Seguir o O MINHO

Região

Antigo vice-reitor da UMinho vence Prémio Camões

Literatura

em

Foto: UMinho

O professor e ensaísta Vítor Manuel de Aguiar e Silva é o vencedor do Prémio Camões 2020, anunciado hoje pela ministra da Cultura, após reunião do júri. Foi, durante 12 anos, vice-reitor da Universidade do Minho (UMinho).


O Prémio Camões de literatura em língua portuguesa foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, com o objetivo de distinguir um autor “cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum”.

Foi atribuído pela primeira vez, em 1989, ao escritor Miguel Torga. Em 2019 o prémio distinguiu o músico e escritor brasileiro Chico Buarque, autor de “Leite Derramado” e “Budapeste”, entre outras obras.

O Prémio Camões 2020 disse hoje à Lusa que se recusa a escrever segundo o novo acordo ortográfico, por considerar que resultou numa “língua desfigurada”.

“O novo acordo ortográfico tem normas que necessitam urgentemente de uma revisão. A sua aplicação resulta numa língua desfigurada nas suas raízes latinas e românicas”, referiu.

Por isso, e por “prezar muito” a língua portuguesa, Vítor Aguiar e Silva continua a escrever segundo o acordo ortográfico de 1945.

“Ainda agora lancei um livro com quase 600 páginas, com o título ‘Colheita de Inverno’, e não vê lá uma palavra que seja escrita segundo o novo acordo”, sublinhou.

Vítor Aguiar e Silva foi um dos signatários da Petição em Defesa da Língua Portuguesa, Contra o Acordo Ortográfico, que desde 02 de maio de 2008 recolheu mais de 128 mil assinaturas.

“Soube do prémio pela ministra da Cultura, que me ligou perto das 19:15 a dar a novidade. Fiquei tão emocionado que ainda agora não sei bem explicar o que senti”, referiu.

Na sua opinião, a atribuição do prémio foi o “coroamento de toda uma vida” de docência e investigação nos domínios da língua e literatura portuguesa e dos estudos camonianos”.

Ensaísta e professor universitário, Vítor Manuel de Aguiar e Silva nasceu em Penalva do Castelo, no distrito de Viseu, em 1939.

Na Universidade de Coimbra, obteve todos os seus graus e títulos académicos e foi professor catedrático da Faculdade de Letras até 1989, ano em que pediu transferência para a Universidade do Minho.

Nesta universidade, foi professor catedrático do Instituto de Letras e Ciências Humanas, fundou e dirigiu o Centro de Estudos Humanísticos e a revista Diacrítica.

Desempenhou também as funções de vice-reitor, de junho de 1990 a julho de 2002, altura em que se aposentou.

O Prémio Camões de literatura em língua portuguesa foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, com o objetivo de distinguir um autor “cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum”.

Foi atribuído pela primeira vez, em 1989, ao escritor Miguel Torga. Em 2019 o prémio distinguiu o músico e escritor brasileiro Chico Buarque, autor de “Leite Derramado” e “Budapeste”, entre outras obras.

UMinho expressa “júbilo” pela atribuição do Prémio Camões a um dos seus maiores

O reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro, afirmou hoje que a atribuição do Prémio Camões 2020 a Vítor Manuel de Aguiar e Silva é um “motivo de júbilo e grande alegria” para aquela academia.

Em declarações à Lusa, Rui Vieira de Castro acrescentou que se trata de um “reconhecimento merecidíssimo” para alguém que foi “absolutamente marcante na evolução dos estudos literários e da teoria da literatura em Portugal”.

“É um dos professores mais eminentes da Universidade do Minho, é um dos nossos maiores, a atribuição do Prémio Camões é para nós motivo de júbilo e de grande alegria”, vincou.

A atribuição do Prémio Camões 2020 ao professor e ensaísta Vítor Manuel de Aguiar e Silva foi anunciada hoje pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, após reunião do júri, em Lisboa.

Vítor Aguiar e Silva foi escolhido em reconhecimento da “importância transversal da sua obra ensaística” e do seu “papel ativo relativamente às questões da política da língua portuguesa e ao cânone das literaturas de língua portuguesa”, lê-se no comunicado divulgado pelo júri desta 32.ª edição do Prémio Camões.

Ensaísta e professor universitário, Vítor Manuel de Aguiar e Silva nasceu em Penalva do Castelo, no distrito de Viseu, em 1939.

Na Universidade de Coimbra, obteve todos os seus graus e títulos académicos e foi professor catedrático da Faculdade de Letras até 1989, ano em que pediu transferência para a Universidade do Minho.

Nesta universidade, foi professor catedrático do Instituto de Letras e Ciências Humanas, fundou e dirigiu o Centro de Estudos Humanísticos e a revista Diacrítica. Desempenhou também as funções de vice-reitor, de junho de 1990 a julho de 2002, altura em que se aposentou.

O Prémio Camões de literatura em língua portuguesa foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, com o objetivo de distinguir um autor “cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum”.

Anúncio

Braga

Carro capotado na circular de Braga

Acidente

em

Foto cedida a O MINHO por André Novais

Um automóvel capotou após despiste na circular de Braga, junto ao nó que dá acesso ao Braga Parque, ao final da tarde desta sexta-feira.

No local estão os Bombeiros Sapadores de Braga com uma equipa de desencarceramento e uma ambulância.

Foto cedida a O MINHO por André Novais

O trânsito encontra-se condicionado no sentido Norte-Sul.

(em atualização)

Continuar a ler

Braga

Empreendedorismo aproxima Braga do Irão

Diplomacia

em

Foto: Divulgação / InvestBraga

O embaixador do Irão, Morteza Damanpak Jami, visitou esta sexta-feira, 20 de novembro, a cidade de Braga, com visitas à InvestBraga, Startup Braga e ao Município.

Em comunicado, a InvestBraga refere que esta visita “permitiu mostrar o dinamismo da cidade e da região, nomeadamente as suas vantagens competitivas e o ecossistema económico e empresarial”.

Acompanhado pelo primeiro-secretário e conselheiro da Embaixada, Mohammad Farahat, o embaixador esteve reunido com Carlos Silva, administrador executivo da InvestBraga e com Gil Carvalho, responsável pela área da Dinamização Económica e Atração de Investimento da InvestBraga.

Durante a reunião foram apresentados os principais atores económicos, científicos e culturais do concelho de Braga, “de forma a promover aquilo que de melhor se faz na região”, refere a mesma nota.

Na Startup Braga, a comitiva conheceu o ecossistema empreendedor da região que, como sublinhou Ricardo Rio, presidente do Câmara e da InvestBraga, é semelhante ao da cidade iraniana Yazd.

“Yazd é uma cidade com uma grande história e um grande dinamismo, com uma presença muito forte do ponto de vista da cultura, da investigação e do empreendedorismo, áreas que Braga tem valorizado nos últimos anos e que podem ser fortalecidas entre as cidades e os seus agentes”, referiu o edil.

Ricardo Rio destacou ainda que o concelho está “fortemente empenhados em construir uma relação duradoura com diversos países e agentes económicos, no sentido de colocar Braga no radar do investimento internacional”.

A parte da tarde foi reservada para a visita a outros pontos de atratividade da cidade, como a reitoria da Universidade do Minho e a visita à empresa bysteel, do dst group.

Recorde-se que a visita do Embaixador do Irão a Braga insere-se no âmbito de uma iniciativa dinamizada pela InvestBraga, que tem como missão promover o contacto do corpo diplomático com a realidade bracarense enquanto vetor estratégico de promoção da cidade e dos seus ativos.

Continuar a ler

Alto Minho

Escolas primárias de Ponte de Lima com ‘ecobags’ para separar resíduos

Ambiente

em

Foto: Divulgação / CM Ponte de Lima

Os alunos das escolas de primeiro ciclo de Ponte de Lima têm um novo incentivo para separar os resíduos. Em comunicado, a Câmara de Ponte de Lima dá conta da distribuição de ‘ecobags’ por “todas as salas de aula” do primeiro ciclo do ensino básico em todo o concelho.

Segundo o comunicado, esta iniciativa “visa sobretudo educar e sensibilizar para a importância da reutilização e reciclagem,
com o objetivo de contribuir para uma correta separação de todos os resíduos sólidos que são produzidos, sendo os ecobags facilitadores deste processo de separação de resíduos”.

“Assim, foi entregue a cada sala um conjunto de três ecobags, um para o papel, um para o vidro e outro para embalagens, para que assim se iniciar ou dar continuidade ao processo de separação para reciclagem nas escolas”, finaliza a nota de imprensa.

Continuar a ler

Populares