Seguir o O MINHO

Alto Minho

Antiga casa de viscondes em Paredes de Coura concessionada por 1.150 euros/mês

Vai ser totalmente recuperada para Turismo

em

Foto: DR

A Casa do Outeiro, um solar setecentista enquadrado em meio rural, em Agualonga, Paredes de Coura, é o alvo de um contrato de concessão que será assinado na sexta-feira, com a presença da secretária de Estado do Turismo, Rita Marques.

Os investidores apresentaram uma proposta à Câmara de Paredes de Coura, detentora do edifício, com vista a transformar o local num estabelecimento hoteleiro ou de vocação turística, revelou a autarquia, em comunicado enviado a O MINHO.

Para esta concessão por 50 anos está prevista uma renda mínima anual de 13.800 euros (1.150 mensais). A fase de licenciamento do projeto e a realização das obras devem estar concluídas no prazo máximo de quatro anos, refere a mesma fonte.

A casa “integra um conjunto notável de solares do concelho de Paredes de Coura, que na região são preferencialmente denominados Casas Grandes”.

Teve a função agrícola como atividade predominante, face à extensão dos dois espigueiros existentes no terreno fronteiro à casa.

A propriedade possui uma área total de 10.443,30 m² e uma área edificada de 2.353,54 m², a que acresce ainda uma área de possível ampliação.

Atualmente pertence ao município, depois de durante séculos ter sido propriedade da família d’Antas, que era dona das quintas vizinhas.

No séc. XIX, por casamento, os seus proprietários passaram a usar o título de Viscondes do Peso de Melgaço.

Apresentando um amplo corpo de construção de diferentes épocas, a arquitetura da Casa do Outeiro vagueia pelo maneirismo, pelo barroco, e numa fase mais tardia, pelas linhas simples e direitas de finais do século XIX.

Populares