Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Antiga fábrica em Viana dá lugar a um Aldi, um KFC e um hotel. Obras já arrancaram

Empreendimento de grandes dimensões numa das principais artérias da cidade

em

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Já arrancaram as obras do novo empreendimento que está a ser construído nas instalações da antiga fábrica Somartis, em Viana do Castelo, e que prevê um novo hotel, um supermercado e um restaurante. A parte de loteamento, como arruamentos, acessos ou passeios, já está quase concluída, faltando terminar a rotunda de acesso ao novo espaço – e que deve estar pronta em junho.

O MINHO sabe que as obras já arrancaram, com o supermercado Aldi na linha da frente, devendo, ao que tudo indica, ficar concluído no final do verão. Segue-se o restaurante, da marca Kentuky Fried Chicken, cujo arranque deverá estar para breve e o término é apontado “para final do ano”. Depois, será erguido o hotel, cuja marca ainda não foi revelada.

Trata-se de um investimento do grupo holandês Ten Brinke, de cerca de 18 milhões de euros, a construir nos terrenos da Somartis, uma empresa de tapetes fundada nos anos 60 que entretanto encerrou.

Antiga fábrica Somartis, ainda de pé. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Início do processo de demolição da fábrica. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Para já, e para além do supermercado, está em construção a rotunda de acesso, que ficará localizada na interseção da Avenida 25 de abril com a Rua de Monserrate, numa das zonas mais centrais da cidade de Viana do Castelo.

Cristiano Costa, arquiteto e coordenador geral do projeto, da empresa C&C architects, contactado por O MINHO, adiantou que os trabalhos no interior da Somartis “estão já adiantados”, sobretudo em relação ao supermercado. Já o arranque da construção do restaurante “estará para breve”.

Carregamento de material para a obra. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Terraplanagem da antiga fábrica. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“O loteamento está já em fase de finalização, vão ainda fazer a interseção giratória (rotunda), e no interior os trabalhos estão adiantados, no que diz respeito ao edifício do Aldi”, salientou.

Projeto, já com a nova rotunda, foi revelado pela C&C architects. Foto: C&C architects

Satisfeito e, até, orgulhoso por a firma onde é responsável ter sido eleita para projetar este empreendimento, Cristiano ressalva que não houve muito por onde inovar, uma vez que estas insígnias, como a Aldi e o KFC, já têm um estilo muito próprio em relação aos edifícios que albergam as suas lojas. Contudo, foram tidos em conta vários aspectos, como é o caso da fluidez de trânsito, os acessos, um circuito para veículos pesados e, claro, o enquadramento paisagístico.

Terraplanagem da antiga fábrica. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Início da construção do Aldi. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“Nós já temos alguma experiência em projetos desta dimensão. Fizemos o E. Leclerc e o Pingo Doce, em Viana. Este é um empreendimento maior, engloba três insígnias e está situado numa zona mais estruturante, onde é permitida expansão”, explicou.

Cristiano Costa admite que o convite surgiu em boa hora, uma vez que o promotor da obra, um fundo holandês, poderia ter escolhido um arquiteto estrangeiro, mas resolveu apostar na ‘prata da casa’.

“Sermos convidados para este projeto é um orgulho. Podiam ter escolhido imensos gabinetes, até porque o investidor é de um fundo holandês muito forte, mas tiveram o cuidado de escolher um arquiteto local, e ficamos muito contentes”, considerou.

Motivo de orgulho é também o tamanho da obra em causa – cerca de 15.000 metros quadrados de intervenção, “ainda por cima numa das principais artérias da cidade”, concluiu.

Populares