Seguir o O MINHO

Braga

Antiga empresa de Salvador quer pagar 28,2 milhões a 445 credores em 12 anos

Tribunais

em

Parque D. Luís, em Braga (obra da Britalar). Foto: Divulgação (Arquivo)

A empresa Moura Atlântico, que adquiriu a construtora Britalar, de Braga, apresentou no Tribunal de Famalicão, o quarto PER-Plano Especial de Recuperação no qual se propõe pagar 28,2 milhões de euros aos seus 445 credores.

Entre estes estão a banca, a quem a empresa deve 8,4 milhões, e o anterior proprietário, António Salvador, credor de 1,9 milhões.

Mas os trabalhadores, através do Sindicato dos Trabalhadores da Construção a Norte do rio Douro contestaram já a iniciativa e vão impugnar o processo: “não entendemos como é que uma firma brasileira compra uma empresa falida”, disse a O MINHO fonte sindical, salientando que duvidam, também, da lista de credores apresentada e da capacidade de a empresa cumprir o plano de pagamentos. “Tem capitais próprios negativos”, afirma o sindicato.

Os 15 funcionários que ainda têm dinheiro a receber da Britalar queixam-se de que não recebem há dez meses, a mensalidade acordada. Atualmente, a firma tem apenas um trabalhador.

No atual Plano, a Moura Atlântico propõe-se pagar aos credores comuns – os fornecedores – em 150 prestações mensais, e à banca em 108 prestações, mas, neste caso com carência de dois anos de capital e juros.

No que toca aos créditos privilegiados, os que estão salvaguardados por garantias bancárias ou avais pessoais, como sucede com o Novo Banco (credor de três milhões) a firma compromete-se a continuar a pagar quantias mensais, as determinadas no PER anterior. O mesmo sucede com as dívidas aos trabalhadores, ao fisco e à Segurança Social.

A Moura Atlântico é uma subsidiária da Energyclean, de São Paulo, e é dirigida por Fábio Moura dedicando-se à construção de Imóveis (casas, prédios comerciais) operando na área de reciclagem de garrafas pet. Diz ter experiência no ramo da construção no Brasil, e tem como objetivo entrar no mercado europeu.  Foi fundada em agosto de 1991 e dirigida por Fábio Moura desde a sua abertura.

A empresa dedica-se à construção de Imóveis (casas, prédios comerciais), e tinha como objetivo o de entrar no mercado europeu, tendo, para tal, escolhido a Moura Atlantic – Sociedade de Construções, S.A. por ser uma empresa com “nome, dimensão, know-how, capacidade de produção e acompanhamento de obra, contactos e posicionamento no mercado”.

Populares