve um comportamento fantástico. Os jogadores deram tudo e levaram a ideia para o campo. Fomos a espaços mais fortes do que o adversário, mas perante uma equipa muito atlética e intensa, tínhamos de igualar essa força. É triste estar perante um resultado que podia ter sido diferente, mas é a experiência do futebol: sofremos um golo de bola parada e não marcámos nos nossos lances.

Não me posso refugiar na sombra quanto ao resultado, porque quero ganhar e somar pontos, e os atletas têm sede de vencer. Agora, pode-se apelidar isto de ‘dores de crescimento’ na competição. Isto também tem a ver com a minha falta de experiência. Não há frustração nenhuma, porque temos o sentimento de que tudo fizemos para conseguir um resultado positivo. Isso não foi conseguido também por mérito do adversário.

O grupo é extremamente difícil. São quatro equipas e não vamos ser hipócritas ao ponto de dizermos que queremos ser primeiros. Se somássemos pontos, talvez conseguíssemos alguma coisa, mas não se pode definir um objetivo quando não se somou pontos nos dois primeiros jogos disputados.

No jogo, foi bem patente o que os atletas fizeram. Lutaram para que o resultado fosse diferente. Estou extremamente agradado com o comportamento dos atletas. A resposta que tiveram foi a ovação da nossa massa associativa no final. A equipa não se escondeu e lutou o jogo pelo jogo.

Embora os adeptos queiram vitórias e nós queiramos dá-las, temos conseguido um percurso notável. Na Liga Europa, não temos somado pontos. Só temos mostrado qualidade de jogo. No campeonato, houve um ou outro jogo onde também não conseguimos traduzir os jogos em bons resultados. Mas eu estou preparado para o que é normal no futebol: quando se ganha e joga bem, está tudo satisfeito, e quando não se ganha, a insatisfação é natural. Mas há ligação entre os adeptos e a equipa, pelo apoio que eles nos dão.

Um colega meu dizia que até lá [o momento da finalização], eu consigo fazer. Depois, o resto é com eles [jogadores]. Trabalhámos à semana todos os momentos do jogo. Em relação ao tempo de paragem [competitiva], não acredito que isso quebre a nossa dinâmica. Era preciso algum tempo de descanso para os atletas poderem reaparecer de forma mais competitiva e forte. Quanto aos efeitos da paragem, é benéfica se a equipa ganhar e não é benéfica se a equipa não ganhar”.

Adi Hütter (treinador do Eintracht Frankfurt): “Era um jogo que esperávamos difícil, contra um adversário difícil como o Vitória de Guimarães, e acabou por não ser nada fácil para nós. Mas, no fim, o que interessa são os três pontos. E conseguimo-los. Fico contente por Frederik Ronnow não ter sofrido golos.

Houve certas coisas que eu queria ver e não funcionaram, mas também devido ao adversário, que jogou muito bem. Queria mais um jogador no centro do meio-campo para levar o jogo para a frente, mas não o conseguimos muito bem. Na segunda parte, o processo já funcionou melhor.

Fico contente por André Silva ir à seleção. Na convocatória anterior, não tinha sido chamado. Isto prova que está a trabalhar bem, no caminho certo. Hoje não foi um jogo fácil, porque o Vitória cobriu muito bem os espaços no nosso ataque. Não foi um jogo muito bem conseguido, mas ganhámos, e isso é o mais importante.

[Evan N’Dicka] É um jogador que não tem jogado muito e normalmente não marca golos. Fico contente por ele ter marcado.

Após a vitória do Arsenal sobre o Standard de Liège (4-0), estamos mais tranquilos [na classificação do grupo F], mas ainda temos muito a trabalhar para garantirmos a passagem”.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares