Seguir o O MINHO

Braga

Antigo convento vai ser requalificado para hotel de 4 estrelas no centro de Braga

Projeto aprovado na Câmara arranca em outubro

em

Foto: Luís Moreira

O aumento do turismo exige bons hotéis e, pouco a pouco, vão crescendo os qualidade na cidade de Braga, que, agora, vai ter mais um hotel no centro histórico. A Câmara Municipal acaba de aprovar o projeto do grupo israelita Fortera de requalificação e transformação do antigo Convento das Carmelitas, de 1655, sito ao Largo do Carmo e junto à Igreja com esse nome, em unidade hoteleira de 4 estrelas.

Fonte do grupo adiantou hoje a O MINHO que o investimento é de 11 milhões de euros, e a obra arranca em outubro, após concurso público, para estar pronto em 2024.

A licença, passada pelo pelouro do Urbanismo gerido pelo vereador João Rodrigues, indica que os dois edifícios – um construído originalmente ao lado da Igreja e outro, acrescentado posteriormente, e cujo conjunto está classificado como imóvel de «interesse público», será transformado numa «boutique hotel», com 71 quartos (141 camas) – três deles em formato apartamento/estúdio – equipados para estadias curtas e médias, com piscina, espaços para reuniões (co-working), ginásio, salão, restaurante e cafetaria.

Quatro pisos e cave

Terá quatro pisos e uma cave, sendo o estacionamento dos clientes feito no parque do Campo da Vinha, por acordo com a Bragaparques, cumprindo-se, assim, a lei do setor que obriga a ter espaços para viaturas para 20% da capacidade.

Maqueta. Foto: DR

“É um projeto que dignifica os dois edifícios do Convento, enquanto elementos inseridos num contexto urbano de grande qualidade arquitetónica e património histórico, e que contribui para a qualificação do espaço público”, adiantou a O MINHO a arquiteta Alexandra Caetano.

A obra fará um ligeiro acrescento nas fachadas dos dois prédios, uniformizando-os mas mantendo o seu desenho original.

Um dos edifícios do Convento, o mais recente, construído em madeira, está em estado de degradação e ameaça ruína, o que exige a sua demolição numa zona traseira.

No interior serão restaurados o claustro e o pátio, sendo as celas dos monges integradas nos quartos ou zonas comuns do hotel.

O projeto de arquitetura teve em conta algumas alterações sugeridas pela Direção-Geral do Património Cultural, tendo em vista a preservação de elementos construtivos do interior do Convento e a manutenção das janelas.

Os diferentes pisos

O projeto de arquitetura aponta, ainda, para que a cave tenha espaços de arrumação, áreas técnicas e balneários de funcionários. O rés-do-chão terá uma sala de convívio e sala de refeições para pequenos-almoços com copa de serviço, bar e instalações sanitárias para utentes. Neste piso, haverá 15 quartos duplos.

O piso intermédio, o segundo, que tem acesso desde a Travessa do Carmo, alberga o lobby e a Receção com as zonas de serviço inerentes como maleiro e arrumos e copa de serviço. Terá 18 unidades de alojamento, ou seja, 16 quartos duplos e dois individuais. Terá 15 quartos duplos.

O andar seguinte terá 14 quartos duplos, quatro suites e seis apartamentos/estúdio.
O último piso terá mais 11 quartos duplos e três apartamentos/estúdio.

EM FOCO

Populares